18 Dez, 2017

Onde é que anda o Flop: o fracasso búlgaro, Bojinov

Antonio MendonçaNovembro 22, 20175min0

Onde é que anda o Flop: o fracasso búlgaro, Bojinov

Antonio MendonçaNovembro 22, 20175min0
O Fair Play continua na sua busca por flops do futebol nacional.. e encontrámos Bojinov. Uma desilusão que terminou com um pecado capital

No inicio da época 2011/2012 o Sporting CP agitou o mercado de transferências ao comprar a título definitivo mais de dez jogadores. Se alguns dos atletas vieram a tornar-se opções válidas para ingressar na equipa de Domingos Paciência, como Diego Capel, Fito Rinaudo, Emiliano Insúa, Ricky van Wolfswinkel ou mesmo Stijn Schaars, é certo que outros tiveram uma vida menos fácil por Alvalade. Caso do peruano Alberto Rodriguez, central que tinha já trabalhado com Domingos no Braga e cujas lesões e o mau desempenho em campo permitem inserir nos “flops” da época.

Infelizmente, Rodriguez não estava sozinho. Aliás, estava acompanhado por muitos jogadores, como Elias, brasileiro ex- At. Madrid, Luis Aguiar e Jeffren. O primeiro nem jogou devido a lesões e o venezuelano ex-Barcelona fez apenas 18 jogos durante a época toda, estando a maior parte do tempo lesionado. Santiago Arias, que após um excelente mundial sub-20 pela seleção colombiana chega a Alvalade como uma grande promessa por pouco menos de um milhão, realizou apenas oito jogos durante a época.

Muitos ficam ainda por enumerar, como Ribas, o ponta-de-lança do Génova que chega aos verdes-e-brancos por empréstimo, onde realizou oito jogos sem ter tido a oportunidade de festejar qualquer golo da sua autoria.

Acontece que a grande desilusão desta época chegou a Alvalade com 25 anos. Internacional búlgaro, avançado, custou ao Sporting Clube de Portugal 2 milhões e 600 mil euros emprestando ainda o clube português o chileno Jaime Valdez. De seu nome Valeri Bojinov tinha sido uma das grandes promessas do futebol mundial, levando alguns comentadores de renome nacional e internacional a tecer-lhe grandes elogios. Recorde-se, por exemplo, Luis Freitas Lobo que no seu site Planeta do Futebol descrevia Bojinov como «um excelente avançado búlgaro, daqueles que nasce a marcar golos desde o berço».

Quem era este Prodígio?

O búlgaro, com apenas quinze anos, estreou-se na Série A pelo Lecce, o que fez dele na altura o jogador mais novo de sempre a jogar no primeiro escalão da Liga italiana. Entre 2001 e 2005 Valeri Bojinov fez sessenta e cinco jogos pelo emblema italiano, despertando naturalmente o interesse dos “tubarões” da Série A.

Com apenas 18 anos, Bojinov transferiu-se do Lecce para a Fiorentina no mercado de Inverno por 13 milhões. É importante recordar que a transferência mais alta em 2005 foi a do ganês Michael Essien por 38 milhões do Lyon para o Chelsea. Bojinov era, sem dúvida, um jogador que prometia vir a ser um dos melhores atacantes do futebol mundial. Ainda na época de 2004-2005 realizou nove jogos marcando por duas vezes e na época seguinte realizou trinta e duas partidas e finalizou com sucesso nove vezes.

Após a Fiorentina, segue-se um empréstimo à Juventus, que nessa época jogava na série B. O búlgaro jogou vinte e uma vezes pela “vecchia signora” marcando apenas sete golos.

Apesar do aparente insucesso consecutivo, as oportunidades de Bojinov ao mais alto nível pareciam ser infindáveis. A confirmá-lo, na época 2007/2008, com 21 anos, transfere-se para o Manchester City. Nunca se chegou a afirmar. Em duas épocas jogou apenas doze jogos, marcando… um golo.

Em 2009/2010 o empréstimo ao Parma dita o regresso à Liga italiana, com oito golos em trinta jogos. Permaneceu no clube, contratado por dois milhões de euros. Mais uma vez, na segunda época, teve muitas oportunidades, jogando mais de trinta partidas mas marcando apenas três golos.

Como foi o seu percurso em Alvalade?

Em 2011/2012 Bojinov chega a Alvalade após uma época menos conseguida no Parma. Tinha 25 anos, mas muita experiência, com destaque para trinta e cinco jogos pela sua seleção. E jogava havia 10 anos ao mais alto nível.

Importa referir que o Sporting tinha boas recordações de jogadores búlgaros como Ivaylo Iordanov e Krassimir Balakov, o que também poderia ainda acarretar uma maior responsabilidade para o jogador.

Porém, a passagem por Alvalade de Bojinov foi célere e triste. Jogou apenas dezasseis jogos, dos quais oito para a Liga Portuguesa, dois para a Taça de Portugal, um para a Taça da Liga e cinco para a Liga Europa (fase de qualificação e fase de grupos). É de realçar que durante estes jogos apenas festejou os seus golos por três vezes.

O fim da era de Bojinov ocorreu numa quinta-feira, dia 19 de Janeiro de 2012, em pleno Estádio de Alvalde XXI. Aos 92´ Jeffren sofre um penalti de um jogador do Moreirense, para um jogo da Taça da Liga. Bojinov “agarra na bola” empurra o seu colega (Matías Fernandez) e habitual marcador daquele que é o castigo máximo do futebol. Após algum alarido, Bojinov falha o penalti. O jogo terminou empatado a uma bola.

Após esse jogo, Bojinov nunca mais envergou a camisola verde e branca, tendo sido emprestado ao Lecce a 31 de Janeiro.

A título de curiosidade, note-se que este globetrotter do futebol tem agora (apenas) 31 anos. Começou no Lecce, em Itália (liga onde regressou várias vezes) e agora joga no Lausanne-Sport, da Suíça. Pelo meio, num total de 13 clubes representados, Bojinov já representou também emblemas de Inglaterra, Portugal, Bulgária, Sérvia e China.

 


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS




Posts recentes



Newsletter


Categorias


newsletter