ERCC 19/20: photo-finish deu surpresa inglesa na última jornada

Helena AmorimJaneiro 21, 20205min0

ERCC 19/20: photo-finish deu surpresa inglesa na última jornada

Helena AmorimJaneiro 21, 20205min0
Os Saracens conquistaram aquilo que parecia ser um improvável apuramento depois de duas primeiras jornadas fracas da formação inglesa. A última ronda da Heyneken Champions Cup analisada ao pormenor

A última jornada da fase de grupos da Heineken Champions Cup foi bastante bem disputada com jogos muito interessantes. Ou por o destino de muito equipas já estar definido e não ter havido aquele factor de stress ou pelo facto de estar na altura de mostrar a folha de serviço aos novos e velhos seleccionadores da Six Nations, o que é facto é que houve jogos digno de serem vistos, o que nem sempre sucede.

Antes de mais, já ficam discorridas as equipas que irão jogar os quartos de final da prova: Leinster-Saracens; Exeter-Northampton; Toulouse-Ulster; Clermont-Racing 92.

Desde já, a repetição da final de 2019, desta feita uns passos mais cedo: o Leinster vai receber os Saracens, depois de se saber da relegação para o Championship no ano que vem, no caso dos Saracens.

LEINSTER E UMA CANDIDATURA ÓBVIA

O Leinster tem tido uma prestação na liga doméstica e na Champions muito enfática, sempre com uma assertividade e coesão nas exibições. O Primeiro lugar do grupo 1 foi para o Leinster com uns apaixonantes 28 pontos. A equipa técnica de treinadores, constituída por Leo Cullen, Stuart Lancaster ( e as seus já famosos treinos de terças feiras!), Felipe Contepomi, Emmet Farrell e Robin McBryde, estão a fazer uma equipaça! Já os Saracens levaram de vencida o Racing 92 por 27-24 , sendo assim um dos 3 melhores segundos classificados que passam, desta feita com 18 pontos.

Mas seguindo uma lógica de grupos, no Grupo 1, o Leinster foi ao Stadio Comunale di Monigo em Treviso, passar um pente de 18-0, não sem antes sofrer a bom sofrer, perante um lado Italiano muito combativo e que apenas permitiu 3 pontos na primeira parte e que finaliza a fase de grupos em último com seis pontos mas com a cabeça erguida depois deste jogo.

No outro jogo do grupo, o Lyon recebeu os Northampton Saints e saiu derrotado por 24-36. O Lyon foi melhor na primeira parte mas na segunda, os driving mauls e a química entre Dan Biggar e Cobus Reinach entraram em acção, fazendo a diferença no marcador para o lado dos Saints. Finalizando com 19 pontos, os Saints irão deferontar o primeiro classificado do Grupo 2, os Exeter.

Exeter que recebeu La Rochelle , tendo ganho por 33-14 e Sale foi cilindrado pelos “aflitos” Glasgow por 7-45, mas este resultado não permitiu que a franquia Escocesa fosse um dos três melhores segundos, não passando à fase seguinte. Neste sentido, ficaram apenas a um ponto desse objectivo, na medida em que o último segundo melhor a passar foram os Saracens com 18 pontos.

A equipa de Rob Baxter tem objectivos muito ousados neste ano e que passam pela conquista do Premiership e da Champions mas o que é facto é que seguem ao fim de 8 jornadas em primeiro na competição Inglesa e foram os segundos melhores em termos pontuais, na fase de grupos da champions.

Relativamente ao Grupo 3, o Ulster não teve dificuldades de maior para ultrapassar o Bath, impondo um 22-15 e os Harlequins perderam frente aos Clermont por 19-26. Neste jogo, os Harlequins mostraram uma fluidez atacante muito interessante, com uma avançada belicosa mas eficaz e durante toda a primeira parte causaram grandes trabalhos ao Clermont que, fruto da indisciplina Inglesa, acabou por capitalizar no segundo tempo. No Grupo 3, passam então Clermont e o Ulster.

No Grupo 4, os Saracens venceram o Racing por 27-24 mas foi algo que apenas surgiu ao cair do pano. Munster teve muitas facilidades frente aos Ospreys, que esta época ainda não mostrou nada de muito interessante. Neste grupo, Racing em primeiro e Saracens em segundo passam e o Munster com 16 pontos , fica aquém das suas reais capacidades, falhando o objectivo por muito pouco.

No Grupo 5, que começou com um Montpellier e Toulouse em alta nas primeiras jornadas, acaba agora com o Montpellier em terceiro com apenas 10 pontos, muito por causa do crescendo que o Gloucester foi tendo ao longo das seis jornadas. O Toulouse defrontou e ganhou ao Ingleses por 35-14 e o Montpellier defrontou e ganhou ao Connacht por 35-29.

Sem dúvida que se esperava um pouco mais do Lyon, dos sale Sharks, do Munster e do Montpelleir e também se esperava uns Ospreys mais competitivos, mas tal não sucedeu. O Treviso apesar de último no seu grupo, é uma equipa que mostra valor e espírito competitivo como poucas outras; Connacht é também aquela equipa que dá gosto ver.

Há cinco de oito equipas que repetem a chegada aos quartos, relativamente ao ano transacto: Leinster, Ulster, Racing, Toulouse e Saracens, reforçando a sua preponderância na actualidade do rugby. Se neste ano teremos Exeter, Saints e Clermont nos quartos, no ano passado tivemos Munster, Glasgow e Edimburgh.

Ainda como curiosidade e considerando os embates entre equipas do mesmo país a nível dos quartos, no ano transacto, houve um dupla Irlandesa (Leisnter e Ulster) e uma dupla Francesa a se defrontarem (Racing e Toulouse) e neste ano haverá uma dupla Inglesa (Exeter e Saints) e uma repetição de uma dupla Francesa (Clermont com Racing).

SIMMONDS PARA TODA OBRA E VAKATAWA A DUPLICAR

Em termos de jogadores, Louis-Ress Zammit saiu lesionado aos 38 minutos, joelho, provavelmente.

Antoine Dupont continua numa forma totalmente invejável e tem uma sintonia com Romain Ntamack que faz antever uma selecção Francesa mais aguerrida que o normal. Aliás, o Toulouse está agora uma equipa mais equilibrada, com experiência de muita importância e valia como Famauina e Kaino mas com elementos mais jovens a imprimirem outra dinâmica.

Sam Simmonds, o oito dos Exeter tem-se revelado um jogador importante na dinâmica ofensiva dos Chiefs com dois ensaios neste derradeiro jogo da fase de grupos.

Do Racing, o segundo centro Virimi Vakatawa também bisou neste derradeiro encontro frente aos Saracens. Alías, toda a linha atrasada do Racing é algo de muito bem conseguido em termos individuais mas também em termos de organização tática.

Apesar de não termos acompanhado tão próximo a Challenge Cup, esta vai ter os seguintes embates nos quartos de final: Toulon-Scarlets; Leicester Tigers-Castres; Bordeaux-Edimburgh; Bristol Bears-Dragons.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter