18 Dez, 2017

3 jogadores que passaram por Portugal e agora estão em Inglaterra

João NegreiraNovembro 18, 20176min0

3 jogadores que passaram por Portugal e agora estão em Inglaterra

João NegreiraNovembro 18, 20176min0
"Portugal é o segundo país europeu com maior taxa de emigrantes" (Público) e os jogadores de futebol não fogem a essa "regra". Às vezes é necessário ir lá para fora para conseguir alcançar o que queremos cá dentro. O Fair Play olha para os casos de "emigração" de Diogo Jota, Rúben Neves e de Tiago Ilori.

O português é um homem viajado. Quando não arranja uma solução cá dentro, arranja lá fora. E os 3 jogadores referidos aqui neste artigo exemplificam isso muito bem; não tinham lugar nas suas equipas em Portugal e não tiveram medo de sair do país e ir adaptar-se a uma cultura e maneira de jogar diferentes. Falamos de Diogo Jota, Rúben Neves e Tiago Ilori, que após nunca conseguirem impor o seu jogo em “casa”, aceitaram a mudança e agora estão a fazer a sua carreira na 2ª Liga em Terras de Sua Majestade.

Diogo Jota

Ao olharmos para o histórico de Diogo Jota, poderíamos perspetivar um grande futuro para o português. Passa de um modesto Paços de Ferreira para um colosso de Madrid!!; não obstante, não chega a realizar nenhum jogo oficial pelos Colchoneros e é emprestado ao F.C. Porto, onde, na época passada, faz quase 40 jogos e 9 golos. Apesar de ter tido uma passagem razoável pelos dragões, não convence os responsáveis do Atlético e é novamente emprestado, com uma opção de compra de 12 milhões. Desta feita, ao clube do seu treinador da época transata, ao Wolves de Nuno Espírito Santo.

Com tanta esperança e tanta mudança em tão pouco tempo, Diogo Jota parece ainda estar por mostrar toda a sua qualidade. Os 7 milhões de euros pagos pelos Rojiblancos aos Castores não podem ser esquecidos, mas a esperança é que após esse valor, ficasse no plantel. Não aconteceu mas também nada está perdido; o seu clube de origem, é o Atlético de Madrid e se conseguir realizar uma boa época no Wolverhampton (que até agora, está) pode ter a sua grande oportunidade em Espanha na próxima época, ou, se o clube quiser comprá-lo e subir, afirmar-se na Premier League.

O Wolves está a realizar uma grande campanha no Championship, estando em 1º lugar com 2 pontos de vantagem para o 2º, em 17 jogos. Diogo Jota, que ainda não falhou nenhum jogo oficial esta época, tem estado em bom plano pela equipa inglesa, com 7 golos e 3 assistências. A jogar ao lado do seu compatriota, Ivan Cavaleiro, tem se exibido a um nível suficiente para que finalmente comece a justificar os milhões nele investidos. A equipa tem estado em grande forma e isso também ajuda a que o jogador evolua, mas Jota tem mostrado a sua qualidade, chegando a capitão dos sub-21 portugueses, nestes últimos 2 jogos.

Diogo Jota tem sido feliz em Wolverhamptom. [Foto: Express & Star]

Rúben Neves

Falamos de mais uma mudança do F.C. Porto para o Wolves. O miúdo da formação azul e branca, deixou o seu país natal para conseguir jogar mais vezes e ter melhores oportunidades na carreira. Esta mudança fica com uma conotação maior quando aquando da mudança, Rúben já sabia que iria ter uma filha. Com 20 anos, ir viver para um país diferente, com uma cultura diferente e com um filho a caminho, é complicado, mas o português arriscou e tem se saído bem.

À imagem de Diogo Jota, a esperança em Rúben Neves, era muita, mas após as escassas oportunidades, o médio defensivo, quis mudar-se. São jogadores novos, com uma longa carreira pela frente, mas que quiseram mais, arriscaram, foram ambiciosos e quiseram mostrar o seu futebol, e nem se têm saído muito mal.

Referir que Rúben Neves tem sido peça-chave no meio-campo do Wolves, fazendo dupla com N’ Daye ou Saiss, criando um duplo pivô defensivo. O Wolves que, joga em 343, conta com o português tanto para organizar o jogo, como para destruir o do adversário. De mencionar que com tantas caras novas (contando com a do treinador) não era expectável que o clube tivesse a realizar uma campanha tão boa. Há que dizer, ainda, que Rúben Neves já se estreou pela Seleção Nacional, nos compromissos amigáveis mais recentes, totalizando cerca de 45 minutos nos 2 jogos.

Rúben Neves tem sido importantíssimo na equipa de NES. [Foto: The Sun]

Tiago Ilori

Falemos do português que se mudou há mais tempo. Mudou-se com a mesma idade que os outros 2 jogadores referidos neste artigo, e sempre foi presença assídua nas seleções jovens portuguesas, esperando-se, também muito dele. Foram 7,5 milhões que o Liverpool pagou por ele ao Sporting, mas apenas realizou 3 jogos oficiais pelas reservas dos Reds, tendo sido emprestado ao Granada em janeiro dessa primeira temporada. Foi emprestado mais 2 vezes, nas 2 épocas seguintes ao Bordéus e ao Aston Villa, respetivamente, sendo que no início do presente ano, o Reading compra-o em definitivo ao Liverpool por 4,3 milhões de euros.

Apesar das várias lesões que o têm atormentado (ficou 3 meses sem jogar mal chegou aos The Royals) , tem conseguido, a espaços, ganhar o seu lugar na equipa de Jaap Stam. Jogando a central, ou a médio defensivo, o português nascido em Inglaterra, tem tentado relançar a carreira após ter sido considerado um “flop” em Liverpool.

O Reading não tem estado bem no campeonato, estando em 19º a 5 pontos da linha de água, tendo um jogo a menos do que a maioria dos outros clubes. Ainda numa indefinição, se joga num sistema com 3 defesas ou com 4, o Reading parece ter que melhorar muito para conseguir afastar-se o mais cedo possível da possibilidade de descer, tendo em conta a longa época que se joga no Championship.

Tiago Ilori ainda não conseguiu impor-se a 100% em Inglaterra. [Foto: Goal.com]
Em suma, podemos afirmar que a emigração tanto pode ser algo bom, como algo mau. Talvez devido à pressão imposta nos jogadores, a tarefa complique-se, mas quando isso não acontece e mostram-se em palcos mais pequenos, conseguem mostrar o seu valor real e chegar onde sempre quiseram, pois devemos ter em conta que a emigração é sempre algo temporário; o objetivo deve ser sempre, mostrar-se lá fora, para vingar cá dentro (seleção).


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS




Posts recentes



Newsletter


Categorias


newsletter