Bola de Xeque #3 – Top 5 dos melhores jogadores masculinos da atualidade

Thiago MacielMaio 13, 20205min0

Bola de Xeque #3 – Top 5 dos melhores jogadores masculinos da atualidade

Thiago MacielMaio 13, 20205min0
Na terceira edição do “Bola de Xeque” você confere um Top 5 dos melhores jogadores de voleibol masculino da atualidade.

Com o cenário do voleibol internacional encerrado por conta da pandemia do Coronavírus e as próximas competições provavelmente ocorrendo a partir de setembro ou outubro deste ano. Assim, elaborei um Top 5 com os melhores jogadores masculinos, baseado nos últimas cinco temporadas. Ranking este que foi formado se utilizando de critérios estatísticos e de desempenho dos atletas tanto em competições de clubes quanto em jogos por suas seleções.

O TOP-5 DO BOLA DE XEQUE

5° – Osmany Juantorena (ITA)

Cubano que se naturalizou para defender as cores da Itália, Juantonera alia força e técnica para se tornar um dos principais jogadores de vôlei do mundo. Ele é o recordista de prêmios de MVP no Mundial de Clubes de Vôlei.

Há tempos o ponteiro italiano Juantorena é considerado um dos mais fortes e técnicos jogadores de vôlei do mundo. Tanto que sua extensa galeria de troféus fala por si. Em 2019, Osmany Juantorena foi MVP da Liga dos Campeões da Europa e campeão mundial de clubes, jogando pelo Lube Civitanova.

Foto: Getty Images

4° – Matt Anderson (EUA)

Anderson é um voleibolista norte-americano, membro da seleção dos Estados Unidos. Foi o melhor oposto em 2018 tanto da Liga das Nações quanto do Campeonato Mundial, onde os Estados Unidos terminaram no terceiro lugar.

Em 2019, a Seleção dos Estados Unidos foi vice-campeã da Liga das Nações, e Anderson recebeu o prêmio de MVP da competição. E é o jogador da seleção do seu país que lidera em pontos toda temporada desde 2011.

Foto: Getty Images

3° – Bruno Rezende (BRA)

Bruno ou Bruninho joga como levantador da seleção brasileira. Filho dos ex-jogadores Bernardinho e Vera Mossa, é considerado um dos maiores levantadores do mundo. Bruno, de 33 anos, tem um currículo vitorioso pelos clubes por onde passou no Brasil e exterior, principalmente jogando pelo Lube Civitanova da Itália. Levantador titular e também capitão  da seleção brasileira, tem como destaque o Ouro Olímpico na Rio 2016. Em solo italiano, conquistou sete títulos no total, entre títulos nacionais, um europeu e um mundial de clubes.

Foto: Getty Images

2°- Earvin N’Gapeth (FRA)

Earvin N’Gapeth é um jogador polêmico, mas inegavelmente talentoso. Sob sua liderança, a Seleção Francesa foi bicampeã da Liga Mundial, em 2015 e 2017, além de ter sido campeã europeia em 2015.

Apesar de um 2019 bastante conturbado, atleta chegou a ser preso no Brasil por importunação sexual. Foi um dos destaques do campeonato russo, jogando pelo Zenit Kazan.

Boa parte do seu talento se concentra na força sensacional, da sua mão direita, que atinge ao atacar.

Sua importância é tão grande para a seleção da França, que em 2017 o técnico da seleção francesa, Laurent Tillie, admitiu que sem N’Gapeth o time perdia eficiência e energia.

1° – Yoandy Leal (BRA)

Assim como Osmany Juantorena é um cubano que se naturalizou para defender as cores de outro país. O ponteiro escolheu as cores verde e amarela do Brasil.

Em 2019, Leal conquistou a Copa do Mundo de Vôlei pela seleção brasileira e pelo seu clube, o italiano Lube Civitanova, as alegrias não foram menores. Campeão italiano e da Champions League, Leal fechou o ano com o  título do Mundial de Clubes.

Foto: Getty Images

Entre os não citados podemos destacar o levantador Micah Christenson(EUA), os ponteiros Wilfredo León (POL) e Ricardo Lucarelli (BRA) e por fim o oposto Ivan Zaytsev (ITA)

Concorda? Discorda? Aproveita o espaço de comentários e diga um jogador que você gostaria de ver no nosso Top 5.

ENCERRAMENTOS ANTECIPADOS DE ÉPOCA

Foram confirmados, no mês de abril, o encerramento do Campeonato Italiano masculino e da Superliga do Brasil masculina. Também foram decretados encerrados os Campeonatos Turcos masculino e feminino. Em todos os torneios não foram decretados os campeões e as vagas para os torneios continentais vão respeitar a ordem de classificação antes do encerramento.

Além disso a CEV(Confederação Europeia de Vôlei) encerrou todas as suas competições continentais: Champions League, Copa CEV e Copa Challenge. Em alguns casos, semifinalistas já estavam definidos. Serão pagos 80% dos valores de premiação aos clubes participantes.

A CEV ainda se comprometeu a ajudar seus afiliados, ajuda esta que incluem investimentos em torno de 11,5 milhões de euros.

Também foi oficializada o cancelamento da Liga das Nações deste ano, a Federação Internacional (FIVB) anunciou, no dia oito de maio, que devido à pandemia global de Coronavírus e seu impacto nas cidades-sede que receberiam as partidas não haveria condições de realizar um evento de porte global e pensando no compromisso de proteger a saúde dos participantes, o conselho da VNL e conselho de Administração da FIVB concordaram em cancelar a edição deste ano. Em 2021, Itália e China seguirão como anfitriões dos torneios masculino e feminino respectivamente.

Do mesmo modo, tanto o torneio masculino e feminino da Chalenger Cup 2020, uma espécie de Liga B da VNL, originalmente marcada para ser disputada em Gondomar, Portugal e Zadar, Croácia respectivamente, não será disputada este ano.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter