5 jovem jogadores Overrated das Big-5

Francisco IsaacDezembro 17, 20187min0

5 jovem jogadores Overrated das Big-5

Francisco IsaacDezembro 17, 20187min0
Com 16/17 anos, quantos jogadores são considerados estrelas mas são algo overrated? Os milhões, imprensa e adeptos ajudam a criar este problema? Concordas com a nossa lista?

O excesso de promoção e de especulação em redor dos jogadores de futebol tem aumentado de década para década e no Século XXI assiste-se a um maior crescimento das valorizações de jovens atletas, que desde os 14 anos (Freddy Adu, Fábio Paim, Royston Drenthe, Nélson Oliveira, são alguns exemplos desse facto) recebem um boom de atenção exagerado.

O factor overrated está cada vez mais presente no Desporto-Rei, e muitas vezes bons atletas passam por excelentes, sem que tenham provado esse valor, com alguns a estarem completamente estagnados apesar dos adeptos e alguma imprensa acharem o contrário.

5 propostas de “diamantes” sobrevalorizados do futebol europeu!

PATRICK CUTRONE (AC MILAN/ITÁLIA)

Patrick Cutrone estreou-se há quase 2 anos com a camisola do AC Milan. Desde então que foi dos jovens italianos mais badalados. Sempre com grandes esperanças por Cutrone, tanto na seleção transalpina, como nos rossoneri, a imprensa europeia sempre atribuiu grande destaque ao avançado de 20 anos.

Não que Cutrone não seja um jovem com muito valor, mas a imprensa desde cedo deu-lhe grande importância, sem ainda ter mostrado provas nos grandes palcos.

Na temporada passada, a sua primeira temporada completa na equipa principal, lutou com o português André Silva, por um lugar no onze. O jovem italiano acabou com 18 golos em 46 jogos, sem, no entanto, se afirmar como titular.

Nesta temporada, Gennaro Gattuso já o comparou a Filippo Inzaghi, ex-avançado do Milan e estrela da seleção italiana. É mesmo disso que o artigo trata, é que o jovem avançado italiano ainda não está num patamar onde já o tentam colocar.

Cutrone, conta com 7 golos esta temporada, 4 na Liga Europa, onde participou em 5 jogos; e apenas 3 na Serie A, em 13 aparições. De referir que num total de 18 jogos, tem apenas 963 minutos.

MARCUS RASHFORD (MANCHESTER UNITED/INGLATERRA)

21 anos tem em 2018 Marcus Rashford, lembrando que a estreia do avançado inglês foi a 21 de Novembro de 2015 com apenas 18 anos de idade e, na altura, prometia mundos e fundos, excelência e genialidade, excentricidade e magia. Contudo, passaram-se três épocas e meia, e o crescimento de Rashford foi praticamente nulo, evidenciando-se cada vez mais como um jogador jovem de boa qualidade, mas longe do que a media inglesa gosta de “inventar”.

Rashford evidencia alguns pormenores muito complicados de resolver já neste escalão sénior, tanto ao nível de entendimento táctico e dinamismos de jogo como de apontamentos individuais, em especial na recepção de bola e na colocação de remate.

Rashford é, de certa forma, um “cavalo selvagem” cheio de força e de excentricidade física, propenso a explodir em velocidade pelo corredor ou meio do terreno e tentar desequilibrar o jogo a partir dessa volatilidade.

Contudo, tem problemas visíveis no saber em que momento deve soltar o esférico, mostrando-se mal cronometrado com os restantes companheiros (no United actual, a culpa também vai para os apoios prestados ao avançado) e sem a excelência que os Red Devils precisam. O remate apresenta-se pobre na maioria das oportunidade, quer em força ou em colocação, apesar de ser um jogador com algum sentido de oportunidade.

Quando está com índices baixos de confiança, é notável como o seu toque de bola sofre de forma profunda, dando um toque a mais no momento da recepção, fugindo à lógica do gostar de ter a bola colada ao pé. Tem alguns pormenores que foge por inteiro ao futebol inglês, como a qualidade no drible e algum virtuosismo que cria sérios problemas quando tem o espaço necessário.

Durante anos a imprensa inglesa fez de Rashford o novo Alan Shearer, sem o mesmo faro a golo (em 143 jogos pelo United só concretizou 36 golos), afirmando que o avançado seria um dos líderes da nova aurora da Selecção de Sua Majestade. Aos 21 anos, Rashford está ainda longe de ser um líder dessa nova Era, apesar de ter (finalmente) mostrado qualidade ao serviço dos comandados de Gareth Southgate.

Será que a estagnação de Rashford deve-se ao mau momento do United? Ou o United também está nesta baixa de forma pela falta de um Rashford que prometia muito em 2015?

ADRIEN RABIOT (PARIS SAINT-GERMAIN/FRANÇA)

Adrien Rabiot surgiu na equipa principal do Paris Saint Germain com apenas 17 anos na época 2012/2013, e está desde 2013/2014 a jogar regularmente no meio campo parisiense, no entanto o jogador que aparecia como uma das maiores promessas gaulesas para o meio campo, parece agora com 23 anos continuar a ser exatamente isso, uma promessa.

Com uma qualidade de jogo impressionante aos 19 anos eram muitos os que esperavam que por esta altura Rabiot fosse dos médios mais cobiçados do mundo, sendo um patrão da seleção gaulesa. A realidade é que o jogador não foi sequer escolha para o Mundial 2018.

Com um valor de mercado de 50M, Rabiot parece ainda manter o estatuto de promessa/craque, mas a realidade é que os números apresentados em campo parecem não variar com o passar dos anos.

Será Rabiot um dos jogadores mais overrated do momento, ou ainda vai a tempo de ser o jogador que tanto prometeu?

DAVIE SELKE (HERTHA BSC/ALEMANHA)

Quando apareceu no europeu sub 19 de 2014, ganho pela Alemanha (que tinha elementos como Julian Brandt, Niklas Stark ou Joshua Kimmich), parecia que estávamos na presença do futuro ponta de lança da seleção alemã.

5 golos em 6 partidas permitiram-lhe ganhar o prémio de MVP do torneio, e um lugar de destaque no plantel do Werder Bremen, onde apontou na sua primeira época a nível sénior, 10 golos em 33 jogos.

Na época de 15/16 tomou a decisão de entrar no projeto do RB Leipzig, na altura ainda na Bundesliga 2. Novamente 10 golos em pouco mais de 30 jogos, algo no máximo aceitável para um avançado que era apontado a voos elevados.

Na estreia do Leipzig na Bundesliga teve uma época de pouco protagonismo, algo que o levou a mudar-se para o Hertha por 8 milhões de euros na época seguinte. Ainda assim, os seus números na primeira época foram satisfatórios, com 14 golos em 31 jogos. Na época atual o jovem de 23 anos tem apenas um golo em 14 jogos, e há muito que as exibições não convencem.

Pouca produtividade, pouca luta, e uma aparente letargia parecem afetar o avançado, que perdeu a corrida com Timo Werner na luta por uma posição no ataque da seleção alemã, sendo que nomes como Kevin Volland, Lars Stindl e Mark Uth estão claramente à sua frente na hierarquia de dianteiros germânicos.

MARCOS ASENSIO (REAL MADRID/ESPANHA)

1456 minutos de utilização, em 24 jogos. Apenas 4 golos e 4 assistências.

Seja por estar a atravessar um mau momento de forma, seja pela forma como tem sido utilizado esta época, quer por Julen Lopetegui, quer agora por Santiago Solari; seja até por estar, de facto, a estagnar na sua evolução, a verdade é que o atacante espanhol de 22 anos não está a realizar uma época positiva.

Embora não contem a história na sua totalidade, os números acabam por falar por si no caso de Marco Asensio, cuja produção na equipa “merengue” tem sido…praticamente inexistente.

Quando se esperava que fosse um dos principais “beneficiados” pela saída de Cristiano Ronaldo do Real Madrid, Asensio desiludiu, mostrando-se muito inconsequente e até displicente, não conseguindo aproveitar as oportunidades que lhe foram sendo dadas e sendo ultrapassado nas escolhas técnicas por Lucas Vázquez e, em alguns jogos, pelo jovem brasileiro Vinícius Júnior.

E será até caso para pensar se o Real Madrid não estará, hoje em dia, menos reticente a uma possível venda do jogador, que também poderá ver nessa mudança uma oportunidade de relançar a sua (ainda jovem) carreira.

Um enorme talento que, no entanto, tarda em conseguir demonstrar todas as suas credenciais na temporada vigente.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter