Premiership 20/21 1ª e 2ª Jor – Chiefs continuam a dominar

Helena AmorimNovembro 30, 20205min0

Premiership 20/21 1ª e 2ª Jor – Chiefs continuam a dominar

Helena AmorimNovembro 30, 20205min0
Helena Amorim oferece-os o relato das duas primeiras jornadas da Premiership 2020/2021, com destaque para os Chiefs e Falcons!

A Premiership voltou no fim de semana de 21 e 22 de Novembro, com grande expectativa relativamente ao desempenho dos campeões em título, os Exeter Chiefs, assim como dos promovidos Newcastle Falcons.

FLOOD VOLTA EM GRANDE E CHIEFS NA MESMA TOADA NA 1ª JORNADA

Foi uma primeira jornada onde se marcaram 221 pontos com o Sale Sharks- Northampton Saints a ser o jogo mais expandido em termos pontuais, com 55 pontos, num resultado que ficaria em 32-23. Os Tigers começaram da melhor maneira com uma vitória frente ao Gloucester por 38-15, fazendo antever uma época mais airosa para os últimos classificados (exceptuando os Saracens). Worcester e London Irish esgrimaram-se sem grande intensidade para conseguir um 11-10.

Wasps e Bristol encontraram-se no Ricoh Arena com uma ligeira vantagem para os Wasps, que ganharam por 23-20. Os Falcons rumaram ao Rcreation Ground para defrontar o Bath, tendo conseguido uma importante e motivadora vitória por 12-19. A equipa orientada por Dave Walder revelou-se muito competente na defesa (Nick Easter como treinador da defesa) e revelou um rugby muito positivo. Conseguiu três ensaios por intermédio de Gary Graham (bis), o “oito”, e por Ben Stevenson, o ponta esquerdo. Gary Graham fez uma bela exibição em que além dos dois ensaios apresentou números interessantes: 52 m ganhos, 23 carries, 5 passes, 7 placagens, 4 defesas batidos e 1 offload.

Nesta equipa, nomes a reter: Toby Flood e Luther Burrell a primeiro e segundo centros, Marco Fuser a segunda linha, Micky Young, capitão e formação, Gary Graham, claro, e ainda Sean Robinson, o asa nr6. Bath teve dois ensaios por Joe Cokanasiga e Josh Matavesi mas de uma maneira geral apontaram muito à fisicalidade e um pouco menos à inteligência.

Por fim, os Quins foram cilindrados pelos Exeter por 3-33. Cinco ensaios da equipa de Rob Baxter, com um hat trick de Sam Simmonds, um ensaio de Dave Ewers e um de Stu Townsend que entrara para redimir Jack Maunder na posição de formação.

A galopante exibição dos Chiefs na 1ª jornada da Premiership

BRISTOL E HARLEQUINS RECUPERAM FORÇAS NA 2ª JORNADA

Na segunda jornada, os mesmos Exeter, receberam o Bath, infligindo um resultado novamente pesado para a equipa adversária: 40-3. Mais dois ensaios de Sam, um de Tom O’Flaherty, um de Hidalgo-Clyne, um de Ian Whitten e ainda um ensaio de penalidade.

Esta equipa dos Chiefs conseguiu em dois jogos encaixar apenas seis pontos, tendo maracdo um total de dez ensaios em que seis deles foram o culminar de um driving maul. Na primeira jornada os drives foram finalizados duas vezes por Sam e uma por Ewers e na segunda jornada os drives foram mais uma vez finalizados por Sam Simmonds (duas vezes) e uma por Clyne. Esta sequência diz muito do que Baxter quer para os Chiefs: o domínio total! A equipa é muito versátil, muito técnica em certos aspectos do jogo, mormente estes driving mauls devastadores, muito física e também muito dinâmica.

O ensaio de O’Flaherty vale a pena ser visto: um pontapé do Joe Simmonds para uma recepção orientada com o pé de Tom que mandou a bola lá pra a frente e correu até alcança-la e fazer o toque de meta! Gloucester recebeu os Wasps e conseguiram, num embate de cinco contra quatro ensaios, sair vitoriosos por um 40-24. O Gloucester é uma equipa muito competente e na semana passada foi apanhado de surpresa pelos Tigers mas com esta exibição, marca novamente uma posição para a nova época.

Billy Twelvetrees além do ensaio teve uma partida memorável e será claramente um dos elementos mais valorosos da equipa. De referir pelos Wasps o duplo ensaio com a diferença de um minuto de Paolo Odogwu que entrara em substituição do segundo centro Juan De Jongh. Alfie Barbeary, o asa ou flanqueador do lado fechado, também teve uma exibição de encher o olho.

Bristol recebeu e ganhou o Worcester por 30-13 mas ainda é cedo para perceber a real capacidade dos Bears nesta nova época.  Um jogo muito animado e com muitos pontos foi o jogo entre Saints e Quins, em que os da casa sucumbiram aos Londrinos por 29-49.

Dez ensaios no jogo, com uma toada sempre muito dinâmica e com poucos momentos aborrecidos. Danny Care combinou sempre muito bem com o seu ponta direito e com o defesa, tendo marcado um dos seis ensaios dos Quins, assim como Mike Brown e Nathan Earle. A bola dos Quins foi sempre mantida viva e a nível defensivo a referir apenas alguma passividade na abordagem a alguns lances e acima de tudo, desatenção. Lewis Ludlaw fez um bis pelos Saints.

Os Falcons continuaram a espantar, desta feita com uma vitória por 15-13 frente aos Sharks , tendo ido para o intervalo com uns confortáveis 10 a 0. Pelos Falcons ensaios de Sean Robinson e de Toby Flood ao cair do pano.
Finalmente, os London Irish receberam os Leicester Tigers na sua nova/velha casa (o Brentford Community Stadium) e talvez essa mudança de ares tenha tido um efeito muito positivo, pois acabaram por levar os Tigers de vencida por 22-9. Desde 2000 que os Exilados jogavam em Reading, no Madejski Stadium mas desde 2016 a vontade de regressarem ao Greater London e a Brentford, estava a ser trabalhada. Assim, O Brentford FC irá partilhar com os London Irish e já na próxima jornada frente aos Sharks, haverá a possibilidade de terem 2000 adeptos nas bancadas.

Os Tigers foram extremamente indisciplinados na primeira parte e quando tentaram ir na recuperação do prejuízo, com uns bons 20 minutos da segunda parte, claramente que já não tinham tempo nem capacidade para o fazerem, muito por conta de uma boa prestação defensiva dos Exilados.

A vitória dos Newcastle Falcons na 1ª jornada


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter