O que defende o Paddle Out for Nature em Portugal – à Conversa com Francisco Alvo

Palex FerreiraOutubro 10, 20189min0

O que defende o Paddle Out for Nature em Portugal – à Conversa com Francisco Alvo

Palex FerreiraOutubro 10, 20189min0
Um projecto importante e que Francisco Alvo explica do que se trata e como a comunidade se pode envolver! Sabes o que é o Paddle Out for Nature em Portugal?

Para entender o que é o Paddle OUT For e o que se compromete a melhorar em Portugal, conversámos um pouco durante as pausas do Festival Sliding Society, que decorreu uma semana depois do grande Paddle OUt for NATURE.

Quem é quem na equipa e qual o papel que cada um de nós devemos ter para melhorar a nossa presença nas áreas visadas?

Tudo começou comigo e com a Mazari, falei-lhe da ideia e fundámos a Associação sem fins lucrativos, era necessário um veiculo legal para todo o projecto. Mais tarde vieram os co-fundadores, o Jerome Damond-King – área artística e logística, o Paulo Marcelino na imprensa, Daniel Kemish nos espectáculos, Daniel Gomes Advogado criou os nossos estatutos, Manuel Dantas o mítico “Sea Captain”, Vasco Cordovil autor do Logótipo, Kasia doutorada em Biologia, Isabel de Walle, empresária e Mãe surfista, Dietmar Guetz – cobertura media e os “Guardiões de carne e osso” de quem muito nos orgulhamos: o incansável Alex Botelho no plano Nacional, Sergio brandão – Sagres, Marco Perini – Lagos, Eurico Gonçalves – Figueira da Foz, Tiago Oliveira – Ericeira, Manuel Mestre (Necas) – Faro, Filipe Queimada (Kalhi) – Vila Nova de Mil Fontes, Roberto Pimenta – “middle Algarve”. Mais tarde pareceram na hora H o João mealha, a Dora Gomes, a Joana Schenker, o Pete Webb e tantos outros…Desde o inicio que contámos com o apoio protocolado dos clubes de surf de Albufeira, Portimão e Algarve e com o Clube de Bodyboard de Sagres, todos eles importantes deram o que podiam quando podiam e a mais não eram obrigados, deram-nos sobretudo a força para seguirmos em frente sem duvidas ou hesitações.

Eu assumi a presidência ficando com a parte institucional estratégica, gestão financeira e relações publicas, a Mazari a Vice-Presidência com todo a organização do festival no forte o webmedia e comunicação (construiu o website, todo o social media e design sozinha… é meia alemã e está tudo dito), não posso deixar de falar das duas voluntárias a Lissa Maria Aguiar e a Margarida Reis Perfeito, que também foram incansáveis.

Os nossos Embaixadores estiveram presentes e promovem diariamente os ideais da associação, como o campeão Europeu de Longboard, João Dantas e a grande esperança do surf nacional feminino a Concha Balsemão.

Para terminar, e digo isto com um sorriso e um orgulho muito especial contamos com o apoio do Pedro Martins de Lima, o “Pai do Surf português” com os seus 88 anos enviou-nos um vídeo por não poder estar presente na cerimonia, associando-se  a este protejo, nas suas palavras, “…de alma e coração…” caracterizando-nos como “…um movimento solidário de surfistas que reúna todos os entusiastas e amantes do Mar”.

Trabalhámos todos em “Pro-bono”, como tal, ainda não houve tempo para nos reunirmos depois do evento, precisamos de criar os grupos de trabalho para os projectos anuais que temos em mente.

Todos podemos ajudar a causa, unindo o surf nacional independentemente do tipo de prancha, ou negócio, na protecção das praias e Oceanos, basta apanhar o lixo abandonado nas praias, advertir quem o deixa por lá, usem a Paddle out for Nature como veiculo para promover o surf sustentável, sigam os projectos e proponham ideias, juntem-se a nós no próximo Paddle Out.

Francisco Alvo, um dos co-fundadores deste projecto Paddle Out for Nature. Foto: http://www.paddleoutfornature.org/
Qual o papel da Paddle Out for Nature?

Proteger e preservar as praias e o oceano através do surf, pretendemos ser um movimento solidário, uma força unificadora do Surf Nacional na protecção das praias e oceanos. Regressar às origens da cultura de Surf, onde a ligação à natureza é essencial ao nosso bem estar e identidade enquanto surfistas. Dar a alternativa pedagógica e cultural aos mais jovens, é importante, a competição já tem o seu lugar bem vincado no surf português, é preciso mais, muito mais.

Mazari co-fundadora deste projecto Paddle Out for Nature. Foto: http://www.paddleoutfornature.org/

A Cerimónia de Paddle Out dá-nos isso mesmo, um momento único solidário de união, que nos define como “tribo”, em que nos manifestamos de forma pacifica na defesa dos ideias mais nobres.

Temos como visão futura, um mundo onde os oceanos e as zonas costeiras são protegidos e respeitados, onde o surf tem um papel activo na conservação da natureza,

Que eventos têm em mente para o futuro?

Uma das coisas que a História nos ensina é que a memoria colectiva humana é muito fugaz e curta, por isso mesmo criámos um evento anual que relembra o quanto devemos proteger as nossas praias e os oceanos, com uma cerimónia solidária que nos une nesse ideal.  Teremos sempre um surf festival dedicado a esta causa, queremos que os miúdos tenham essa referência alternativa…”quando era puto fui a um festival de surf com os meus pais, onde vi grandes surfistas e até campeões, a falar sobre a importância de proteger as praias e o oceano, onde curti bons concertos, onde festejei com amigos a sorte de surfar altas ondas nestas praias lindas…”

Podem-nos chamar de “loucos” mas queremos tornar Sagres na capital do Surf sustentável, que o Paddle Out for Nature se torne numa referencia da agenda de surf europeia.

Ou Seja… em Setembro de 2019 há mais 😉 !

Projecto Paddle Out for Nature. Foto: http://www.paddleoutfornature.org/
Estão associadas a alguma marca, ou apenas vivem de donativos para conseguirem realizar eventos em prol da protecção da natureza em Portugal

A única marca com quem conseguimos ter tempo de falar e fechar acordo foi a Sagres, para apoio do festival no forte do beliche. De resto o inicio foi com nosso dinheiro pessoal e depois com o patrocínio protocolado com a Vila do Bispo. Receberam-nos de braços abertos contribuíram de forma inequívoca para o sucesso do primeiro Paddle Out for Nature, tivemos inclusive o Presidente da Câmara ao nosso lado dentro de água na cerimonia, o que provou de forma inequívoca o seu apoio nesta causa.

Esperamos conseguir entretanto donativos para os projectos que pretendemos implementar durante o ano e captar marcas que representem produtos sustentáveis e amigos do ambiente, marcas que pertençam à economia circular e energias renováveis.

Porque o Paddle OUT foi em Sagres, conta-nos o porquê da escolha desse local?

Sagres é um lugar mítico na nossa história, um ícone da cultura e identidade marítima Portuguesa para além disso está dentro do parque natural da costa vicentina e sudoeste alentejano, tão ameaçado a nível ambiental.

Enquanto povo, antes de sermos surfistas, já éramos homens do mar, unir esta identidade marítima com a cultura de surf pareceu-nos uma boa estratégia. Sagres ajuda a fortalecer a nossa identidade enquanto surfistas portugueses, homens do mar, enquanto guardiões das praias e dos oceanos.

Existe algum evento semelhante realizado noutros países?

As cerimonias de Paddle Out como manifestações pacíficas em prol da protecção da Natureza já existem nos estados Unidos, há décadas. Os festivais de surf para a promoção da protecção da natureza também já existem no Japão e Austrália. No entanto uma ONG de Surf para a defesa da Natureza, que una as duas coisas na Europa, não conheço mais nenhuma.

Lineup pela protecção de Portugal – Projecto Paddle Out for Nature. Foto: http://www.paddleoutfornature.org/
Qual o futuro da zona costeira se nada for feito agora?

O futuro da nossa zona costeira é literalmente muito mau, não gosto nada de ser negativo mas se nada for feito agora o futuro é mesmo literalmente negro. A situação chegou mesmo ao limite, infelizmente o tal futuro negro da nossa zona costeira, é já o presente noutros locais do planeta.

Temos de acreditar que é ainda possível salvar o que temos, mas só se nos unirmos independentemente do tipo de pranchas, negócios, competições etc…

Porquê a Universidade do Algarve como parceira ?

Uma das linhas estratégicas que defendemos é trazer a ciência para o Surf na defesa das praias e dos Oceanos, em geral e para a Costa Vicentina e Sudoeste alentejano, em particular.

A parceria com os centros de investigação e monitorização marinha CCMAR e CIMA da UALG vem precisamente nesse sentido, de possibilitar à comunidade surfista e comunidade local o acesso à informação científica que motivou a criação deste projecto. Ao informarmos as pessoas (por exemplo sobre a toxicologia dos microplásticos), elas próprias ganham a consciência dos problemas e começam a actuar nas soluções, daí as palestras, exposições e experiências no Forte do Beliche.

Com o apoio científico podemos corroborar as nossas posições de forma inequívoca sem nos basearmos em crenças ou opiniões pessoais.

Houve alguma situação no Evento que te tenha marcado ?

Estivemos até à ultima a preparar o festival no forte, entretanto estavam todos a telefonar; já estavam centenas de pessoas na praia à espera…peguei no Alex e siga, mandámo-nos a fundo, quando lá cheguei a atmosfera era inacreditável…dias antes tinha estado na praia a falar com o nadador salvador da Mareta, a explicar o que ia acontecer…ao passar por entre a malta olho para o lado e tal não é o meu espanto, estava o dito nadador salvador vestido com uma t-shirt azul do Paddle out for Nature e com a prancha do ISN preparado para remar connosco na cerimonia, virou-se para mim e disse: “Tinha de estar aqui bro, esta causa é de todos, estamos juntos, vamos lá !!”, fiquei sem palavras… e assim foi, com a Natureza a agradecer-nos, água quente e calor em Sagres.

Crew Projecto Paddle Out for Nature. Foto: http://www.paddleoutfornature.org/

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter