Samuel Lemos. “A vitória contra o Santarém avivou-nos a alma!”

Francisco IsaacMarço 26, 20198min0

Samuel Lemos. “A vitória contra o Santarém avivou-nos a alma!”

Francisco IsaacMarço 26, 20198min0
O defesa do Guimarães RUFC deixou palavras fortes depois de uma época dura mas com um sabor final fantástico! Samuel Lemos em exclusivo no Fair Play
Samuel, o Guimarães RUFC garantiu a manutenção depois de uma época de muito sofrimento… como foi a reviravolta a meio da época que vos colocou no sentido certo?

Desde o início o objetivo estava bem definido, queríamos ganhar jogos e queríamos desde cedo garantir o nosso lugar nesta divisa. Também desde o primeiro jogo contra o Benfica na casa deles percebemos que a tarefa não ia ser fácil, até porque não só eles, mas todas as equipas estava a ser reforçadas com jogadores com muito potencial, mas mantemo-nos fiéis aos atletas da cidade.

Ao longo da época fomos perdendo todos os jogos, algumas lesões, mas sentíamos que tínhamos mais para dar, foi então que no jogo contra o Santarém entrámos para o campo com o verdadeiro espírito bravo e conseguimos vencer o jogo que foi talvez o mais importante para a nossa manutenção e que nos avivou a alma para as últimas batalhas.

Foi um prémio justo para o vosso esforço? Destacarias o teu treinador, Jeremias Soares, como o elo que vos levou a esse objectivo?

Sim sem dúvida! Acho que merecíamos muito isto porque toda a época tínhamos lutado contra tudo e contra todos e o premio só poderia ser este. Esse Senhor (Jeremias) é o verdadeiro comandante da nossa equipa é o nosso amigo e nosso pai também.

 Ele é o que dentro do campo como jogador ou treinador vive mais o momento e esta lá para pôr a equipa a trabalhar e dos melhores prémios que a equipa lhe podia dar era a manutenção nesta divisão depois de uma época assim! É também o meu melhor professor porque passa cada treino a ensinar-me tudo o que sabe porque quer que eu seja sempre melhor.

Qual foi o momento da época para ti e o que significou para o grupo?

O jogo com o Santarém em casa! Claro que fico muito feliz por ter marcado um ensaio daqueles, mas fico ainda mais feliz pela forma como a equipa se entregou daí para frente e no jogo com o Vila da Moita suámos até ao último segundo, mas fomos recompensados com mais uma vitória merecida,

Foste um dos líderes desta revolução do Guimarães, com uma série de ensaios de alto gabarito. Sempre foste propenso a dar espetáculo?

Já nos escalões de formação fazia bons jogos mas costumo dizer que até chegar aos seniores todos somos bons, porque não é fácil, por exemplo como eu que cheguei aos seniores com 17 anos, dar espetáculo e ser logo bem visto, precisei de uma boa fase de adaptação nomeadamente a primeira época em que fomos campeões e a segunda já nesta divisão, para agora poder realmente colocar em prática o que eu sei, tudo graças ao meu treinador.

Como chegaste ao rugby? Foi em Guimarães ou noutro clube?

Quando tinha uns 6/7 anos era fascinado por rugby mas em Guimarães ainda não era possível praticar essa modalidade, até que em 2007 se criou um clube de rugby e surgiu a oportunidade de eu experimentar e desde então nunca mais larguei o rugby.

Estiveste dividido entre desportos ou o rugby foi sempre a tua paixão?

Sou um apaixonado por desporto no geral, mas sem dúvida que foi no rugby que descobri a minha aptidão e é com este deporto e o valores do mesmo que me sinto feliz a praticar! 

Qual foi o teu primeiro teu grande momento no rugby? Tens alguma recordação em especial?

Um momento individual não tenho, mas gostava de destacar o meu primeiro ano de sub-18 em que tínhamos uma grande equipa e éramos grandes amigos. Pela primeira vez uma equipa de sub-18 do Guimarães foi a uma fase final do grupo B em que os meus treinadores são hoje meus companheiros de campo.

Quais são os objectivos do Guimarães para os próximos anos? Tu pretendes ficar na equipa até ao fim da tua carreira?

Por enquanto acho que não podemos voar muito alto mas queremos apostar na formação porque são eles que um dia certamente levarão o nome do clube bem alto, mas enquanto isso com a boa quantidade de jovens promessas que chegam este ano a equipa sénior queremos disputar este campeonato com toda a garra e determinação.

O meu grande sonho era puder jogar rugby a nível profissional mas também não sei até que ponto teria capacidade para o fazer nem essa oportunidade me foi surgida, gostava também de ter uma experiencia no estrageiro e claro na nossa divisão de elite portuguesa. Como uma oportunidade de jogar rugby ao mais alto nível em Portugal pode não surgir fico em Guimarães porque é o clube do meu coração e foi quem me deu tudo e me fez evoluir até agora e tenho a certeza que o fim da minha carreira será em Guimarães

Selecção Nacional… possível ou impossível na tua opinião? O que tens de fazer para chegar lá?

Impossível certamente não é mas claro que seria o meu maior orgulho puder representar a nossa seleção. Trabalho todos os dias com esse objetivo caso a oportunidade me surja!

Campeões da 3ª Divisão em 2017 (Foto: GRUFC)
Voltando ao que foi esta época, tens um ensaio sensacional frente ao RC Santarém! Sempre foste um jogador rápido e com uma passada impossível de apanhar?

Sim isso sim. Quando era miúdo era conhecido como o rapaz de marcava ensaios dos 5 aos 5 mas à medida que ia subindo de escalão isso tornava-se cada vez mais difícil claro.

O rugby em Guimarães tem crescido na tua opinião? Tens ajudado na expansão do jogo na cidade?

Sim o rugby tem crescido em Guimarães, mas se calhar não tanto como nos queríamos. Cá em Guimarães existe um fanatismo pelo clube de futebol da cidade e que fica muito difícil contrariar isso. Mas claro eu e toda a gente que esta presente no clube tenta expandir a modalidade.

Já agora, quem foi/é a pessoa mais importante para ti no Guimarães?

No meu percurso enquanto jogador passei por vários treinadores que me foram ensinando os primeiros passos no rugby, como o Rui Lopes, o Leonel Nunes e o Nuno Damasceno mas  até  chegar a equipa sénior não sabia o que era jogar rugby e foi aí que descobri o Jeremias Soares que tem me feito crescer como jogador e homem, sem dúvida alguma que ele é a pessoa mais importante para mim no Guimarães 

Melhor jogador de rugby em Portugal? E do Mundo?

Sinceramente não sou uma pessoa que acompanha o rugby tanto nacional como internacional, mas lembro me do meus primeiros tempos de rugby em eu gostava muito do Vasco Uva. A nível internacional admiro muito o Johnny Sexton pelos pontapés fantásticos que ele produz.

Quem  é o melhor jogador do GRUFC: tu, Paulo Machado ou o Bruno da Silva? E o mais fácil de placar?

Essa pergunta é muto difícil de responder mas o Bruno Da Silva tinha tudo para ser ainda melhor mas não consegue manter a cabeça fria durante o jogo e comete erros que nos custam pontos.

O Paulo Machado sem dúvida também um grande homem e o mais difícil de placar mas não é só um grande homem mas também um grande amigo dentro e fora do campo. Quanto a mim deixo que digam o que pensarem de mim enquanto jogador.

Três palavras que definam o Guimarães RUFC?

Lealdade, Sacrifício e União

Gostavas de jogar numa equipa francesa, inglesa ou neozelandesa?

Neozelandesa claramente pela tradição e pelos costumes deste desporto.

Que mensagem gostavas de deixar para o teu grupo do rugby, para o clube e para os vimaranenses em geral?

Gostava de dizer que mesmo sem campo ou sem jogadores contratados e mesmo que ninguém nos queira ajudar nós vamos dar tudo pelo rugby em Guimarães e queremos levar esta modalidade ao mais alto nível!


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter