Arquivo de Sergio Pérez - Fair Play

F9pTsWtW4AAioDz-1280x720.jpg
Diogo SoaresOutubro 30, 20236min0

O Autodromo Hermanos Rodriguez foi palco do Grande Prémio da Cidade do México. A expectativa em torno de Checo Pérez por parte dos fãs mexicanos era grande, mas as coisas não correram como esperado.

Qualificação

A Q1 não foi emocionante, mas ainda assim foi alvo de uma grande surpresa: Lando Norris foi o último classificado, e consequentemente, eliminado. Com ele também foram eliminados Ocon, Magnussen, Stroll e Sargeant

A Q2 seguiu o mesmo nível da Q1. Desta vez, Gasly, Hulkenberg, Alonso, Albon e Tsunoda foram eliminados.

A Q3 já foi repleta de emoção. Leclerc conquistou a pole position com um tempo de 1:17.166, Sainz ficou em segundo e garantiu a primeira linha da grelha para a equipa de Maranello. Max Verstappen fechou o top-3. A grande surpresa foi para Daniel Ricciardo que conquistou a quarta posição, à frente de Checo Pérez.

Algumas horas após o fim da qualificação, Logan Sargeant foi penalizado em 10 lugares na grelha por ter ultrapassado Yuki Tsunoda em situação de bandeiras amarelas.

Tsunoda também partirá do final da grelha, mas este será pela troca total da unidade motriz que a Alpha Tauri promoveu no carro 22.

Corrida

Verstappen partiu melhor que os Ferraris e rapidamente meteu-se à frente de Sainz e ao lado de Leclerc. Pérez com uma partida ainda melhor, aproveitou o espaço na reta e também se meteu ao lado de Leclerc. Na chegada à curva 1, três pilotos não cabem, e no caso, foi o piloto da casa que saiu em prejuízo. Pérez tentou passar para a liderança, mas embateu em Leclerc e o carro do mexicano saltou para fora da pista. Os danos no carro número 11 eram significativos e o piloto da Red Bull teve de abandonar a prova.

A durante mais de 30 voltas a corrida manteve-se sem grandes destaques até ao gravíssimo acidente de Kevin Magnussen. O dinamarquês saiu ileso do embate na curva 8, mas não ganhou para o susto. Os danos na barreira provocados pelo acidente levaram à interrupção da corrida por bandeira vermelha.

Após a reparação das barreiras, a corrida foi retomada e Max Verstappen não permitiu o ataque ninguém, sendo que desta vez, não houve incidentes a registar na curva 1.

Na volta 40, Hamilton ultrapassou Leclerc e ascendeu ao segundo posto, numa manobra “musculada” no final da reta da meta.

Yuki Tsunoda e Oscar Piastri ainda repetiram a faceta de Pérez e Norris e colidiram na curva 1, numa manobra muito semelhante à da primeira volta.

O grande destaque do dia foi para Lando Norris. O piloto da McLaren, que se encontrava em 17º no reinício pós-Safety Car, terminou em quinto lugar. Pelo meio, o britânico realizou uma ultrapassagem sensacional a Daniel Ricciardo. Devido à excecional recuperação, o número quatro da grelha foi distinguido com o prémio de “piloto do dia”

Max Verstappen venceu e estabeleceu um novo recorde de maior número de vitórias numa só temporada: 16. 16 vezes em que Leão Neerlandês subiu ao lugar mais alto do pódio em 2023.

Esta vitória também representou a 51ª vitória na carreira, igualando o número do lendário Alan Prost.

A completar o pódio ficaram Lewis Hamilton e Charles Leclerc, respetivamente.

O próximo Grande Prémio de F1 realiza-se já no próximo fim-de-semana (3 a 5 de novembro), a contar para o GP de São Paulo, no mítico Autódromo José Carlos Pace, também conhecido como Interlagos.


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS