10ª etapa do HSBC World Rugby Sevens Series – Paris

João DuarteJunho 4, 20193min0

10ª etapa do HSBC World Rugby Sevens Series – Paris

João DuarteJunho 4, 20193min0
Realizou-se dias 1 e 2 a última etapa do HSBC World Rugby Sevens Series 2019, em Paris. As Ilhas Fiji venceram a etapa e tornaram-se campeões mundiais de sevens 2019. Já em sentido oposto, o Japão ficou terminou em 14º da etapa e não fugiu à saída do circuito.

Com duas equipas na disputa pelo título do circuito mundial, a última etapa do World Series teve importância e espetacularidade aumentadas. Ilhas Fiji e Estados Unidos estavam separados por apenas por 2 pontos na classificação geral e um deslize para qualquer uma das equipas podia ser fatal para as suas aspirações.

Dia 1

No primeiro dia, tanto os Estados Unidos como as Ilhas Fiji venceram os três jogos da fase de grupos.

Os americanos venceram à Espanha por 31-7, à Samoa por 33-14 e ao Canadá por 26-12.

Os fijianos em clara demonstração de superioridade, derrotaram a Inglaterra por 52-14, a Argentina por 40-26, num jogo em que começaram a perder, e a Irlanda por 40-5.

As surpresas do dia foram o empate do Quénia com a Austrália a 19 pontos , com os quenianos numa tentativa de fugir à saída do circuito.

Depois foi o Japão, que também em risco de saída do circuito, venceu a França por 17-14.

A outra equipa em risco era a seleção Galesa que puxou dos galões para vencer a Austrália por 24-7.

A Irlanda em modo de demonstração daquilo que pode fazer como equipa residente no próximo ano venceu a Inglaterra por 27-14.

No jogo entre Gales e Quénia, os quenianos levaram a melhor, garantiram a qualificação para os quartos-de-final da Cup e a quase certa manutenção no circuito.

No último jogo da fase de grupos o Japão ainda esteve com um pé nos quartos-de-final da Cup, mas um ensaio convertido da Escócia na bola de jogo roubou-lhes essa hipótese.

Dia 2

Nos quartos de final da Challenge a Irlanda, a Austrália, a Inglaterra e o Canadá venceram os respetivos jogos facilmente, com o Japão a ficar sentenciado à saída do World Series do próximo ano.

Já nos quartos de final da Cup, Ilhas Fiji, Estados Unidos, Nova Zelândia, e África do Sul venciam também os seus jogos e mantinham-se na disputa da Cup.

Na luta pelo 13º lugar, a Escócia atropelou a Espanha por 47-14, acabando com a participação dos espanhois nos Sevens Series 2019.

A outra equipa a disputar o 13º lugar seria o Japão, depois de vencer o País de Gales por 33-17.

Para a final da Challenge seguiram a Irlanda e o Canadá, ao ganharem à Austrália e a Inglaterra, respetivamente.

Nas meias-finais do 5º lugar tivemos dois jogos bastante disputados, mas que ditaram o fim da participação do Quénia e da Argentina na etapa, com a França e a Samoa a marcarem encontro na disputa do 5º lugar.

As meia-finais da Taça Cup podiam ditar o vencedor do HSBC World Rugby Sevens Series 2019 e assim foi, com uma “final antecipada” entre as Ilhas Fiji e os Estados Unidos, os americanos sederam à superioridade fijiana e ficaram arrumados da final e da luta pelo título.

A Nova Zelândia venceu a África do Sul por 33-7 e seria a outra equipa finalista.

No 13º lugar ficou a Escócia com uma vitória por 31-26 sobre o Japão, com dois dos ensaios escoceses a serem marcados no último minuto de jogo.

O canadá venceu a taça Challenge, derrotando a Irlanda por 12-28.

A França deu show em casa frente aos seu adeptos e conquistou o 5º lugar num jogo que acabou 40-5 com a Samoa.

A medalha de bronze da etapa foi entregue à Nova Zelândia que venceu o Vice-campeão dos Sevens Series 2019, os Estados Unidos, por 24-7.

Já a Cup e o título de campeão do HSBC World Rugby Sevens Series 2019 foram entregues às Fiji que derrotaram a Nova Zelândia por 35-24 numa final electrizante.

Ver classificação final: https://www.world.rugby/sevens-series/standings/mens


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter