NFL Draft 2019: 5 escolhas que nos surpreenderam

Miguel Veloso MartinsAbril 28, 20193min0

NFL Draft 2019: 5 escolhas que nos surpreenderam

Miguel Veloso MartinsAbril 28, 20193min0
O NFL Draft de 2019 chegou ao fim. Naquela que foi uma das primeiras rondas mais loucas dos últimos anos, falamos das 5 escolhas que mais nos surpreenderam!

 

Oakland Raiders: DE Clelin Ferrell

O Draft parecia estar a prosseguir como previsto: Kyler Murray, Nick Bosa, Quinnen Williams, … Clelin Ferrell? Com a quarta escolha no Draft, os Raiders escolherem um jogador que poucos falavam. Podem procurar por “Clelin Ferrell” em qualquer um dos nossos Mock Drafts, ele não está lá. A nossa previsão foi Josh Allen (que iremos falar mais tarde).

Os Raiders precisavam urgentemente de um novo edge rusher, mas Ferrell nunca foi uma opção falada. Ferrell recebeu o prémio ACC Defensive Player of the Year no ano passado e foi nomeado como um All-American. Clelin Ferrell é sem dúvida um bom jogador, mas será merecedor de uma escolha tão alta?

 

New York Giants: QB Daniel Jones

Já se tinham ouvido rumores de que os Giants não eram grandes fãs de Dwayne Haskins, tendo circulado alguns rumores que os Giants iriam escolher outra posição. Kyler Murray foi a primeira escolha no Draft, tornando claro para a maior parte que os Giants iriam selecionar Haskins ou um defesa. Com a sexta escolha, os Giants escolheram Daniel Jones e toda a fanbase ficou em silêncio.

Não estou a querer dizer que Daniel Jones é de todo um mau jogador, mas, quando olhamos para o talento que ainda estava disponível, escolher Jones com a sexta escolha é desperdiçar todo o valor daquela posição privilegiada. O QB de Duke com certeza estaria disponível nas suas outras duas escolhas da primeira ronda.

 

Jacksonville Jaguars: DE Josh Allen

O mais surpreendente nesta escolha é o facto de Josh Allen ter caído até à sétima escolha. Os Jaguars tiveram a sorte de ter um dos melhores prospects a cair-lhes aos pés. Allen é um jogador que merecia ser escolhido no Top 5.

Os Jaguars juntam um dos melhores jogadores deste Draft a uma linha defensiva já carregada de estrelas. Isto prova a empenho por parte do front office em manter este grupo dominante em longo termo, não apenas no presente.

Como muitos dos scouts e medias, nós prevemos que Jawaan Taylor seria a escolha dos Jaguars. Taylor acabou por cair para os Jags na segunda ronda, algo que se assemelha ao que aconteceu no Draft de 2016, quando os Jaguars escolheram Jalen Ramsey e Myles Jack nas primeiras duas rondas. Os Jaguars apenas podem estar contentes com aquele que foi um dos melhores drafts deste ano.

 

Green Bay Packers: DE Rashan Gary

No nosso Mock Draft, prevemos que Rashan Gary seria escolhido em décimo-oitavo. A razão para o termos colocado nesta posição foi a sua falta de produtividade no futebol americano universitário. Os Green Bay Packers mostraram que não tinham medo de arriscar e Gary foi selecionado com a décima-segunda escolha.

Gary é um dos jogadores mais talentosos no Draft e o seu potencial é fora do normal, mas é também um dos mais raw. O staff dos Packers deverá pôr as mãos à obra para acelerar o desenvolvimento de Gary. Irá o jogador de Michigan tornar-se numa estrela ou num bust?

 

Houston Texans: T Tytus Howard

Com o desejado T Andre Dillard a ser selecionado pelos Eagles na escolha anterior, os Texans precisavam de escolher o seu novo Tackle. Na vigésima-terceira escolha do Draft, os Texans escolheram Tytus Howard.

Howard foi para nós uma das escolhas mais questionáveis no Draft. Jawaan Taylor, Cody Ford e Dalton Risner ainda estavam disponíveis. Os Texans obviamente procuravam um jogador que pudessem desenvolver, mas esta decisão não faz muito sentido quando três jogadores de elite ainda estão disponíveis. Apenas o tempo dirá como Howard irá jogar na liga.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter