RWC19: os primeiros 6 jogos… horários, selecções e o porquê de ver!

Helena AmorimSetembro 17, 20193min0

RWC19: os primeiros 6 jogos… horários, selecções e o porquê de ver!

Helena AmorimSetembro 17, 20193min0
O Mundial de Rugby está prestes a começar e apresentamos os horários dos primeiros jogos! Qual é que vais ver? E qual é o mais apetecível?

Mais um Mundial a bater à porta, desta feita em casa da grande sensação de 2015, a Selecção Japonesa. Nove cidades e doze estádios preparados para a melhor modalidade do Mundo!

O jogo de abertura será no dia 20 de Setembro, 6ª feira, um embate entre Japão e Rússia, onde se espera uma Rússia “tenrinha” para os pupilos de Jamie Joseph (que representou Otago e os All Blacks). A primeira participação da selecção Russa não augura nada de extraordinário, além de que está num grupo com Samoa, Irlanda e Escócia. O jogo realizar-se-á as 11.45h (horário de Lisboa).

No dia 21, sábado, haverá 3 jogos: Austrália-Fiji às 05.45h, França-Argentina às 8.15h e Nova Zelândia-África do Sul às 10.45h.

Os jogadores de Michael Cheika terão de combater muito para ultrapassar a sempre possante, demolidora no break down e espevitada no ataque, Fiji. Mas talvez os jogos mais “apetitosos” serão os que se desenrolarão de seguida. A França anda muito motivada com uma injecção de juventude bastante dinâmica e a Argentina é sempre aquele colosso de paixão e luta.

Como tivemos há pouco tempo dois embates entre Kiwis e Boks, seria de esperar menos entusiasmo neste embate? Nem por isso! A pobre performance defensiva da Nova Zelândia no primeiro jogo e a reviravolta assertiva da África do Sul no segundo, faz antever um jogo muito disputado e de resultado incerto.

Para Domingo haverá o Itália-Namíbia, às 6.15h, onde se espera uma vitória da Itália e onde há alguma curiosidade em ver o desempenho de Jake Polledri, asa do Gloucester, a defender as cores Italianas.

Segue-se um Irlanda-Escócia às 8.45h. Este jogo será de fulcral importância para as aspirações de ambas as equipas, porque se por um lado a Irlanda não costuma avançar para as meias finais, a Escócia é sempre uma equipa com potencial para lá chegar mas que acaba por ficar sempre muito curta. Estão num grupo muito competitivo, onde Samoa e Japão poderão dar cartas. O próprio Brian O’Driscoll avisa para uma eventual nova surpresa por parte dos japoneses, inclusivamente frente à Selecção do Trevo.

Em termos de potenciais baixas irlandesas, Rob Kearney está em dúvida e poder-se-á juntar a Robbie Henshaw. De certa maneira a Irlanda junta-se à Escócia no sentimento de serem bravos mas só até certo ponto e por falar em bravos, não esquecer que o Japão é conhecido como os “Brave Blossoms”.

Para terminar o Domingo, o Inglaterra –Tonga às 11.15h, onde se espera uma vitória Inglesa mas com a expectativa de saber o que é que Eddie Jones vai inventar desta vez! Apesar do potencial de espantar, em declarações ao Planet Rugby ele é bastante pragmático: “tu tens de ganhar 7 jogos seguidos e é o único torneio no Mundo onde tens de fazê-lo em semanas consecutivas”. Para o jogo de abertura Jones não irá contar com o talonador Vunipola e o ponta Jack Nowell e com dúvidas ainda nos nomes de Mark Wilson e Joe Cokanasiga.

Ainda mais um jogo na 2ª feira, dia 23 de Setembro: Gales-Geórgia às 11.15h. Aqui, Warren Gatland terá uma oportunidade única para fazer com que esta fornada de talentosos Galeses belisque a preponderância Inglesa e alguma insistência Irlandesa, ao tentar juntar uma meia-final ou mesmo uma final à conquista do  6 Nações deste ano, onde venceu à distância de 5 pontos dos Ingleses e de 9 dos Irlandeses. Haverá curiosidade de ver se a dupla Navidi-Tipuric irá ser desfeita à custa de Aaron Wainwright, asa dos Dragons. Quanto à Geórgia, espera–se um show do pack avançado e disputas valorosas mas não é de acreditar que belisquem a vitória dos Dragões vermelhos.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter