João Bandeiras. “O RC Elvas é para mim uma família.”

Francisco IsaacJaneiro 23, 20206min0

João Bandeiras. “O RC Elvas é para mim uma família.”

Francisco IsaacJaneiro 23, 20206min0
O formação do Rugby Clube de Elvas falou sobre a sua carreira na modalidade, os sonhos que tem e o papel do Alentejo no rugby. João Bandeiras em exclusivo no Fair Play
João Bandeiras, no teu ano de estreia no Campeonato Nacional 1 já tens quase 100 pontos amealhados. Qual foi a sensação quando soubeste que o RC Elvas ia estar na 2ª divisão no final da temporada passada?

Foi uma sensação de felicidade extrema, saber que tínhamos alcançado um objetivo para o qual trabalhámos tanto desde o início da equipa sénior. Contudo, ao mesmo tempo consciente do desafio que esta mudança representava e das novas responsabilidades subjacentes.

Nascido e criado em Elvas, tem sido importante para ti representar o emblema elvense? Qual foi o melhor momento com este símbolo ao peito?

Claro que sim, é sempre um orgulho representar a nossa casa. Foi o único emblema que utilizei em todo meu percurso de jogador e a equipa elvense para mim é uma família. Como melhor momento, não posso deixar de destacar a final do campeonato contra os Jaguares. Foi o culminar de um ano intenso, no qual estávamos todos focados num único objetivo comum, a ver o clube a subir e a pressão sempre a crescer para conseguirmos concretizar. Embora o resultado não tenha sido o desejado, foi muito importante para todos os jogadores crescerem não só como equipa, como também individualmente.

Como vieste para o rugby? Quem te convenceu ou convidou a vir (e essa pessoa ainda joga)?

Não foi uma pessoa específica. Em Elvas a cultura do rugby esteve sempre presente e há anos que a modalidade é apreciada pelos seus habitantes. Assim sendo, o rugby surgiu na minha vida naturalmente, desde muito novo que ia jogar com os meus amigos e a paixão começou a crescer. O meu irmão mais velho já estava no clube e, assim que tive idade (por volta dos 7/8 anos), juntei-me.

Da geração de 1998, quantos é que acompanharam o teu crescimento na modalidade? E qual foi sempre o teu foco para o rugby?

Atualmente, 20% da minha equipa atual joga comigo há 6 anos. Estes são os que acompanharam o meu crescimento como jogador e estiveram sempre lá em todos os momentos. Desde sempre que o meu foco foi superar-me constantemente, jogo após jogo, identificar as minhas falhas de forma a corrigir os meus pontos fracos. Este foco que sempre tentei aplicar no rugby, acaba por se materializar também na minha vida pessoal e de certa forma posso considerar que a modalidade me ajuda bastante, a diferentes níveis.

O treinador que te mais marcou no RC Elvas? E porquê.

O atual treinador, Rui Perdigão, que já nos acompanha desde os sub-16. Criámos uma relação muito forte e é incrível ver a maneira como nos gere, a forma como nos ajuda e motiva. Por ter sido também jogador e ter iniciado a sua carreira no RC Elvas, faz com que entenda a nossa dinâmica como ninguém.

Como vês o desenvolvimento da modalidade no Alentejo? Sentes que podia existir uma maior aproximação a todas as regiões da parte das instituições competentes?

O rugby no Alentejo tem vindo a conquistar o seu espaço. Nota-se que, nos últimos anos, as equipas alentejanas têm provado o seu valor e nunca perderam a vontade de evoluir. Nem sempre é uma tarefa simples pois ficamos sempre com a sensação que os apoios nestas regiões são distintos face à capital. Como nunca joguei por outra região, não sei se de facto é verdade mas, ainda assim, considero que as instituições competentes devem ter sempre o cuidado de estar presentes/ atentas às várias localizações, de igual forma.

Ajudas na formação? E foi fácil crescer num clube que tem de fazer várias viagens longas para jogar rugby?

Em tempos participei no que era necessário para a formação mas, atualmente, por estudar e treinar fora de Elvas, é me impossível ajudar como desejava. Foi fácil crescer no RC Elvas apesar de todo o esforço necessário em termos de deslocações e logística. Apesar de todo o cansaço, os bons momentos e o ótimo ambiente da equipa compensam e fazem com que valha a pena.

Selecção Nacional… gostavas de chegar a esse patamar ou nunca te passou pela cabeça?

Acho que é impossível, para qualquer jogador que ame a modalidade, não ter o sonho e a vontade de chegar à Seleção Nacional. Mais do que uma honra, representar o país seria uma conquista única.

Consegues explicar-nos qual é a filosofia por detrás do RC Elvas?

Na minha opinião, o RCE, mais do que títulos, pretende criar jogadores éticos e consistentes. A sua filosofia baseia-se no respeito, lealdade e espírito de sacrifício.

Que sonho gostavas de cumprir no rugby? E fora dos campos, quais são os teus objectivos?

Ser campeão com o RC Elvas. Adicionalmente, gostava de experimentar também o rugby fora de Portugal. Fora dos campos, ambiciono ser um bom profissional, ter sucesso e nunca deixar de ser fiel aos meus princípios.

A par do RC Santarém, Braga Rugby e Jaguares, vocês são das equipas mais jovens deste Campeonato. Quais são as vantagens e desvantagens para ti de uma equipa tão “nova”?

A maior vantagem tem sido o facto de, por sermos tão novos, temos uma boa margem de crescimento e progressão. Apesar disso, é mais fácil a conciliação da vida pessoal com a prática da modalidade. As maiores desvantagens passam pela falta de experiência e maturidade em campo.

Algumas perguntas relâmpago… equipa de rugby favorita internacional (clube e selecção)?

Hurricanes e Nova Zelândia.

Jogador que mais gostaste de ver jogar no RC Elvas, em Portugal e no Mundo?

João Paiva, Pedro Leal e Richie McCaw.

Arriscar num 1 para dois e ir ao ensaio ou tentar um pontapé aos postes do meio-campo?

1 para dois e ir ao ensaio.

Melhor placador no RC Elvas? E o que se zanga com mais facilidade?

Considero o João Paralta o melhor placador no RCE. O pilar Tadeu é o que se chateia com mais facilidade.

Três palavras que definem o RC Elvas?

Amizade, humildade e compromisso.

Uma mensagem para os teus colegas, adeptos e apaixonados pela bola oval em Portugal?

Como jogador e amante da bola oval, pretendo continuar a contribuir para que o rugby mantenha a sua evolução. Peço-vos que deem o vosso contributo, que acompanhem e ajudem esta modalidade a ser mais promovida em Portugal.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter