21 Nov, 2017

Giannis Antetokounmpo: será o Greek Freak o próximo MVP?

João FerreiraNovembro 13, 20174min0

Giannis Antetokounmpo: será o Greek Freak o próximo MVP?

João FerreiraNovembro 13, 20174min0
Giannis Antetokounmpo é o jogador do momento da NBA. Se continuar assim "arrisca-se" muito a ser considerado o MVP no final do ano.

Não é muito usual um jogador europeu singrar tanto na NBA. Temos o exemplo de Dirk Nowitzki, que apesar de ter tido um inicio complicado, acabou por ser considerado Most Valuable Player em 2011. Existe também o caso de Pau e Marc Gasol, que tiveram (e têm) um impacto monstruoso nas suas equipas: San Antonio Spurs e Memphis Grizzlies, respectivamente. Comparações à parte, Giannis Antetokounmpo apresenta-se como o melhor jogador europeu a jogar na NBA, neste momento.

Nos dias de hoje não existe nenhum jogador europeu, e arrisco-me a dizer, nem americano que seja tão falado. Giannis Antetokounmpo é o jogador do momento.

Porquê? Não só devido à sua atitude dentro de campo, que se assemelha em muito a Kobe Bryant, nunca dando uma bola como perdida, mas também devido ao seu porte atlético e ao facto de ser um dos 2-Way Player mais completo da liga (a par de Kawhi Leonard). 

Momentos Iniciais da Carreira de Giannis

Em 2012, Giannis assinou um contrato profissional com a equipa grega de Filathlitikos, aos 18 anos. Teve uma primeira época sénior bastante consistente, acabando com uma média de quase 10 pontos por jogo, 5 ressaltos por jogo e 1.4 assistências por jogo. Resumindo, Giannis lançou a quase 50% durante a época inteira.

Início de carreira de sonho (Foto: AminoApps)

Na NBA

Esta primeira época levou a que este se tornasse, em 2013, elegível para ser escolhido no Draft da NBA. Acabou por ser escolhido na posição nº15, num Draft com jogadores como Rudy Gobert, Steven Adams ou mesmo Dennis Schroder. Giannis foi escolhido pelos Milwaukee Bucks e aí começou a sua carreira na NBA.

Desde então, Giannis Antetokounmpo tem tido uma ascensão meteórica. Apesar de nunca ter uma equipa muito consistente ao seu lado, o grego tem-se revelado com um verdadeiro franchise player. 

Primeiros Anos na NBA

Depois de ter sido escolhido, Giannis realizou, até 2015, épocas bastante regulares, mantendo, mais ou menos, as médias trazidas da Grécia bem como as percentagens de lançamento.

Foi um jogador que arrebatou logo os adeptos da NBA pela sua estampa física e pela capacidade de atacar o cesto(para um rookie) como ninguém via desde os tempos de Lebron James em Cleveland. 

Ao longo destes dois anos (2013-2014 e 2014-2015), Giannis manteve-se como uma das jovens promessas mais entusiasmastes da NBA, mas nunca passou disso. Foi sempre visto como um jogador de futuro e nunca um jogador que se conseguisse afirmar naquele momento.

Últimas 3 épocas

Desde então, Giannis provou aos críticos o contrário e trabalhou no duro em todas as offseasons de forma a chegar ao lugar onde está hoje em dia.

Desde 2015, as médias de Giannis dispararam, sendo que chegaram a um máximo de carreira de 22.9 pontos por jogo, 8.7 ressaltos por jogo e 5.4 assistências por jogo. 

Em 2015 e em 2017, Giannis conseguiu levar a equipa dos Bucks aos playoffs, mas nunca passou da 1ª ronda, tendo perdido com Chicago e com os Raptors, respectivamente.

Actualidade

No entanto, é na época atual que Giannis tem vindo a atingir níveis competitivos acima do normal. Claramente trabalhou durante a componente física, apresentando-se mais forte que nunca. De facto é astronômico a evolução física do Greek Freak durante a offseason.

Forma física imponente (Foto: clutchpoints.com)

O grego leva uma média assombrosa, com 31.4 pontos por jogo e 10.4 ressaltos por jogo (dominando a tabela dos pontos na NBA) e tem vindo a reforçar, noite após noite, a reforçar a sua posição como um dos candidatos mais sérios a ser considerado, no final do ano, Most Valuable Player of The Year


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS




Newsletter


Categorias


newsletter