Bola de Xeque #4 – Top 5 das melhores jogadoras de vôlei da atualidade

Thiago MacielJunho 11, 20208min0

Bola de Xeque #4 – Top 5 das melhores jogadoras de vôlei da atualidade

Thiago MacielJunho 11, 20208min0
Chegou a vez da mulheres e na quarta edição do “Bola de Xeque” você confere um Top 5 das melhores jogadoras de voleibol da atualidade.

Dando continuidade ao nosso ranking dos melhores do vôlei internacional. Chegou a vez das mulheres. Assim, elaborei um Top 5 com as melhores jogadoras, da mesma forma que foi o masculino esse ranking foi baseado nas últimas cinco temporadas. E foi constituído se utilizando de critérios estatísticos e de desempenho das atletas tanto em competições de clubes quanto em jogos por suas seleções.

O TOP-5 DO BOLA DE XEQUE

5° Andrea Drews (EUA)

Depois de alguns anos de coadjuvante, Andrea Drews viveu uma temporada de afirmação e de muitos prêmios. A oposta norte-americana de 26 anos e 1,91m superou a desconfiança com atuações decisivas e muitos pontos.

Dona de uma potente canhota, a oposta foi MVP da Liga das Nações 2019 e a melhor da sua posição na Copa do Mundo de Vôlei.

Na seleção, foi a responsável direta pelo bicampeonato na Liga das Nações 2019, onde fez nada menos que 33 pontos,  e pela classificação dos Estados Unidos para as Olimpíadas de Tóquio. Na temporada de clubes disputou pela primeira vez a V-League(Liga Japonesa), pelo JTMarvelous, e faturou o título nacional, quebrando a sequência de triunfos do então favorito Hisamitsu Spring.

Drews vem sendo uma peça chave para os EUA (Foto: Getty Images)

4° Kim Yeon-Koung (KOR)

A sul-coreana Kim Yeon-Koung é uma das melhores jogadoras de vôlei do mundo desde o início da década passada. Tem entre suas principais marcas os incríveis 207 pontos nos Jogos Olímpicos de Londres-2012, torneio o qual foi eleita MVP.

Kim foi considerada mais recentemente uma das melhores atletas de origem não europeia que já atuaram em torneios da CEV.

Fazendo uma análise de Kim Yeon-Koung possui um biotipo de uma jogadora Russa, poder de ataque de uma norte- americana, a técnica de uma japonesa e a versatilidade das brasileiras, tudo em uma só jogadora. Com certeza uma das melhores do vôlei na atualidade.

KIm uma das melhores jogadoras do mundo (Foto: Getty Images)

3° Tijana Boskovic (SER)

Considerada uma das melhores jogadoras do planeta, a oposta Tijana Boskovic. Vice-campeã olímpica em 2016 e campeã mundial no ano passado, a atleta, que assustou o mundo aos 17 anos, ao substituir a talentosa Jovana Brakosevic na seleção sérvia, é outra que não cansa de derrubar recordes e acumular prêmios individuais. Aos 22 anos, Boskovic é mais do que uma realidade. Com rendimento excepcional tanto no ataque quanto no saque, foi determinante no Pré-Olímpico para que sua equipe se garantisse nos Jogos e ainda ajudou o time dos Bálcãs a se sagrar tricampeão europeu, vencendo a aguerrida Turquia na decisão. Boskovic anotou 23 pontos na final e levou o troféu de MVP da competição pela segunda vez, isso tudo jogando contra a multidão que empurrava a seleção da casa na capital Ancara.

Pelo Eczacibasi, a sérvia foi a melhor jogadora do Campeonato Turco da temporada 2018/2019 e vice-campeã mundial de clubes.

Boskovic começou sua história de sucesso com apenas 17 anos.

2° Paola Egonu(ITA)

Paola Egonu tem a versatilidade de jogar tanto como oposta quanto como ponteira, ela é considerada uma das grandes atacantes do vôlei mundial atualmente.

Em 2018, ela foi vice-campeã mundial com a Itália e recebeu o prêmio de melhor oposta do Campeonato Mundial. Além disso, marcou 45 pontos na semifinal contra a China e se tornou a maior pontuadora da história de competições da FIVB.

Em 2019, Egonu não deixou por menos. Com a camisa do italiano Novara, ganhou a Champions League na temporada 2018/2019, batendo na final o Conegliano, seu atual clube, terminando como a MVP do torneio. Já pela seleção, exerceu papel decisivo na classificação italiana para a Olimpíada, sendo, novamente, a maior pontuadora em todas as partidas do Pré-Olímpico.

Na Liga das Nações, ela foi a segunda melhor em bloqueios e saques da fase final.

No final do ano, foi o principal destaque na conquista do título inédito de campeão mundial de clubes do Conegliano, com 38 pontos na semifinal e 33 na decisão, ela foi eleita a melhor jogadora da competição de clubes. Isso tudo com apenas 21 anos.

Com apenas 21 anos Egonu já é um fenômeno mundial (Foto: Getty Images)

1° Ting Zhu (CHN)

A chinesa Ting Zhu não é apenas uma das melhores jogadoras de vôlei do mundo atualmente. Ela já pode ser considerada uma das maiores da história. A seleção brasileira ainda deve ter pesadelos com o nome de Ting Zhu. Afinal, ela foi a principal responsável pela virada chinesa que eliminou o Brasil nas quartas de final dos Jogos Olímpicos do Rio.

Eleita a melhor jogadora daquela Olimpíada, Ting Zhu apresentava seu cartão de visitas ao mundo.

A atleta é a jogadora de vôlei mais bem paga do mundo. E neste ano, de olho na preparação para a Olimpíada, a atleta atendeu ao pedido de Lang Ping (Treinadora da Seleção) para que atuasse em seu país. Por isso, depois de três anos de sucesso na Europa, ela deixou a liga mais importante do mundo, a turca, e se transferiu para o Tianji, a principal equipe da China.

Escolher a melhor entre Zhu, Boskovic e Egonu é uma missão ingrata, mas Ting Zhu se destaca pela posição em que atua. Zhu é ponteira passadora. Ou seja, além do ataque ela tem a responsabilidade de recepcionar os saques e se sai muito bem na função. A altura facilita o bloqueio eficiente. Na rede, a chinesa tem um arsenal de golpes, alternando potência com técnica apurada. É a jogadora mais completa em atividade no vôlei feminino atual e com apenas 25 anos, se as lesões não atrapalharem, terá diversas oportunidades para enriquecer ainda mais um currículo que já é invejável.

A poderosa ponteira do voleibol chinês (Foto: Getty Images)

Entre as não citadas podemos destacar a dominicana Brayelin Martinez, as brasileiras Gabi Guimarães e Natália e a polonesa Malwina Smarzek.

E aí?Concorda? Discorda? Aproveita o espaço de comentários e diga um jogadora que você gostaria de ver no nosso Top 5.

FIVB lança projeto de financiamento e define data de retorno da modalidade

A Federação Internacional de Vôlei (FIVB) lançou, nesta terça-feira, um fundo de apoio aos atletas. O projeto prestará assistência em curto prazo a jogadores profissionais de vôlei e de vôlei de praia que foram afetados financeiramente pela pandemia global de coronavírus.

Além disso, a FIVB aprovou o início ou retorno de todas as ligas nacionais a partir de 1 de junho de 2020, seja para concluir a temporada 2019-2020 ou iniciar a temporada 2020-2021. O agendamento das ligas nacionais somente ocorrerá se for seguro, de acordo com andamento da pandemia em cada país.

Serginho escadinha diz Adeus!!

O líbero Serginho, de 44 anos, anunciou sua aposentadoria do vôlei depois de uma carreira repleta de grandes conquistas. Dois ouros (2004 e 2016) e duas pratas (2008 e 2012) olímpicas, dois títulos mundiais (2002 e 2006) e outros inúmeros troféus pela seleção brasileira marcaram a trajetória do jogador.

Em entrevista para a TV Globo, do Brasil, ele disse:  “Hoje poder parar, para mim é a melhor coisa do mundo. Poder encerrar a carreira e dizer que tudo valeu a pena. Cada manchete, cada peixinho, cada viagem, cada título ganho, cada título perdido. Meu choro hoje é de felicidade. As pessoas que quiserem lembrar de mim, joguem voleibol. Só isso”.

Serginho defendeu a seleção brasileira, da qual foi o camisa 10, por quase duas décadas, sempre sob o comando de Bernardinho.

No meu entender, o maior jogador da sua posição da historia, um jogador que mudou e redefiniu a posição de líbero no do voleibol mundial.

Sérgio Escada, muito mais que um líbero. Um ícone do voleibol mundial

Conquistas com a seleção brasileira

Olimpíadas

Ouro – Atenas 2004
Ouro – Rio 2016
Prata – Pequim 2008
Prata – Londres 2012

Campeonato Mundial

Ouro – Buenos Aires 2002
Ouro – Tóquio 2006

Copa do Mundo

Ouro – Japão 2003
Ouro – Japão 2007
Bronze – Japão 2011

Liga Mundial

Ouro – Katowice 2001
Ouro Madrid 2003
Ouro – Roma 2004
Ouro – Belgrado 2005
Ouro – Moscou 2006
Ouro – Katowice 2007
Ouro Belgrado 2009
Prata – Belo Horizonte 2002
Prata – Cracóvia 2016


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter