Rafael Morales. “Estou feliz em viver e jogar em Santarém”

Francisco IsaacSetembro 7, 20196min0

Rafael Morales. “Estou feliz em viver e jogar em Santarém”

Francisco IsaacSetembro 7, 20196min0
O médio-de-abertura do RC Santarém falou sobre a sua vinda para Portugal e de como tem vivido esta nova experiência. Rafael Morales em Exclusivo para o Fair Play... vais ler?
Rafael Morales, vir para Portugal foi a melhor decisão para si?  Como surgiu a ideia de jogar em Portugal?

Vir para Portugal foi uma decisão muito boa que eu tomei, não me arrependo. Sempre tive a ideia de vir para cá conhecer, mas nunca imaginei que iria chegar a morar aqui.

Está contente por viver e jogar em Santarém? Como foi o primeiro contacto com eles?

Estou feliz em viver e jogar em Santarém, as pessoas daqui são muito legal, e fazem-me sentir em casa. O treinador do Santarém, Luis Monteiro, entrou em contato com um amigo do São José Rugby, Moisés Duque, ele me indicou para o Luiz, e começámos a conversa.

O que esperava em termos de rugby em Portugal? Surpreendeu ou desiludiu?

Não imaginava como era o rugby na divisão do Santarém, e quando cheguei fiquei surpreendido com os jogos.

Não teve oportunidade de jogar na Principal Divisão em Portugal, mas o que tem a dizer da que está o Santarém? Física, técnica, rápida, lenta, dura, como qualificaria?

Aqui primeira divisão tem uns jogos muito duro em contato, tem clubes que tem um jogo mais lento, e clubes como jogos mais rápido, acho um nível bom aqui.

O seu objectivo é ficar por Portugal ou pretende voltar ao Brasil no futuro?

No momento não penso em voltar para o Brasil, gosto muito daqui, mais para frente pode ser que penso em voltar para o Brasil.

O Santarém é um bom grupo de jogadores? Ajuda no clube de alguma forma para além de jogar?

Sim, Santarém tem um bom grupo de jogadores com habilidades muito boas, mas precisamos treinar mais e todos ter o mesmo foco para nos ajudar a ir cada vez melhor nos campeonatos, com isso tenho certeza que vamos evoluir mais. Sim, eu ajudava nos treinos das categorias de base, mas agora com o trabalho ficou mais difícil, mas sempre que tenho tempo estou la para ajudar.

Indo às suas origens… como começou a jogar com a bola oval? Fazia mais algum desporto quando se iniciou no rugby?

O marido da minha mãe jogou rugby muito tempo da vida dele, e uma vez minha mãe perguntou se eu queria jogar, e pediu para ele me levar no treino, e depois desse dia nunca mais parei de ir. Antes do rugby sempre joguei futebol, nada sério igual ao rugby, sempre me juntei com amigos para brincar um pouco nos campos perto de casa.

Primeiro grande momento num campo de rugby, tem alguma recordação?

Meu primeiro grande momento, foi quando fui campeão pela primeira vez com a equipe principal do club, campeão paulista, jogo em casa no estádio da cidade, momento incrível que nunca vou esquecer.

Campeão em 2018 pelos Tupis (Foto: Arquivo do Atleta)
Tem recordações do seu debut (estreia) pelo São José Rugby Clube? Quais foram as lições mais importantes que aprendeu no São José?

Meu primeiro jogou foi contra uma equipe muito forte de São Paulo, Bandeirantes, um jogo muito parelho que acabou em 18×13, onde tive o privilégio de ajudar o São José Rugby a ganhar o jogo fazendo os 18 pontos. O São José Rugby me ensinou seis coisas muito importantes, amizade, compromisso, dedicação, disciplina, humildade e lealdade, acho que se um jogador aplica isso no rugby e fora do rugby, se sai vitorioso por onde passa.

Conseguiu se afirmar no clube e chegar aos Tupís. Tem recordações da primeira convocatória? Foi um caminho difícil para si até chegar a este patamar?

Minha primeira convocação foi para jogar contra a seleção do Uruguai, entrei na segunda parte, lembro que estava nervoso, por saber que a responsabilidade de representar o país da melhor maneira é muito grande. Foi um ano difícil para mim, por que estava voltando de uma lesão do ombro, então me comparava com os outros jogados e me sentia atrasado fisicamente, então foi um ano que treinei muito, para ajudar meu clube, e também a seleção.

Sempre sonhou ser profissional de rugby? Até onde gostava de chegar?

Acho que todo jogador de rugby tem essa vontade ser profissional, de viver do rugby. Sempre treinei para tentar jogar um bom nível, então iria gostar de chegar ao nível mais alto de rugby que existe.

Como se vê enquanto jogador de rugby: rápido, inteligente, mágico, pragmático?

Acho que sou um jogador inteligente e pragmático.

Liga que gostava de jogar: Super Rugby, Top14 ou Premiership?

Gostaria de jogar Super Rugby.

Jogador mais importante para si na sua carreira?

Um jogador importante na minha carreira foi o meu padrasto, por te me levado para o rugby, sem ele não iria estar onde estou, conhecer as pessoas que conheci no rugby, e conhecer lugares que jamais iria conhecer não estando no rugby.

Houve alguém importante no seu crescimento como jogador de rugby?

Tenho um grande amigo que hoje esta jogando na frança, Pedro Lopes, que, quando eu entrei no rugby ele foi uma das principais pessoas a me ajudar a evoluir no rugby.

O Matheus é um excelente jogador certo… mas e como colega de equipa? Divertido ou está sempre chateado?

O Matheus é uma cara mais sério, sabe a hora certa de brinca, uma pessoa muito boa e um grande amigo, que sempre tenta ajudar alguém quando pode, gosto muito dele, é uma grande pessoa.

Quer deixar alguma mensagem aos adeptos do Santarém?

Quero dizer que estou muito feliz aqui em Santarém, que nunca imaginei que iria sair do meu clube de formação la do Brasil que amo, e chegar para um clube do outro lado do oceano que me trata super bem, me fazendo se sentir no meu primeiro clube. Então só agradeço ao Rugby Clube de Santarém, por ser o clube que vem sendo, um clube família, onde ganhei, e sei que vou continuar ganhando grandes irmãos dentro e fora do campo, e por me fazer me sentir em casa. Obrigado!

Foto: Luís Cabelo Fotografia

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter