TwinFin – como é surfar com uma?

Palex FerreiraNovembro 9, 20194min0

TwinFin – como é surfar com uma?

Palex FerreiraNovembro 9, 20194min0
TwinFin é uma variação do surf, mas em que consiste? Quais as diferenças e as vantagens em relação ao clássico? Descobre tudo aqui!
Rodrigo Sphaier com uma TwinFin powered by LUFISURFCO Foto: EndlessFun/JoelReis

 

Heythorn Wolf, ou apenas Wolf é um shaper e surfista oldschool da Costa da Caparica, e aqui mostra uma TwinFIn de sua autoria. Foto_ Arquivo Pessoal

Quando as twinfin fizeram parte da evolução de single fins, o surf ganhou velocidade e performance. Surgiram grandes nomes como por exemplo o Mark Richards que dominou a cena competitiva do surf dos anos 70/80 com curvas largas e muita velocidade. Mas porque é que tal acontece?

A prancha de twinfin tem um outline largo, e tal permite gerar mais velocidade e uma linha de surf mais aberta, ou seja, bottons turns e cutbacks mais largos.
Quilha Fcs FK2 PC FISH KEEL SMOKE TWIN FIN SET Twin/Bonzer UnicoResultado de imagem para keel fin

As quilhas actualmente podem ser encontradas em praticamente todas as SurfShops, e podem ser de diversas marcas. (FCS, Futures entre outras)

Mas a “falta” da quilha pivot, ou a quilha central faz com que nas transições de borda (rail) a prancha abane um pouco, daí o Simon Anderson ter criado a Thruster, com três quilhas, e ainda hoje bastante usado.

Gerar velocidade numa TwinFin é algo fácil, dependendo claramente do tipo de surfista que a faz.

Como é o surf de twinfin, segundo breves palavras do ex-campeão nacional Bruno Charneca (BC), atualmente a viver perto de Rincon (california EUA) , uma onda mágica para este tipo de pranchas.

BC –> Palex, como sabes, estou a viver há 3 anos em Santa Barbara, a proximidade da Channel Island Surfboards e os point-break disponíveis foram dois fatores que pesaram na decisão de viver aqui. Eu e a Sara (my wife), fazemos surf apenas aos fins de semana, ou em dias especiais que justificam um dia de ferias. Passamos menos horas na água, mas as condições variam entre bom, muito bom e excecional. Eu uso uma CI PodMod com 38 litros e duas quilhas retro keel. As quilhas são muito importantes, como esta prancha tem 5 caixas, tenho testado diversas combinações. Com 3 quilhas fica demasiado lenta, presa e sem velocidade. Com 4 quilhas, em dias grandes, faz o trabalho, mas nunca chega a velocidade das 2 keel.

Chegamos então as duas quilhas. Tudo muda, a nossa base fica diferente, os dois pés bem chegados para a frente, aproveitamos toda a largura da prancha e o fundo fica livre para deslizar sem a terceira quilha a atrapalhar. O surf tem de mudar, as curvas tem de ser perfeitas, bottom, top turn ou cut back.

Os floaters ganham outra dimensão, parece que andamos sempre em terceira ou quarta mudança, mas ainda temos quinta, sexta e sétima. O volume extra das twin fin, também traz mais peso, e o ganho de velocidade parece que é constante. Parece-me o oposto das actuais epoxy, ganham velocidade instantânea, mas não “embalam” – suponho que o peso e a rigidez dos materiais tenham a sua influência.

O tipo de onda também vai fazer diferença no momento da escolha de uma twin fin. Shore break não é o ambiente ideal. Qualquer point break ou um fundo de areia com algum espaço para aproveitar uma boa parede, pode mudar a perspetiva de um surfista. Eh incrível como tudo muda, como nos podemos divertir em ondas com menos forca, ou ficar surpreendidos como se consegue sobreviver a um arranque atrasado, fazer um bottom a derrapar para dentro do tubo, posicionar na parede e sair em máxima velocidade para o top turn seguinte.

Aconselho a ver o Mick Fanning em Kirra e surfar de twin.

 

Fica ainda mais rápido e mais perfeito?!

Artigo realizado com o apoio de:

Lufisurfco
SurfersCaparica
Ahoy CoffeeBar
NF


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter