4 contratações de Verão 2018 que foram autênticos flops durante a época

Fair PlayMaio 9, 20195min0

4 contratações de Verão 2018 que foram autênticos flops durante a época

Fair PlayMaio 9, 20195min0
Custaram milhões, foram anunciados como grandes reforços mas no final não passaram de flops de mercado. Quem foram então os 4 jogadores escolhidos para esta lista?

FRED (MANCHESTER UNITED)

O internacional brasileiro de 26 anos chegou a Manchester como um dos únicos reforços pedidos a “dedo” de José Mourinho (ou pelo menos é o que se afirmava na altura) e depois de anos de sucesso ao serviço do Shakthar, onde rubricou excelentes exibições na Liga dos Campeões e Liga Europa, esperava-se que pegasse de estaca no meio-campo dos Reds.

60 milhões de euros foram pagos em Agosto de 2018 por Fred e definitivamente que a conclusão final é de que foi um fracasso total, uma vez que transitou da titularidade para a bancada, de jogos de qualidade para um nível fraco, de bons passes de transição para perdas de bola inexplicáveis e que comprometeu o histórico clube de Manchester em algumas ocasiões.

Fred tem talento, é inegável esse facto, mas nunca o realmente mostrou em Old Trafford, revelando alguns traços minimamente preocupantes e que colocam o seu futuro em Inglaterra em causa: intensidade de jogo deficitária, não conseguindo acompanhar o ritmo alto de jogo o que força vários erros defensivos/ofensivos da equipa; execução do passe em zonas de maior pressão defensiva do adversário, sucumbindo em situações de maior “aperto”; e mindset, que foi algo que Fred não conseguiu ter nos piores momentos da época, cedendo quando se pedia uma resposta de força.

Ironicamente, Fred esteve em 7 das 9 derrotas do United para o a Premier League e essa etiqueta poderá ter marcado esta época (ou passagem, dependendo do seu destino final da temporada) do internacional brasileiro.

DOUGLAS COSTA (JUVENTUS) – Queiros

Douglas Costa chegou à Juventus na época de 2017/2018 por empréstimo do Bayern de Munique e rapidamente se assumiu como um dos homens fortes da equipa italiana tendo acabado a época com 47 jogos realizados, ainda que tenha feito apenas 6 golos.

Apesar da pouca produção ofensiva, no que a números diz respeito, as prestações do brasileiro foram suficientes para convencer a Juventus a pagar 40M de euros pelo jogador, acrescido aos seis que já tinham pago para garantir o empréstimo do atleta.

No entanto e depois da chamada “época de adaptação”, esperava-se muito mais do Brasileiro que esta época realizou apenas 25 partidas e não chegou ainda aos 1000 minutos na época, tendo apontado 1 golo e assistido para 2, todos na Serie A.

Números bastante aquém dos exigidos a um atleta no topo da forma com 28 anos e que custou 46M de euros.

É certo que o brasileiro foi “tapado” pela chegada de Cristiano Ronaldo a Turim, mas cabia a Douglas Costa conseguir encontrar o seu espaço, mas neste momento parece partir atrás de quase todos os seus colegas. Até de Bernardeschi e pela jovem sencação… Kean.

Parece um dos mais fortes candidatos à saída em Turim para garantir o dinheiro necessário para reforçar outras posições.

THIBAUT COURTOIS (REAL MADRID)- Dias

Uma das desilusões da temporada do Real Madrid tem de ser Thibaut Courtois. O belga chegou ao colosso espanhol, proveniente do Chelsea, com a missão de relegar para o banco de suplentes Keylor Navas e elevar o nível qualitativo da baliza madridista.

No entanto, Courtois nunca conseguiu conquistar de forma indiscutível o seu lugar no 11 titular, alternando com o colega costa-riquenho (e, numa ocasião, inclusive com Luca Zidane, 3º guarda-redes do clube e filho do actual treinador, Zinedine Zidane) durante toda a época. Esta falta de continuidade reflectiu-se na sua qualidade exibicional, levando a que nunca apresentasse o nível a que habituou os adeptos durante a sua carreira no Chelsea e na selecção da Bélgica.

Para além disso, Courtois não fez também esquecer Keylor Navas que, embora constantemente criticado e desvalorizado pela imprensa, pelos adeptos e até pelo próprio clube (a contratação do belga, de resto, é uma das maiores provas disso mesmo), foi preponderante nos três títulos europeus consecutivos do Real Madrid, tendo brilhado e superando-se repetidamente em inúmeros momentos decisivos e de extrema pressão.

Assim, é com relativa naturalidade que a sua temporada de regresso à “La Liga” (alinhou anteriormente no rival Atlético Madrid) pode ser descrita como um fracasso. Porém, e a avaliar pelos mais recentes rumores – que dão conta da provável saída de Navas -, é de esperar que os “merengues” reforcem a aposta em Courtois, assumindo definitivamente o seu estatuto de guarda-redes principal do clube para as próximas temporadas.

JORGINHO (CHELSEA) – Melo

Jorginho foi uma das transferências mais comentadas do último verão. Por ser um pedido expresso de Sarri, por ter custado quase 60 milhões e por ter sido dado como certo no rival Manchester City, o ítalo-brasileiro acabou por defraudar as expectativas, apesar da sua elevada utilização ao longo da época, somando 36 aparições na Premier League.

O futebol mais lento e calculista praticado em Itália trazia ao de cima as melhores características de Jorginho, exímio na primeira fase de construção e extremamente eficaz ao nível do passe, tanto curto como longo.

A forma mais calculista como a maioria das equipas italianas joga, dava ao internacional italiano mais conforto e tempo para pensar o jogo do Nápoles, para além de não o obrigar a demasiadas exigentes tarefas defensivas.

No Chelsea, a forma de jogar do médio de 28 anos teve forçosamente de se alterar, devido à maior vontade que todas as equipas têm de atacar, da pressão alta e do nível mais elevado do ponto de vista defensivo que se exige a um elemento daquela posição. Ainda assim, é de esperar melhorias do Ex-Nápoles na próxima época, numa altura em que a fase de adaptação já deverá estar ultrapassada.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter