NFL: 5 Histórias Marcantes na Free Agency de 2020

Miguel Veloso MartinsAbril 5, 20209min1

NFL: 5 Histórias Marcantes na Free Agency de 2020

Miguel Veloso MartinsAbril 5, 20209min1
Março foi um mês atarefado para os franchises da NFL. Este ano tivemos algumas das movimentações de mercado mais estranhas da história da liga americana. Descobre quem foram alguns dos vencedores e derrotados desta offseason.

(Arte de capa – Cortesia: ESPN.com)

 

Nova Era dos Buccaneers

O que os Tampa Bay Buccaneers de Bruce Arians fizeram esta offseason vai ficar marcado nos livros de história da NFL. Tom Brady, um dos melhores QBs de sempre (senão mesmo o melhor) assinou pela equipa da Flórida. A lendária estrela da liga teve a sua estreia com os New England Patriots, uma equipa que acreditou no seu potencial quando nenhuma outra equipa da NFL o fez. Agora com mais anéis de campeão do que trinta franchises da liga (os Steelers e os Patriots têm seis troféus também), Brady decidiu procurar uma nova casa em 2020. Depois longos meses de especulação, Tampa Bay tornou-se o novo poleiro do número doze.

Depois de uma temporada medíocre em 2019, os Buccaneers têm agora a possibilidade de voltar aos playoffs pela primeira vez desde 2007. Sendo de lembrar que este é o segundo ano de Bruce Arians como treinador da equipa e desde a sua chegada ao franchise que esta parece revitalizada. Jameis Winston teve uma das piores temporadas da sua carreira em 2019 e a sua “era” em Tampa Bay terminou com a chegada de Brady. Agora um plantel com dois WRs de elite e uma defesa promissora, tem um QB em quem podem confiar. Este poderá ser o melhor duo de receivers com quem Tom Brady jogou desde Randy Moss e Wes Welker. Brady tem todas as ferramentas para tornar o ataque dos Bucs num dos melhores da NFL.

Os Tampa Bay Buccaneers têm também bastante capital no Draft, que poderão investir para melhorar a sua linha ofensiva e a defesa. Como se os melhoramentos em campo não fossem suficiente, Tampa Bay está a atrair mais interesse da comunidade e dos media. Os Buccaneers estão a vender bilhetes em tempo recorde e a ser cada vez mais falados nas notícias e redes sociais. Isto é sem dúvida uma vitória para a equipa da Flórida.

 

Houston, temos um problema

Já sabíamos que Bill O’Brien era melhor treinador do que general manager, mas isto é um desastre. Os Texans fizeram talvez uma das piores trocas na história da NFL. O’Brien trocou um dos melhores WRs da última década, DeAndre Hopkins, pelo RB David Johnson, uma escolha de segunda ronda no Draft deste ano e uma escolha de quarta ronda no próximo ano. Esta troca é um desastre e esta crítica vem de um adepto dos Jaguars. O’Brien não só mandou embora um dos seus melhores jogadores, que estava a ajudar imenso o seu jovem QB, como recebeu uma ninharia em retorno.

Se esta troca tivesse sido feita em 2016, eu diria que isto foi um ótimo negócio, mas David Johnson já não é o mesmo jogador desde essa temporada. Johnson ia muito provavelmente ser despedido antes sequer da temporada começar. Agora os Texans recebem o grande contrato de um RB que é uma sombra do que foi no passado. Há hipótese que David Johnson melhore esta época? Talvez, mas vale a pena perder a grande estrela da equipa por um jogador que já viu melhores dias? Claro que não.

Sabemos que Bill O’Brien e DeAndre Hopkins não tinham uma boa relação, mas isso não significa que O’Brien não conseguiria tentar fazer uma troca muito melhor. Hopkins merecia uma trade digna do seu nível de jogo. Os Minnesota Vikings receberam muito mais na troca do Stefon Diggs, que não está no top 5 dos melhores da sua posição. Os Texans claramente perderam o negócio, assim como a confiança dos seus adeptos com apenas uma decisão.

 

Arizona Cardinals prontos para os playoffs?

Os Cardinals são os verdadeiros vencedores da troca de DeAndre Hopkins. Só com esta troca o franchise de Arizona já se tornou num plantel muito melhor do que na temporada passada. Os Arizona Cardinals tinham um ataque extremamente atraente em 2019, mas agora as expectativas estão ainda mais elevadas. O treinador Kliff Kingsbury tem DeAndre Hopkins e Larry Fitzgerald ao seu dispor para transformar a sua versão do ataque Air Raid num grande sucesso. Os Cardinals provam mais uma vez aos adeptos que valorizam Kyler Murray e querem fazer tudo para que este tenha sucesso (ao contrário de uma certa equipa de Houston). Depois de um primeiro ano impressionante, Murray ainda tem muito para melhorar.

Este poderá ser o ano de Murray e dos Cardinals, agora com a ajuda de um dos melhores WRs da NFL. Arizona tem um ataque dinâmico que é simpático para as suas linhas ofensivas, mesmo assim ainda têm de resolver alguns problemas na sua linha, sendo quase garantido que a equipa selecione um OL com oitava escolha do Draft. Os Cardinals mantiveram um dos seus OLs de maior impacto, D.J. Humphries, e tudo indica que o franchise esteja à procura de reforçar o grupo este ano. Para tornar o ataque ainda mais interessante, Kenyan Drake será oficialmente o RB titular este ano, agora que David Johnson está em Houston.

Para além do impacto de Hopkins, os Cardinals adicionaram Chris Streveler ao seu plantel. Como adepto da CFL, esta contratação deixou-me extremamente entusiasmado para ver aquilo que Arizona vai fazer em 2020. Streveler ganhou a mais recente Grey Cup com os Winnipeg Blue Bombers e é um daqueles QBs “híbridos” que muitas vezes combate por jardas na corrida como um RB. Apesar do jogador não ter sido o QB titular, a sua versatilidade e atleticismo tornam-no num atleta de enorme impacto. Streveler tem o potencial de ser o próximo Taysom Hill. Mal posso esperar por ver como Kliff Kingsbury vai utilizar todas estas peças no ataque este ano.

 

Mais um QB questionável em Chicago

Os Chicago Bears trocaram uma escolha de quarta ronda no Draft por Nick Foles dos Jacksonville Jaguars. Como adepto dos Jaguars, fico muito contente com esta troca e com a demonstração de confiança em Gardner Minshew. Como adepto neutro, acho que os Bears cometeram um grande erro. Segundo o insider Ian Rapoport, os Bears podiam ter feito uma troca semelhante com os Carolina Panthers por Cam Newton, mas decidiram não o fazer. Se a equipa tivesse esperado que este chegasse ao mercado como FA ou tivesse feito a troca, teriam um QB que poderia mudar tudo em Chicago.

Nick Foles foi campeão com os Philadelphia Eagles em 2018. No ano seguinte, mudou-se para os Jacksonville para liderar os Jaguars e perdeu o seu lugar como titular para o rookie Gardner Minshew. De mencionar que Minshew teve um ano de sonho para um QB rookie, mas Foles provou que não merecia o valor exorbitante do seu contrato. Posso estar errado e Foles pode acabar por “ressuscitar” mais uma vez a sua carreira com os Bears, mas depois de 2019 não sinto confiança no veterano para acreditar neste cenário.

Em termos de outras movimentações, os Bears pagaram demasiado por Jimmy Graham. Graham já foi um dos melhores TEs da NFL, mas o jogador está totalmente fora do prime. A cara da linha ofensiva de Chicago, Kyle Long, reformou-se esta offseason e a equipa ainda não encontrou um bom substituto para a posição. O único lado relativamente positivo da offseason para os Bears será talvez a sua defesa. Apesar de terem perdido bastantes peças importantes, adicionaram DE Robert Quinn e conseguiram manter Danny Trevathan e Eddie Jackson. A sua defesa deverá continuar a ser um grupo dominante que vai manter Chicago em jogo na maior parte da temporada.

 

Serão os Bills os novos reis da AFC East?

Os Buffalo Bills tiveram uma ótima presença no mercado em 2019 e foram recompensados com uma presença no playoffs. Este ano os Bills colocaram a prioridade em ajudar Josh Allen e resolveram o problema rapidamente. Buffalo ofereceu aos Minnesota Vikings três escolhas para o Draft deste ano (na primeira, quinta e sexta ronda) e uma para 2021 (quarta ronda), em troca de Stefon Diggs e uma escolha de sétima ronda. Stefon Diggs chega a um plantel dos Bills com esperanças de ir muito longe este ano.

Josh Allen agora tem um WR de elite em quem poderá confiar em qualquer situação de jogo. Para além da adição de Diggs, o treinador Sean McDermott tem também à sua disposição imensas armas para a sua defesa. McDermott volta a treinar Vernon Buttler, Josh Norman, A.J. Klein e Mario Addison pela primeira vez desde 2016. Uma defesa com Ed Oliver ao lado de Vernon Butler e Quinton Jefferson, vai ser uma das linhas defensivas mais assustadoras da NFL. Os Bills asseguram ainda a manutenção de uma linha ofensiva de qualidade, trazendo Quinton Spain com um contrato bastante simpático para a equipa.

Os Bills agora não têm uma escolha de primeira ronda no Draft este ano, no entanto a equipa conseguiu cobrir grande parte das suas necessidades na free agency. Buffalo precisava de adicionar mais jogadores na linha ofensiva e a cornerback, resolvendo essas necessidades contratando Daryl Williams e E.J. Gaines, respetivamente. A equipa não precisa de nada especificamente, sendo que, deverá procurar adicionar mais profundidade a posições mais caras com jogadores jovens. Os Buffalo Bills tiveram uma free agency fantástica que agora deve ser complementada com um Draft onde a prioridade deverá ser adicionar o melhor jogador disponível.

 

Como foi a Free Agency da tua equipa favorita?


One comment

  • Nara

    Abril 9, 2020 at 5:09 pm

    👍🏻👍🏻👍🏻

    Reply

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter