20 Out, 2017

Valença Hóquei Clube – A primeira vez na Europa

José NevesOutubro 12, 20174min0

Valença Hóquei Clube – A primeira vez na Europa

José NevesOutubro 12, 20174min0
Equipa minhota alcançou, em ano de estreia no primeiro escalão, uma histórica qualificação para as competições europeias.

O Valença HC terminou a época de estreia entre os grandes no 11º lugar, tendo apenas garantido a manutenção na última jornada e após duas vitórias nas derradeiras partidas, em Turquel (7-5) e no seu pavilhão frente ao SC Tomar (5-0).

Apesar disso, e já após o final do campeonato, com o caso da exclusão do Riba d’Ave HC, o Valença acabou por ser o grande beneficiário dando o salto do 11º lugar para o 8º, e com isso, garantiu a qualificação para a Taça CERS da presente temporada.

Uma das equipas em que se verificou uma troca de treinadores no decorrer da época, o Valença começou a temporada com Paulo Morais, técnico que havia levado a equipa valenciana do terceiro escalão ao primeiro em apenas três temporadas. Para o seu lugar chegou Orlando Graça, ex seleccionador angolano.

A caminho da Europa

Depois da época passada ter simbolizado a estreia na primeira divisão, o Valença prepara-se nesta temporada para a estreia nas competições europeias, sendo um dos cinco representantes portugueses na Taça CERS.

A equipa valenciana apresenta-se para esta temporada com poucas mexidas, mantendo grande parte da equipa base mais utilizada na época passada. De saída estão o veterano guarda redes Paulo Matos, habitual titular que se muda para os vizinhos da Juventude Viana; Tiago Ferraz, que após uma temporada em Valença com poucos minutos sai para o recém promovido Infante Sagres; e o avançado Gil Vicente, que juntamente com Tiago Ferraz se mudou da AD Sanjoanense para o Valença na temporada passada, mas que agora sai regressando a um dos clubes que o notabilizou, a Juventude Pacense da segunda divisão.

A Valença chegam Carlos Silva, jovem guardião que representava o SL Benfica “B” e Nuno Pereira, avançado de grande mobilidade e velocidade que chega do Riba d’Ave HC.

Liderados pelo veterano Luís Viana, que no campeonato passado terminou no top-10 dos melhores marcadores com 32 golos, e que apesar dos seus 41 anos é ainda uma peça fundamental na equipa de Orlando Graça, na equipa valenciana destacam-se também o argentino Guido Pellizari, jogador importante na manobra defensiva do Valença HC e que conta no currículo com um campeonato do Mundo de sub-20, ganho pelos alvi-celestes em 2011.

Outro dos jogadores importantes do Valença HC é Zé Braga, experiente hoquista que na primeira divisão já representou Gulpilhares, HA Cambra, OC Barcelos, Porto Santo e SC Tomar. Um avançado goleador que apesar de não ser a figura principal do ataque, é uma ameaça constante à baliza adversária e não perde uma oportunidade para fazer o gosto ao stick.

Mas a individualidade que mais se destaca em Valença é Miguel Fernandes, que acumula as funções de capitão com as de presidente do clube nortenho. Homem que fez reerguer o hóquei em Valença e que em apenas quatro anos de projecto levou o Valença HC à elite da modalidade. Mas não é só no campo do dirigismo que Miguel Fernandes se destaca, foi dos jogadores mais utilizados na temporada passada e um dos mais importantes para o sucsso do Valença na primeira divisão.

Menção ainda para Rodolfo Sobral, guarda-redes de apenas 22 anos, internacional pelas camadas jovens portuguesas, que esta temporada será o dono da baliza após a saída de Paulo Matos, e para José Campos e Hélder Martins, dois jogadores de características mais defensivas que vieram com a equipa desde os escalões inferiores e se mantêm como jogadores importantes para Orlando Graça.

Luís Viana é a estrela da companhia (fonte: HóqueiPT)

Nesta temporada que se avizinha o Valença HC estará novamente envolvido na titânica luta pela permanência, uma tarefa que, a exemplo do que foi a época passada, não se prevê nada fácil mas em que os valencianos depositam a confiança de mais uma vez, conquistar o direito de se manter entre os grandes do hóquei em patins nacional.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter