O passado e o presente do surf: como é/era ensinar o domínio das ondas

Palex FerreiraSetembro 6, 20186min0

O passado e o presente do surf: como é/era ensinar o domínio das ondas

Palex FerreiraSetembro 6, 20186min0
As lições que o surf ensinou e ensina são impossíveis de esquecer. As surf schools no passado e presente do surf e de como influenciou toda uma cultura! Concordas?

 

Hoje é normal e muito fácil encontrar uma escola de surf para se iniciar no surf/bodyboard/longboard entre as outras modalidades de ondas.

É fácil, é rápido, e todos ajudam. Na primeira aula de surf já se apanham ondas com a ajuda dos monitores/professores de surf.

Existem centenas de surf schools espalhadas nos principais spots portugueses, e claro em todo o mundo.

O surf é actualmente praticado por milhões de pessoas em todo o mundo. Os materiais e as marcas também evoluíram muito, em prol deste grande desporto que é o surf.

Mas nem sempre foi assim, o surf não era tão trendy como é actualmente, e devido à sua própria evolução cresceu muito rápido, porque surf é fixe e quem não faz não sabe o que perde. Outrora desportos de vagabundos, drogados, e putos que não gostavam das regras impostas, de pioneiros, de aventureiros, de “malucos”, entre tantos outros indivíduos que promoveram em grande estilo os desportos radicais.

Pioneiros do Baleal – Peniche Fonte: AHSM (Museu do surf português)

O surf cresceu rapidamente, hoje cada zona balnear com ondas, tem escolas de surf, hostels para surfistas, alugam-se caravanas, quartos, tendas para surfistas que nos chegam de todos os cantos.

Mas antes não era assim tão acessível, era difícil de encontrar material, pranchas e fatos, de amigos que surfassem e pior ninguém ajudava em praticamente nada, era mais cada um por si e a ideia era imitar um pouco do que se via… meter em pé numa prancha não era automático, para alguns mais fácil do que para outros, mas tratava-se de uma conquista, numa luta que não havia o desistir com um simples “estou aqui há horas, dias semanas e ainda não me meti em pé, ou ainda não consegui cortar uma onda”, sob o olhar de gozo dos que já conseguiam.

Ex-top surfista nacional David Luís a passar um pouco do seu know-how a um iniciante no surf. (Foto: TheSearchSchool)

Para uns parece ser fácil qualquer tipo de desporto, para outros um desafio a ser conquistado, com um único fim possível, ficar a surfar umas ondas.

Mas a ideia era estar na praia, e tentar imitar o que se observava. Ajudas não havia

Atualmente observa-se putos que em curto espaço de tempo investido, já têm toda a ciência oferecida como um surfpack, cabe tudo num pacote vendido para essa finalidade. Depois os que nunca fizeram, mas viram na tv, na novela, num anúncio de café, etc o surf está em todo o lado. A sufschool aberta por norma 365 dias por ano pronta para receber e os lançar ao mar com as lições de como se deve fazer, praticamente todo o know-how necessário para o inicio da aventura no mundo do surf.

Fonte: AHSM

Os mais antigos, que na praia não há velhos, são todos putos uns com mais luas que outros, todos continuam a tentar curtir a onda, uns com mais genica que outros, e esses cotas do surf, foram os que quando começaram não passaram a informação de como seria mais fácil fazer para surfar. Riam-se gozavam, quando viam um amigo mais massarro a tentar entrar na cultura do surf.

Surf no pleno da palavra, onde não interessa o tipo de prancha, mas sim em deslizar na onda.

Foto: Ascc Surf Project

Hoje saem centenas de putos e surfistas, dos cursos de treinador de surf orientados e promulgados pela Federação Portuguesa de Surf, preparados para dar aulas e terem as suas próprias escolas de surf, mesmo que nunca tenham feito surf, mas hoje isso é relativo, o que interessa é ter capital e investir numa escola que os clientes, os aspirantes a surfistas estão em todo o lado.

O surf cresceu muito, e o ensino do surf criou uma população costeira que já praticamente toda sabe o que é o surf. Outrora chegado a ser um desporto de filhos dos fascistas (Estado Novo) que seriam os que “podiam” ficar na praia o dia todo sem problemas, e após a Revolução da Democracia a praia passou a ser um espaço público acessível a todos.

O surf continua acrescer, e não irá parar nos próximos tempos certamente, assente num mercado emergente que gera milhões de euros, com atletas profissionais cada vez com melhores condições, chega brevemente aos Jogos olímpicos, e o ensino a melhorar de ano para ano.

A evolução de um desporto de “drogados”, vagabundos, que não queriam fazer nada,  passou a um desporto de massas com praticamente todos os escalões da sociedade a surfar.

Nota 1: As SurfSchool deste artigo foram escolhidas aleatoriamente pelo autor do mesmo. Contudo se quiserem iniciar-se numa das dezenas de Escolas Existentes na Costa de Caparica e em Portugal. Podem consultar algumas no link: https://www.surfingportugal.com/?page_id=1336

Nota 2: Também é possível aprender Bodyboard numa SurfSchool, liderada por atletas de topo nacional Hélder Mendes (Dicha) e com o apoio de mentores como Rodrigo Bessone, Hugo Pinheiro que tentam levantar o bodyboard caparicano. Também a Miramarbbshop tem parceria para aulas de bodyboard através da Caparica Surf Academy, Por isso podem aprender bodyboard entre outras surfschool espalhadas pelo litoral de Portugal.

Aloha

Surfers (Foto: TheSearchSchool)

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter