Europeu 2018 – Sucesso do Touch Rugby Portugal!

Lourenço MonteiroJulho 31, 20189min0

Europeu 2018 – Sucesso do Touch Rugby Portugal!

Lourenço MonteiroJulho 31, 20189min0
O Touch Rugby Portugal foi até Inglaterra e traz grandes histórias e marcas para nunca mais esquecer! Sabias da nossa participação em Notthingham?

Touch Rugby Portugal  – Europeu em Nottingham!

Chegámos ao fim da participação da Selecção Nacional M40 no Campeonato Europeu de Touch, e com este evento chega o encerrar da época ambiciosa e que muito orgulho e gozo nos deu a todos que fizemos parte de 2017/2018. Onde esta participação no Euro é o culminar dos diferentes esforços e fica marcada pelo sucesso, dentro e fora de campo, dos nossos super-ágeis Rapousas (FOX e não Lobos).

De forma muito sucinta e para termos o enquadramento necessário à compreensão desta aventura, temos como objectivos da TRP para esta participação Europeia:

1 – Dar a conhecer à Europa o Touch Rugby Português

2 – Promover internamente o campeonato Europeu, potenciar a divulgação do nosso desporto em Portugal – com consecutivo aumento do nível de Jogo e da competitividade interna.

Dificuldades da Jornada!

Com a apresentação destes objectivos, fazia prever que o adversário seria alguém para nem olhar de frente ou que os Rapousas nem ousariam querer desafiar para um “brinca na areia”. É mais ou menos assim que começa a digressão –e dispondo da informação de que as grandes equipas não iriam permitir qualquer facilitismo, Pedro Honório,  treinador/Jogador inicia a Mentalização dos nossos atletas!

Importa referir que este “investimento” (já falaremos sobre apoios) pessoal – temporal, físico e financeiro fazem parte do enquadramento pré-torneio, onde infelizmente num País sem estratégia e cultura desportiva temos de recorrer ao que cada um pode despender para esta actividade de luxo que é a promoção da Saúde com hábitos de vida saudável (e com representação no exterior da marca Portugal).

Aos Apoios: Um muito obrigado!

Ainda assim, e de forma pioneira, tivemos apoio de algumas marcas atentas à Modalidade mais inclusiva, e que movimenta Novos e Velhos (16-80), sem preparação e com muita, seja internacional de Running, Remo ou Rugby, masculino ou feminino!

Aproveitando o momento: Um muito obrigado aos Padrinhos do Touch Rugby Portugal – Linda Acker (EFT) e Erick Acker (FIT).

E às empresas que nos apoiaram no ano de estreia: Licor Beirão; ESC Online; ON Optimum Nutrition; Ah33 Estudios e CDT Equipamentos Desportivos.

Resultados do Euro!

Continuando no pior cenário possível: os jogos das 9 às 18h todos os 4 dias, e com essa contrariedade ao sistema Português, em que para maiores de 40 anos temos uma percentagem mínima de população desportivamente activa e com prática regular. Certo será que a classificação final não deixa dúvidas, e os Campeões Europeus de Touch Rugby são os seguintes países:

MEN’S OPEN – Inglaterra – Gales: 10-3 – INGLATERRA campeã

WOMEN’S OPEN – Inglaterra – Gales: 3-2 – INGLATERRA campeã

MIXED OPEN – Escócia – Gales: 12-11 – ESCÓCIA campeã após drop-off (4 jogadores de cada lado)

WOMENS 27/37 – Inglaterra – Escócia: 12-3 – INGLATERRA campeã

MENS 30/35 – Inglaterra – França: 12-5 – INGLATERRA campeã

MENS 40 – França – Inglaterra: 9-4 – FRANÇA campeã

MENS 45 – Irlanda – Inglaterra: 6-4 – IRLANDA campeã

MIXED 30 – Irlanda – Inglaterra: 7-3 – IRLANDA campeã

Para quem não acompanha a modalidade, é notório o desnível que existe entre as equipas britânicas (seguidas da França) em relação ao resto da Europa. O mesmo se pode dizer da diferença entre os hemisférios Sul e Norte; onde a Austrália é campeã do mundo em título em 8 de 9 escalões e a Nova Zelândia fecha o quadro de honra com titulo de M35.

17 Países em 4 dias e divididos em 63 equipas, num total de 1300 atletas!

Se até aqui tudo era assustador, o Tuga ao chegar resolve! Não… não vencemos e nem se quer foi fácil, antes pelo contrário… mas sentimos que em cada Jogo realizado (mesmo com Inglaterra e França) estávamos dentro do Jogo a defender bem, e com a criação de bons momentos ofensivos e alguns ensaios marcados!

Os 14 sortudos atletas, que se estavam a preparar em estágios de Coimbra, Lisboa e Cascais, saíram de cada jogo com a certeza de grandes momentos de diversão e superação – Charlie Lemos – Ex Internacional XV fez rutura de um segmento muscular na coxa, e como manda o estoicismo da nossa modalidade, ainda entrou várias vezes para mais umas jogadas, para assim contribuir para a sua equipa.

Ou ainda o Luís Baptista que a meio de uma jogada encontrou a cabeça de um suíço onde marcou 3 pontos vs um Galo para o Luís – ou ainda após o jogo com Itália em que portugueses e italianos fizeram um “corredor sem fim”, fazendo os  150 metros que ligavam um campo ao outro!

Ficam muitas outras histórias para as próximas 3as partes e na ambição do próximo Europeu (2020).

Tivemos também 2 árbitros – James Fisher-Martins e Victor Baptista, que prestigiaram a nossa participação neste Euro, que foram os maiores campeonatos na história dos Europeus, com vários recordes a serem batidos, incluindo o recorde do resultado mais desnivelado (Inglaterra a bater a Suíça por 25-0 na categoria de MENS OPEN).

Bateram-se recordes de número de Países, atletas e árbitros participantes. Com transmissão directa pela BBC Sports, durante toda a competição, e que prova que em toda a Europa o Touch tem tido um crescimento espectacular, e que contagia Portugal.

Foto: Touch Rugby Portugal

Agradecimento a todos pelo apoio que chegou a Nottingham vindo de Portugal!

Com todas as contrariedades já referidas, qualquer apoio que chegasse sabia, aos nossos atletas, como grande incentivo… Mas foi muito melhor que isso, foi evidente e gratificante a participação de todos que viram por streaming, ou que acompanharam nas redes sociais – o Diário do Europeu! –  este apoio foi o sinal de que não haverá volta a dar, e o Touch Rgby veio para ficar.

Saímos com vários ensaios marcados e também muitos sofridos, com uma curva de aprendizagem brutal e um espírito de entreajuda e companheirismo que tem sido hábito nos campos nacionais e agora revelaram-se genuínos e fortalecedores desta Comunidade.

No 4º dia, e para referência futura e para podermos cobrar em 2020 melhor ainda, no último Jogo deste Europeu marcaram – Tiago Ferreira (2), Ricardo Couto, Amílcar Seco e João Figueiredo, num jogo bem disputado, e emocionante (pode ser lido na integra no Diário do Europeu) equilibrado onde a equipa nacional jogou bem, tanto pelo meio com os seus Middles e Links como a abrir jogo para os seus rápidos Wingers e onde a possibilidade de uma vitória esteve à vista.

Palavras do Presidente TRP e jogador presente no Europeu:

“A imagem de Portugal foi dignificada. Não o dizemos apenas porque tivemos o privilégio de representar a nossa nação. Afirmamo-lo porque quer da parte das equipas adversárias, quer da vasta equipa de árbitros envolvidos, fomos recebendo feedback, tanto das nossas prestações em campo, como fora dele. Fomos lutadores dentro de campo, jogamos sempre com fair play, nunca discutimos uma decisão arbitral e no final de cada partida, tivemos sempre um cumprimento especial ao adversário.

Mesmo fora de campo, o comportamento, o rigor com que encaramos esta prova; desde a alimentação, ao tão necessário repouso, ao cumprimento de horários; tudo foi realizado e cumprido de acordo com as instruções do coordenador de equipa e do Head Coach.”

Histórias de Portugal no TouchRugby!

Esta foi a 2ª Participação de Selecções em Europeus, e também a 2ª Participação de Selecções fora de portas e em torneios oficiais, desde a constituição da TRP. Tendo sido a anterior nas Taças Latinas (M40, M45 no Verão passado)

Também na anterior grande competição internacional de Touch Rugby competimos com o escalão de M40. Na altura nos Campeonatos da Europa de 2010 em Bristol, com a vitória da Irlanda. Depois a Espanha ganha a competição em 2012 em Treviso (Itália) e Gales as edições de 2014 e 2016, respetivamente em Swansea (Gales) e na ilha de Jersey.

Na edição de 2010 em Bristol, pela 1ª vez presente num Europeu, com uma equipa M40 constituída por Afonso Duarte, André Cunha, Andrew Roughan, António Abreu, António Cunha, Damian Steele, Elias Gonçalves, James Fisher-Martins, Joaquim Lima, José Pires, Pedro Silva, Steven Evans, Thomas Lima e Tiago Mendonça, mostraram muito Rugby e a sua participação definiu um 6º lugar e a melhor participação de Portugal nesta prova, e que conta com uma vitória contra a Itália e quatro derrotas com Gales, Inglaterra, Irlanda e França, 23 ensaios marcados e 25 sofridos

Mais dificuldades e a despedida até 2020!

Como não poderia deixar de ser, o regresso também ele tem história e transmitido pelo grupo, tivemos o relato de que a festa de encerramento foi muito boa, como não poderia deixar de ser! Mas que também não fazia prever a viagem de mais de 13 horas de Nottingham de regresso a casa e às famílias. Foi o momento de divisão deste grupo – Com comboio de Nottingham para Manchester com uns a voarem para Faro, outros Porto e mais um comboio para Coimbra, ou em carros alugados Faro-Lisboa. Só do Amílcar ainda ninguém sabe onde anda… por essa Europa quem o vir é favor devolver na Morada!

Resumindo: Entre jogos, jantares e bons momentos de convívio esta é uma viagem que marca tudo aquilo que a Comunidade Touch Rugby tem desenvolvido em Portugal e que nos aponta o caminho e leva à ambição de querermos mais e estarmos sempre a disputar com a Elite!

Temos já várias novidades para a época 2018/19, e anunciaremos numa próxima publicação.

Até lá, reiteramos este agradecimento a todos que nos acompanharam nesta jornada!

E lembramos que se hoje desafiares um amigo para treinar, saberás que amanhã apresentarás uma família – TouchRugby!

Até lá keep in Touch!!! E na praia desafia os teus amigos!

A presença portuguesa em Nottingham (Foto: Arquivo Pessoal)

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter