Premiership Final – Dobradinha para os Exeter Chiefs

Helena AmorimOutubro 25, 20203min0

Premiership Final – Dobradinha para os Exeter Chiefs

Helena AmorimOutubro 25, 20203min0
Com uma vitória por 19-13 frente aos Wasps, Exeter junta-se ao clube exclusivo de Leicester, Wasps e Saracens como vencedores da liga doméstica e de títulos europeus na mesma temporada!

Exeter Chiefs e Wasps a reencontrarem-se novamente numa final da Premiership depois de em 2017, Exeter ter levado a melhor  sobre a equipa de Coventry, sete anos após ter subido de divisão. A equipa de Dover vai na quinta final consecutiva (uma ganha e três perdidas para os Saracens) e depois do título Europeu, a dobradinha seria uma prenda muito interessante para este ano tão pandemicamente desinteressante.

Por seu lado os Wasps já são detentores de seis títulos, embora o último tenha sido em 2008. A equipa de Rob Baxter tinha-se mostrado pela avançada consistente com fases e mauls devastadores assim como uma defesa bastante assertiva e compacta.

Já os comandados de Lee Blanckett tinha-se mostrado muito eficaz com a bola na mão, sem medo de adversários teoricamente superiores e com um estilo pós-reatamento muito coordenado; de lembrar que quando Lee tomou conta da equipa em Fevereiro, a equipa seguia em 10º lugar.

A equipa de Exeter a manter os pesos-pesados todos como Hogg, Nowell, Devoto, Cowan-Dickie, Ewers e Jonny Hill com Sam Skinner a segunda linha em vez de Gray e Jannes Kirsten a asa, como elementos não tão sistemáticos nas equipas escaladas.

Pelos Wasps, Minozzi, Kibirige, Gopperth, Jack e Thomas Young, junto a Tom Willis, com Umaga a “10” e com Juan de Jongh a segundo centro. Na linha da frente, Jeff Toomaga-Allen e Tom West fizeram companhia a Tommy Taylor. Estiveram uma semana sem treinar devido aos casos de coronavírus, com Brad Shields, Kieran Brooks e Simon McIntyre a serem postos de parte devido ao protocolo de rastreamento de contactos com covid +. Malakai Fekitoa com uma lesão na virilha também a ficar de fora.

Em Twickenham, o vento e chuva formaram condições muito contrariantes para a prática excelente do jogo, com Exeter a impor desde cedo mais pressão territorial mas com os Wasps a serem virtualmente inultrapassáveis na defesa.

Em mais um alinhamento bem sucedido e um maul montado, a equipa de Exeter conseguiu montar fases até chegar, aos 17 minutos, às mãos de Henry Slade, que perante dois adversários, decide acelerar e passar entre eles para fazer toque de meta, revelando todo o seu rasgo individual. A conversão chegou por intermédio de Joe Simmonds.

Aos trinta minutos, também na sequência de um alinhamento, maul e fases montadas, a bola chega a Jacob Umaga que, como Slade, num momento de brilhantismo individual perfura a defesa adversária num ensaio de belo efeito. A conversão foi de Jimmy Gopperth.

Antes do intervalo, uma penalidade cedida pelos Wasps permitiu uma concretização extremamente difícil de Simmonds com o vento e chuva fortes a fazer muitos estragos.

Na segunda parte, uma penalidade marcadas por Jimmy Gopperth e duas por Joe Simmonds fez pender o resultado para o lado de Exeter, com Simmonds a marcar todas as penalidades a que se propôs desde 30 de Agosto e a não falhar ao minuto 80, dando o título para os Exeter Chiefs e sendo nomeado como o Man of the Match.

Simmonds, Henry Slade, Jannes Kirsten e Dave Ewers a destacarem-se pelos Chiefs e Umaga, Robson, Jack Willis e Gopperth a serem os mais impactantes pelos Wasps. Também Lima Sopoaga, a render Matteo Minozzi aos 55 minutos, a ter uns 25 minutos muito interessantes.

Os dois primeiros classificados na fase regular a não desiludirem na final e a darem um bom espectáculo apesar das adversidades víricas e da meteorologia.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter