As redes sociais e o seu papel no surf

Palex FerreiraJaneiro 31, 20205min0

As redes sociais e o seu papel no surf

Palex FerreiraJaneiro 31, 20205min0
As redes sociais têm um papel cada vez mais presente no mundo e o desporto não é exceção. Mas como acontece isto no surf, um desporto que vive tanto das sensações? Descobre aqui!

As redes sociais e o Surf

A tecnologia evoluiu de tal forma, que actualmente temos tudo num simples equipamento no bolso, ao que denominamos de smartphone, nesse equipamento podemos tirar e guardar emails, fotografias, aceder às redes sociais, que nos permitem ter acesso a muita informação e partilhar muita informação, onde quer que estejamos.

No surf sendo ele um desporto hedonista cujo prazer por vezes não conseguimos bem partilhar como é o feeling de deslizar na água, de ouvir o barulho natural da praia (de inverno, que de verão já tem “extra ruído”), de completar uma manobra difícil, fazer um tubo (para quem os faz regularmente!), entre tantas outras coisas, que se não forem captadas via filme ou fotografia, ficarão apenas na nossa memória e experiência no momento.

Com o advento e a constante disrupção tecnológica, com isso foram desenvolvidas as aclamadas redes sociais, que todos podemos ter e divulgar o que bem entendermos e em praticamente qualquer lugar.

As redes sociais permitem-nos partilhar o nosso dia-a-dia quando nos bem apetece, seja para uma simples caça ao like, ou até alguma criação de “inveja”, para quem não consegue estar na praia, de fazermos “stories“ das ondas que estavam boas e sem muito Crowd na água aquela hora, com as redes sociais temos a liberdade de partilhar o que nos vai na alma naquele momento, e para os nosso amigos reais e virtuais.

Também podemos acompanhar, os que os “nossos” ídolos do surf em geral, vão partilhando nas suas contas com milhões de fãs, as surfistas e as influenciadoras mais “quentes” que provocam o mundo na água quente e em ambientes edénicos de biquíni.

Frederico Morais é dos mais ativos nas suas redes sociais (Foto: JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA)

As marcas que tiveram que se adaptar a esta forma de comunicação, criam estratégias de marketing para divulgar os seus produtos, os seus atletas profissionais e dos influencers, que criam milhares de passatempos (utilizando anglicismos, os famosos giveaways), estratégias essa que têm o proveito de vender a imagem “fácil” e um surfista profissional, que é pago para surfar e viajar elo mundo inteiro, o que muitos de seguidores gostavam de viver também.

O papel dos influencers digitais, das gerações mais recentes, youtubers, instagramers, facebookers, tiktokers, twitters, snapchatters, entre outras redes, que vivem uma vida de aparente paraíso, elas procuram locais de bikini e água quente, para partilharem um lifestyle que a sociedade admira e segue com respeito e alguma inveja, inveja porque estão muitas das vezes num escritório, numa fila de trânsito e a passearem likes e partilhas, nesse s que influenciam de alguma forma o nosso dia-a-dia.

As redes sociais vieram divulgar muitos atletas e empresas, depois há aqueles que gastam dinheiro para se auto promoverem, os que compram likes e seguidores para terem a impressão que têm muitos followers e likes (como se isso importasse mesmo), isso pode ser validado como sendo uma estratégia de lançamento para num projecto de vida no surf, quer de competição, quer de lifestyle.

A importância das redes sociais no desporto

A importância das redes sociais, num ponto de vista sociológico, serve para criarem fontes de motivação, de partilharmos aquilo que gostamos, de partilhar coisas da vida privada (há quem partilhe até demasiado!!), as nossas viagens, os amigo(a)s, entre tantas coisas que nos tempos de “antigamente” onde não havia tanta tecnologia, permaneciam na memória, e para quem conseguisse os guardar em álbuns fotográficos de acesso restrito (Família e amigos).

As redes sociais vieram dar a oportunidade de partilhar muita coisa, quer fiquem na memoria de futuro, mas também de conseguir atingir mercados, agora falando num ponto de vista de marketing, os atletas partilham e vendem produtos, os influenciadores partilham momentos e vendem produtos, os mais novos que querem entrar no mundo do surf partilham vitórias e momentos de provas para conseguirem alcançar marcas e patrocínios, as marcas já praticamente todas têm estratégias digitais de comunicação para venderem mais, etc etc.

Rodrigo Sphaier com uma TwinFin powered by LUFISURFCO Foto: EndlessFun/JoelReis

As redes sociais vieram facilitar a divulgação do que gostamos de fazer, da partilha de experiências, de novos lugares, de lançamento de produtos, de lojas online, de revelar novos talentos, emancipar novas manobras, e esses todos, e muitos mais, são o propósito geral das redes sociais, partilhar experimentações no momento imediato.

Mas também vieram trazer problemas, muitos parecem zombies com a tecnologia, perdendo pormenores da vida real só para ficar bem no digital, os momentos com os amigos reais, as brincadeiras na praia sem ninguém a filmar, usem e abusem mas não se esqueçam de viver a vida, de aproveitar os momentos como eles são e não a pensarem em quantos likes e partilhas uma imagem ou vídeo irão alcançar.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter