NFL: Os rookies atacantes que se destacaram no primeiro quarto da NFL

Miguel Veloso MartinsOutubro 9, 20207min0

NFL: Os rookies atacantes que se destacaram no primeiro quarto da NFL

Miguel Veloso MartinsOutubro 9, 20207min0
Neste primeiro quarto da temporada da NFL em 2020, temos visto um crescente número de rookies titulares com grande impacto nos jogos. Esta semana, o FairPlay destaca quatro novatos de quatro diferentes posições atacantes que têm feito a diferença em campo.

Justin Herbert, QB – Los Angeles Chargers

Neste artigo apenas queríamos destacar um atleta por posição. Este desafio tornou-se real no momento que tentámos decidir quem foi o melhor QB rookie até agora. Justin Herbert ou Joe Burrow? E assim começa a polémica: a minha escolha foi Justin Herbert.

Ambos têm jogado de forma fenomenal em situações bastante diferentes. Se olharmos para o que Justin Herbert tem à sua disposição, é um milagre que o rookie esteja a jogar tão bem. Herbert tem jogado atrás de uma linha ofensiva que não o tem colocado em posição para ter sucesso e mesmo assim tem conseguido criar ótimos resultados.

Justin Herbert não foi preparado para imediatamente entrar em campo como titular, esse papel estava nas mãos de Tyrod Taylor. Ao contrário de Joe Burrow, o plano dos Chargers para Herbert era que este aprendesse na sideline antes de receber a titularidade. Com Taylor fora das contas dos Chargers devido a um pulmão perfurado, a titularidade foi dada a Justin Herbert poucos minutos antes do jogo. 

Herbert estreou-se contra os atuais campeões Kansas City Chiefs e levou o jogo a prolongamento. Se compararmos os adversários dos dois rookies, Burrow não tem defrontado equipas difíceis (Chargers, Browns, Eagles e Jaguars). No entanto, Justin Herbert entrou em campo e foi obrigado a jogar contra os Chiefs, os Panthers e Buccaneers. Todas estas equipas provavelmente vão estar presentes nos playoffs.

No final, tratou-se de uma decisão que dependeu mais do talento disponível e dos adversários defrontados do que das estatísticas. A diferença entre Joe Burrow e Justin Herbert é muito pequena, mas temos de valorizar o trabalho de Herbert tendo em conta as limitações.

 

CeeDee Lamb, WR – Dallas Cowboys

2020 trouxe-nos talvez um dos melhores grupos de wide receivers novatos da história do NFL Draft. Nesta rookie class era difícil identificar um claro favorito. CeeDee Lamb era um dos WRs mais falados para ser selecionado no Top 10. No entanto, na noite do NFL Draft, o primeiro receiver a ser chamado ao pódio virtual apenas apareceu na 12ª escolha e não foi Lamb. 

Os Las Vegas Raiders selecionaram Henry Ruggs com a 12ª escolha do Draft. Na 15ª escolha, foi a vez de Jerry Jeudy receber uma chamada dos Denver Broncos. Finalmente, CeeDee Lamb caiu no colo de Jerry Jones e dos Dallas Cowboys. Uma escolha fácil para uma equipa com um QB que tem provado ser um verdadeiro gunslinger.

Os Dallas Cowboys apresentaram mais uma vez um ataque extremamente explosivo e eficiente. Dak Prescott e os Cowboys têm o melhor ataque aéreo da NFL. CeeDee Lamb lidera a rookie class de 2020 com 21 receções. O rookie ainda não deixou cair um passe. Lamb acumulou 309 jardas recebidas (ficando apenas atrás de Justin Jefferson entre os rookies) e 2 touchdowns em 4 jogos.

Devido ao nível de talento que entrou este ano para a NFL nesta posição, vários jogadores estão a apresentar ótimos resultados. Vai ser extremamente divertido acompanhar o desenvolvimento de CeeDee Lamb e do resto dos WRs rookies, no decorrer da temporada de 2020.

 

James Robinson, RB – Jacksonville Jaguars

James Robinson foi sem dúvida a maior surpresa desta rookie class. Não existe sequer um debate. Robinson não era um jogador falado pelos media e ninguém, para além de adeptos dos Illinois State Redbirds e da Missouri Valley Football Conference, conhecia o talento do jovem RB. James Robinson não foi sequer selecionado no NFL Draft. Os Jacksonville Jaguars ofereceram um contrato de três anos e a expectativa era que Robinson adicionasse profundidade à posição de RB.

Depois de um training camp promissor, o seu antecessor em Jacksonville, Leonard Fournette, foi dispensado da equipa. James Robinson acabou por se tornar o titular. O rookie recebeu bastantes elogios por parte dos seus colegas de equipa e foi se gerando entusiasmo entre a comunidade para sua estreia.

Nos quatro jogos de James Robinson, este tem-se provado melhor do que o esperado e também tem sido visto como um upgrade de Fournette. Robinson já acumulou 285 jardas em corrida com uma média fenomenal de 4.8 jardas por corrida e 3 touchdowns. O rookie também se provou uma arma mortífera no ataque aéreo tendo já arrecadado 161 jardas em 14 receções. 

A visão e paciência de James Robinson tem sido o seu fator mais valorizado. Este tem demonstrado a sua capacidade de ler uma defesa e encontrar espaços. A presença do rookie no ataque de Jacksonville tem sido um dos pontos mais fortes do plantel este ano. 

 

Tristan Wirfs, OT – Tampa Bay Buccaneers

À semelhança do caso de CeeDee Lamb, Tristan Wirfs foi selecionado abaixo da escolha esperada. Com a 14ª escolha do NFL Draft, os Tampa Bay Buccaneers selecionaram Tristan Wirfs. Wirfs foi o 4º offensive tackle a ser selecionado, depois dos Giants, Browns e Jets terem escolhido outros prospects.

Todos se têm provado como ótimos OTs numa liga onde a posição é cada vez mais importante, mas Wirfs é facilmente o maior destaque do grupo. Tristan Wirfs enfrentou alguns dos melhores DEs da NFL e tem sido dominante. O rookie estreou a sua carreira contra os Saints e Cam Jordan, num jogo em que já parecia jogar como um veterano. O mesmo ocorreu nos jogos seguintes contra Broncos e Panthers. A sua performance mais impressionante surgiu na semana passada contra os Chargers. Joey Bosa foi neutralizado pelo rookie.

O novato joga como se este não fosse o seu primeiro ano na NFL. Wirfs tem um tamanho que intimida qualquer defesa, aliado com a sua força e equilíbrio, que o tornam uma barreira quase inquebrável.

 

Quem vai ser o Rookie do Ano em 2020?


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter