5 Jogadores que podiam estar na convocatória de Portugal para a Liga das Nações

Francisco IsaacMaio 27, 20196min0

5 Jogadores que podiam estar na convocatória de Portugal para a Liga das Nações

Francisco IsaacMaio 27, 20196min0
Escolhemos 5 jogadores que podiam estar incluídos no elenco chamado para a Liga das Nações. De um lateral-direito do Leicester a um central do Montpellier qual destes merecia estar lá?

Fernando Santos escolheu os seus 23 jogadores para a Liga das Nações, mas como sempre há alguns jogadores que mereceriam uma oportunidade para estar no elenco e lutar por um lugar no 11 do seleccionador Nacional. Seriam estas opções interessantes para as Quinas? Ou existem outros nomes?

PEDRO MENDES (MONTPELLIER)

Em Portugal discute-se se Ferro deveria ter ido no lugar de Rúben Dias ou de outro dos centrais escolhidos por Fernando Santos, contudo no meio da discussão sobre quem mereceria fazer parte das opções para os defesas, houve algum esquecimento para com Pedro Mendes do Montpellier.

O defesa formado no Sporting Clube de Portugal tem marcado a sua passagem pelo Montpellier com categoria, vincando uma postura excelente na abordagem ao ataque adversário, para além dos aspectos físicos que fazem dele um elemento verdadeiramente fundamental nos actuais 6º classificados da Ligue 1.

Pedro Mendes já foi chamado por Fernando Santos e chegou mesmo a estrear-se em 2018 pelas Quinas, mas ainda não foi aquela oportunidade de afirmação total e consolidada e que tarda em chegar. Numa altura de discussão em relação à continuidade de Pepe e José Fonte, a escolha por Pedro Mendes forneceria Portugal de uma opção carregada de experiência, com um índice de trabalho de topo e possibilidade de dar forma ao eixo defensivo português.

32 jogos a titular em 2018/2019 não serão provas suficientes da qualidade do defesa?

ANTUNES (GETAFE)

Considerado por alguns sites de informação desportiva como o melhor lateral-esquerdo da La Liga 2018/2019, Vitorino Antunes foi um dos líderes do Getafe durante a campanha do emblema madrileno que terminaram em 5º lugar a dois pontos da última vaga para a Liga dos Campeões, sendo uma classificação histórica e impensável no início da época passada.

Antunes foi titular em 25 dos 38 jogos do Getafe, mantendo os mesmos níveis físicos do passado, pulsando uma boa velocidade e capacidade de recuperação que oferece estabilidade e segurança à ala esquerda dos azulones.

Neste momento, a competição pelo lugar de lateral-esquerdo é das mais interessantes nas Quinas, pois esta dividida entre Raphäel Guerreiro, Mário Rui, Kevin Rodrigues e com Antunes a correr completamente de fora, mas não de todo excluído de um possível regresso a uma selecção que não o convoca desde 2017.

Antunes tem experiência, tem a capacidade de poder jogar como um lateral mais avançado, aborda bem o ataque e tem capacidade para participar na construção de jogo, algo que nem todos os laterais da selecção nacional partilham. Infelizmente, está a contas com uma lesão no joelho mas veremos o que acontecerá ao lateral do Getafe caso mantenha a mesma qualidade de jogo.

RICARDO PEREIRA (LEICESTER CITY)

A par de Pedro Mendes é outro dos jogadores que merecia estar no grupo final de Fernando Santos até pela época soberba que realizou ao serviço dos foxes com 35 jogos, 2 golos e 7 assistências no ano de estreia na Premier League! O lateral ex-FC Porto é talvez um dos jogadores portugueses em melhor forma há mais tempo, já que desde os tempos do OG Nice que não pára de influenciar directamente os comportamentos defensivos e ofensivos das equipas por onde passa.

Veloz a tomar decisões e a aproveitar o espaço concedido, inteligente na forma como utiliza a posse de bola e bem desenvolvido tecnicamente ao ponto de poder criar sérios problemas para os defesas contrários, isto tudo movendo-se como um lateral que sabe jogar perfeitamente a extremo.

É difícil perceber como Ricardo Pereira fica excluído por completo das opções de Fernando Santos, que apesar de ter a concorrência de Nelson Semedo e João Cancelo mereceria uma oportunidade para fazer parte do elenco para a Liga das Nações.

Será interessante perceber se Ricardo Pereira terá a oportunidade real de mostrar o seu valor pelas Quinas, ou se será um jogador considerado como 3ª opção para as escolhas de Fernando Santos.

GELSON MARTINS (AS MONACO)

De total apagão no Atlético Madrid de Diego Simeone para o renascimento ao serviço do AS Monaco de Leonardo Jardim, foi esta a época de Gelson Martins o antigo extremo-direito do Sporting CP.

malabrista português foi um dos responsáveis pela manutenção do emblema monegásco, com um registo de 4 golos marcados e 2 assistências em 16 jogos na Ligue 1. Não sendo números estratosféricos para um atleta da sua qualidade, Gelson Martins voltou a entrar em forma e parece ter ganho outra robustez internacional, apesar de ainda carecer de um melhor tempo de decisão.

Mesmo assim, Gelson Martins reergueu-se e parece caminhar no sentido de voltar a ser uma aposta por parte de Fernando Santos, até porque a Selecção Nacional actualmente estará apostada na renovação e na revitalização da forma de jogar, encaixando-se bem no perfil do extremo. Não foi de todo uma época fantástica para o ex-leão, mas não pode ser totalmente riscado até pela forma como acabou a época e em caso de alguma lesão, poderá surgir como solução de emergência.

ANTHONY LOPES (LYON)

Beto e José Sá foram as escolhas para fazer “sombra” a Rui Patrício, mas Anthony Lopes poderia perfeitamente estar entre as escolhas do Engenheiro caso não tivesse pedido dispensa por uma temporada, ao jeito do que Cristiano Ronaldo fez entre Agosto de 2018 e Fevereiro de 2019. Contudo, Lopes fez uma época irrepreensível pelo Olympique Lyon actuando em 47 dos 52 jogos jogados pelo emblema francês, conseguindo livrar a baliza de golos em 12 encontros diferentes.

A experiência acumulada do luso-descente têm-lo colocado como um dos dois melhores guardiões da Ligue1, muito pela forma dotada com que se apresenta em vários capítulos: velocidade e capacidade de reacção rápida no 1 para 1 ou em situações de desvantagem numérica; saída elástica dos postes, tendo livrado o Lyon de alguns sustos em jogos grandes; agressividade na comunicação com os defesas, colocando a equipa constantemente de sobreaviso.

Aos 28 anos Anthony Lopes ainda não conseguiu ser uma oposição totalmente aceite para tirar o lugar a Rui Patrício, mas é inegável o valor que o guardião apresenta e a segurança que pode conferir caso o titular das Quinas esteja indisponível ou se retire dentro de alguns anos.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter