19 Fev, 2018

Meshkov Brest, uma potência de uma época?

Tomé BritoOutubro 15, 20177min0

Meshkov Brest, uma potência de uma época?

Tomé BritoOutubro 15, 20177min0
Conheces o Meshkov Brest? A equipa da Bielorrússia tem sido um dos destaques da Europa! Descobre aqui o porquê de ser esta uma nova potência europeia!

Nas últimas épocas temos assistido a diversas equipas a surpreender na Champions. Seja por excederem as expectativas e por chegarem a fases mais adiantadas da competição, ou por se terem batido com equipas superiores, ou então por terem surpreendido com o seu andebol, há sempre várias formações a causarem surpresa entre a comunidade do andebol. Esta temporada não tem sido exceção e já há uma equipa a mostrar-se com o seu bom andebol.

Falamos da equipa do Meshkov Brest, que nestas primeiras jornadas tem sido uma agradável surpresa e tem surpreendido pela luta que tem dado contra equipas com planteis com maior qualidade individual.

AINDA RECENTES MAS JÁ COM UM BOM HISTORIAL

O Handball Club Meshkov Brest é um clube recente, fundado em 2002, e que nos últimos anos tem crescido de forma considerável, muito devido ao investimento por parte do estado no clube. O nome da equipa foi dado em honra Anatol Piatrovich Meshkov o principal promotor do andebol na Bielorússia e um entusiasta do desporto em geral.

O Meshkov participa atualmente em três grandes competições, o campeonato da Bielorússia, a SEHA League e a EHF Champions League, e desde a formação do clube tem conseguido sucesso nestas três frentes. No campeonato já contam com 9 títulos de campeão, sendo que nas últimas 4 épocas venceram a liga. Em 2012/2013 foram convidados para participar na SEHA League, uma liga que junta as melhores equipas dos países Bálticos, e apesar de nunca terem vencido a competição conseguiram sempre acabar entre os 4 primeiros classificados.

Já na Champions League, a competição que interessa para este artigo, o Meshkov tem vindo a conseguir melhorar época após época e nas últimas duas temporadas chegaram aos oitavos de final, sendo aí eliminados por dois “colossos” (Kielce e Flensburg) em ambas ocasiões, mas sem antes terem dado grande luta aos candidatos.

O Meshkov celebra a passagem aos oitavos da Champions 2016/2017 (Foto: SEHA League)

CHAMPIONS 2017/2018

Esta temporada o Meshkov Brest está inserido no grupo B da Champions League juntamente com as seguintes 7 equipas: Veszprem (Hungria), Kielce (Polónia), PSG (França), Flensburg (Alemanha), Celje (Eslovénia), Kiel (Alemanha) e Aalborg (Dinamarca). Naquele que é um grupo bastante complicado, ou não contasse com nada menos que 5 candidatos à vitória na competição (PSG, Kielce, Veszprem, Flensburg e Kiel) o Meshkov tem surpreendido e após 5 jornadas encontra-se 4º lugar do grupo B.

Nestas 5 jornadas o Meshkov conta com 2 vitórias, 1 empate e 2 derrotas, tendo vencido logo na 1ª jornada um dos principais candidatos, o Kielce, em casa por 28-25 (as outra duas vitórias foram contra as duas equipas mais fracas do grupo, Aalborg e Celje). As duas derrotas da equipa Bielorussa foram contra PSG e Veszprem e apenas por 4 e 3 golos respetivamente.

O Brest tem mostrado que, apesar de ter um plantel e orçamento inferiores aos dos grandes candidatos do grupo, quando uma equipa joga um bom andebol e tem as suas ideias de jogo bem definidas, pode causar problemas e até mesmo vencer esses mesmo candidatos.

Ivan Pesic tenta parar um remate de Gajic, do Veszprem, na Champions League (Foto: EHF Champions League)

RENOVAÇÃO FOI A PALAVRA DE ORDEM

À partida para esta época pensava-se que o Meshkov iria sofrer uma quebra de qualidade e resultados, devido às saídas que se deram no plantel. Vários jogadores importantes como Atman, Jamali e Kristopans, os três melhores marcadores da equipa na época passada, decidiram ingressar em ligas mais competitivas ou apenas equipas mais fortes, no entanto, a chegada de Igropoulo, Djordjic, Vid Poteko, entre outros, veio dar nova esperança aos adeptos do Meshkov que viram a sua equipa ficar novamente com um plantel forte e talvez mais equilibrado que o das últimas épocas.

O principal responsável por esta renovação foi o treinador Sergey Bebeshko, que no passado já se tinha encontrado em situações muito semelhantes (Mins e Motor Zaporozhye) e em ambas as ocasiões conseguiu dar a volta por cima.

O andebol do Meshkov sempre foi um pouco virado para uma defesa bastante estática, sem pressionar muito o portador da bola, em suma, um 6-0 clássico e no ataque sempre foram uma equipa que gosta de fazer muitos cruzamentos, com o central a tentar garantir sempre boas situações de remate para os seus laterais, que usualmente eram bastante altos e bons remadores. Contudo, com as saídas que se deram e os novos jogadores que chegaram ao clube, houve uma mudança de paradigma.

Sergey Besbeshko, o responsável pela renovação do Meshkov (Foto: Брестская газета)

Esta época temos assistido a uma equipa que continua a defender em 6-0 mas muito móvel, com constantes saídas dos segundos defensores de forma a tentar cortar linhas de passe ao adversário. Esta tipo defesa veio fazer com que o número de intercepções aumentasse, dando assim origem a contra-ataques e hoje o Meshkov é a 3ª equipa da Champions com mais contra-ataques realizados, usualmente finalizados pelos pontas.

O bloco central da defesa continua a ser constituído dois jogadores muito possantes e pesados, que apesar de não serem grandes defensores no 1 contra 1, possuem uma grande inteligência tática e ganham aí vantagem sobre os atacantes.

No ataque o andebol do Meshkov é um dos mais interessantes da Champions esta época. Toda a primeira linha é composta por jogadores bastante altos mas com grande capacidade técnica e fortes no 1 contra 1. Usualmente assistimos a uma circulação de bola muito rápida de forma a tentar abrir espaços na defesa adversária.

Quando tal não acontece os jogadores de primeira linha vão no 1 contra 1 com o seu adversário direto de forma a trabalharem para si próprios ou para o pivot, Rastko Stojkovic que aos 36 anos ainda consegue ser dos melhores da atualidade a ganhar espaço para finalizar.

Os pontas não costumam participar muito no movimento ofensivo da equipa mas quando têm oportunidade de finalizar são raras as vezes que desperdiçam. Resumindo, o andebol do Meshkov mudou bastante. Ainda possuem um dos plantéis mais fortes fisicamente da Champions, mas jogam um andebol muito mais rápido e que tem sido um dos principais focos de interesse desta época.

Igropulo ao serviço do seu novo clube (Foto: hetmeteres)

VID POTEKO, O NOVO COMANDANTE DEFENSIVO

A nível individual têm sido vários os nomes em destaque na equipa. A começar pelos guarda-redes, Ivan Pesic e Charapenka são dois guarda-redes muito sob-vallrizados mas que época após época têm mostrado as suas imensas qualidades e esta temporada não tem sido diferente.

Na defesa o maior destaque vai para Vid Poteko, uma das contratações para esta temporada. O pivot Esloveno era normalmente visto com um pouco desleixado no aspeto defensivo do jogo, mas esta época Bebeshko transformou-o num autêntico especialista defensivo, sendo agora o comandante da defesa do Msehkov.

Já no ataque não há grandes destaques visto que o que tem predominado é a rotatividade do plantel, que tem dado espaço para todos os jogadores brilharem um pouco sendo a grande maioria dos golos distribuída por 5/6 jogadores.

Kulak (7) tenta passar por Nagy do Veszprem (Foto: EHF Champions League)

Este é um Meshkov renovado mas com um prazo de validade muito curto. A grande maioria do plantel já está acima dos 28 anos e não se pode esperar que esta equipa se mantenha junta por muitos anos e conquiste grandes coisas. Portanto, devemos aproveitar enquanto podemos esta bela equipa que tem deslumbrado esta época e que por enquanto tem dado grande trabalho às melhores equipas da atualidade.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS




Newsletter


Categorias


newsletter