Premiership 22ª Jor – Bath é semi-finalista à boleia de um “doente” Sharks

Helena AmorimOutubro 7, 20205min0

Premiership 22ª Jor – Bath é semi-finalista à boleia de um “doente” Sharks

Helena AmorimOutubro 7, 20205min0
Com um surto imparável, o Sale Sharks foi forçado a desistir de jogar frente aos Worcester Warriors, oferecendo assim a vaga da meia-final da Premiership ao Bath Rugby! A análise à última ronda da fase regular do Campeonato Inglês de Rugby!

E aí estão as quatro equipas que passam às meias finais da competição: Exeter, Bristol, Wasps e Bath. Mas, desenvolva-se…

Na 22ª jornada, onde estava muito por decidir, os Wasps conseguiram uma vitória robusta por 46-5 frente aos primeiros classificados Exeter Chiefs.

Esta vitória bonificada ficou em grande parte a dever-se a uma equipa B escalada por Rob Baxter, uma equipa sem Stuart Hogg, Henry Slade, Jack Nowell ou ainda Jonny Gray. O segundo lugar que obteve assim, com 71 pontos, a três dos Exeter, permite aos London Wasps fazer a respectiva semi-final no Ricoh Arena.

Os Wasps já venciam por 25-0 ao intervalo com ensaios de Umaga (abertura), Gopperth (o primeiro centro que com conversões e penalidades acabou por assinar 19 pontos no jogo), e Dan Robson (formação).

Os ensaios na segunda parte vieram de Josh Bassett (ponta esquerdo) e um bis de Ben Vellacott (formação). Pelos Exeter, um ensaio isolado aos 55 minutos por intermédio de Danny Southworth (pilar).

No jogo entre Saracens e Bath, Bath tinha todas as condições para fazer o top 4 mas deixou-se empatar por 17 pontos, tendo estado a ganhar ao intervalo por 3-14. Apesar disso, o destino do Bath estava selado no topo, por culpa de um vírus. O jogo entre Sale Sharks e Worcester iria determinar se Bath ou Sale passariam e depois de um adiamento inicial devido a 16 jogadores dos Sharks infectados, a notícia chegou que a equipa iria desistir de jogar. Com a repetição dos testes à COVID-19 e com 19 positivos a equipa do Sale desistiu e foi consignada uma vitória para o Worcester por 20-0.

No jogo entre London Irish e Bristol Bears e depois de na jornada transacta os Irish terem dado um perfume das suas capacidades, desta feita voltaram a não conseguir impor o seu jogo, tendo perdido por 7-36. Os Bears fizeram toque de meta duas vezes em cada parte por Radradra, Bem Earl, Harry Thacker e Will Capon, com os Exilados a fazerem um ensaio isolado aos 61 muntos através de Ollie Hassell-Collins.

Um jogo entretido foi o Leicester Tigers frente aos Harlequins com o resultado final de 26-32. Ben Youngs abriu o marcador aos 10 minutos com um drive na sequência de um alinhamento perto da linha de ensaio. Sete minutos depois, uma intercepção com corrida e toque de meta do “8” Alex Dombrandt equilibrou o marcador.

Ao cair do pano da primeira parte, uma jogada bem fluida, terminou com um ensaio de elevada capacidade técnica do ponta Joe Marchant, frente a Nemani Nadolo.

Nadolo, não tendo gostado da maneira como terminou a primeira parte, logo aos cinco minutos da segunda, atropela tudo e todos para marcar no seu lado esquerdo. Joe Marchant fica com a última palavra neste “duelo” com mais um ensaio, passados três minutos apenas, no culminar de uma jogada a envolver muitos jogadores e com uma fluidez invejável.

Estas duas equipas, poderão ter um desempenho pontual mais interessante na nova época, pela amostra de jogos que têm feito. O Leicester tem melhorado bastante e os Quins focados são uma equipa muito eficaz. Ainda mais um ensaio para cada lado por James Lang e Matt Scott.

O jogo entre Gloucester e Northampton Saints também não se realizou, com vitória por 20-0 para Gloucester. Os Saints tendo defrontado os Sal , tiveram a necessidade de fazer auto-isolamento preventivo e a equipa não tendo seis elementos disponíveis para a primeira linha, não reunia condições para realizar o jogo.

Desde o reatamento da Premiership em Agosto, das nove jornadas, somente nesta última, houve jogos não realizados devido à pandemia. Para as meias finais, os segundos classificados Wasps defrontam no Ricoh Arena os terceiros, Bristol Bears e ainda no sábado, dia 10 de Outubro, os primeiros Exeter defrontam em Sandy Park os quartos classificados, Bath.

QUEM SÃO OS FAVORITOS NAS MEIAS-FINAIS?

Nos embates entre Wasps e Bristol na fase regular, realizados nas jornadas sete e vinte, os Wasps saíram sempre vitoriosos: por 21-26 e 59-35, respectivamente. Sem dúvida que os Bears vão querer mostrar todo o seu esplendor de rugby ofensivo mas terão de ter muita assertividade defensiva, contra uns Wasps que bem carburados fazem sempre mossa.

Radradra, Siale Pitau, Max Malins , Luke Morahan, Nathan Hugues, Ben Earl e Harry Thacker são nomes que poderão surgir facilmente como elementos decisivos na meia final. Os Bears de Pat Lam já mostraram as suas reais capacidades e talvez haja um elemento de vontade superadora frente aos Wasps, visto terem perdido os dois jogos com eles. No entanto, os Wasps terão uma equipa muito coesa com nomes a sobressaírem devido ao desempenho nestas derradeiras nove jornadas: Gabriel Ohgre, Josh Bassett, James Gaskell, Jimmy Gopperth e Fekitoa.

Os Wasps poderão ter a vantagem, caso consigam que o poder dos avançados perfure a defesa dos Bears, porque tem sido essa a sua mais valia.

Na outra meia final, Exeter recebe Bath no Sandy com os embates na fase regular a não serem esclarecedores quanto a um vencedor: na jornada dois, o Bath bateu o adversário por 13-10 e na jornada treze, Exeter recebeu e evenceu o Bath por 53-20.

A verdade é esta: Exeter e Rob Baxter são o alvo a abater. Estão uma equipa muito bem calibrada e muito dificilmente vacilarão perante um valoroso mas errático por vezes, Bath. Pelos Chiefs, stuart Hogg fará concerteza presença no jogo com impacto positivo assim como Cowan-Dickie, Dave Ewars, Ollie Devoto, Jake Nowell, Sam Simmonds e os dois Jonny da segunda linha, Gray e Hill.

Bath terá de ter uma tarde fora de série com nomes como Ruaridh Mcconnochie, Will Chudley, Tom Dunn, Jonathan Joseph ou ainda Beno Obano e Rokoduguni a terem de se mostrar. Os homens de Stuart Hooper terão mesmo de se superar para tentar derrotar o lado teoricamente mais forte e como tal favorito.

São os Wasps um candidato ao título de campeão?


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter