Nikola Jokic, o unicórnio sérvio que está a transformar a NBA

Rui MesquitaJaneiro 13, 20196min0

Nikola Jokic, o unicórnio sérvio que está a transformar a NBA

Rui MesquitaJaneiro 13, 20196min0
Nikola Jokic lidera os Denver Nuggets numa temporada de sucesso mas conseguirá o sérvio transformar a NBA?

Unicórnios e o mais recente e poderoso

Quando falamos de unicórnios na NBA, Jokic não é o primeiro nome que surge na cabeça da maioria dos adeptos e analistas. Porzingis, Karl-Anthony Towns, Embiid, Anthony Davis e Giannis Antetokounmpo são os nomes mais consensuais. Mas o que são unicórnios?

Unicórnios são jogadores fisicamente dotados para jogarem posições de poste (center) mas com habilidades de base. Todos os jogadores mencionados têm altura e, na sua maioria, físico para se baterem com os postes da liga. E todos eles têm habilidades caraterísticas de bases: lançam bem do exterior, conseguem driblar e produzir jogadas melhor que ninguém.

Nesta definição, Nikola Jokic tem, hoje, que ser considerado um unicórnio. O poste dos Denver Nuggets tem 2,13 m e 113 kg e, apesar de, defensivamente ter algumas limitações, consegue aguentar-se debaixo do cesto, mas ofensivamente é demolidor. O sérvio não é um lançador nato, não tem o melhor jogo de costas para o cesto nem é poderoso no ataque ao cesto. Então o que faz dele uma arma tão transformadora? A sua capacidade de construir.

Giannis e Jokic são dois europeus a dominar a NBA (Foto: Milwaukee Journal Sentinel)

Jokic tem 7,5 assistências por jogo (APG), um número abismal para um poste. Mas mais do que conseguir assistências, importa a forma como isso afeta o jogo dos Nuggets. Jokic é o centro da ofensiva da equipa de Denver. Seja com handoffs para um companheiro, um screen em que deixa um colega sozinho na linha de triplo ou com passes impossíveis para alguém aberto, o sérvio faz tudo. A sua qualidade de passe é assustadora e a forma como a ofensiva de Mike Malone tem aproveitado isso é perfeita. 3 ou 4 jogadores sempre a correr sem bola e a cortar para o cesto e para fora dele, sempre à espera do passe na altura certa. E com a bola nas mãos de Jokic, esse passe entra quase sempre.

Limitações e como as contornar

A limitação mais óbvia de Jokic é a sua defesa. Apesar de os Nuggets serem 10º em defensive rating, a contribuição da sua estrela não é satisfatória. Jokic ganha ressaltos, faz o que pode debaixo do cesto mas o seu físico não permite duelos com alguns dos postes mais fortes da liga. Também em screens do adversário Jokic tem mostrado dificuldades, principalmente em trocas para adversários menores.

Neste aspeto, há que dar mérito a jogadores como Paul Millsap e Mason Plumlee. Estando um deles em jogo, as fragilidades de Jokic ficam disfarçadas pela qualidade defensiva destes dois jogadores. Para além disso, o sistema de Mike Malone defensivamente funciona muito bem, disfarçando lacunas e diminuindo os mismatches, principalmente para Jokic.

Apesar disso, Jokic lidera a equipa em roubos de bola, graças à sua capacidade de ler o jogo adversário e antecipar jogadas. Isto permite aos Nuggets jogar em transição e apesar da sua “lentidão”, Jokic é muito forte neste jogo. Passes no tempo certo para quem corta para o cesto ou chega à linha de triplo ou ataques ao cesto bem conseguidos.

Mike Malone é um dos responsáveis pelo excelente sistema que ajuda a qualidade de Jokic (Foto: Denver Stiffs)

Uma das poucas limitações ofensivas do sérvio é a capacidades de pontuar. Está a ter a pior percentagem de acerto de triplos da carreira (31,4%) e tem 19,2 pontos por jogo (PPG). É o melhor marcador da equipa, mas é apenas o 36º melhor da liga. Sendo um dos melhores jogadores da liga, é incompreensível a incapacidade de assumir mais lançamentos e, claro, conseguir marcar a uma percentagem mais elevada.

Assim, os aspetos a melhorar dependem exclusivamente do jogador. Não há nada que o sistema e a equipa possam dar mais a Jokic. O sérvio tem que melhor o aspeto físico e capacidade defensiva e melhor o seu lançamento, principalmente de triplo.

O presente e a transformação da liga

Os Nuggets são líderes no Oeste à frente dos Warriors e a liderança parece ser para manter. A equipa de Denver ainda não teve toda a equipa disponível (problemas com lesões) e com o regresso de alguns jogadores importantes, a qualidade só pode subir.

Mas o que importa na NBA é o que uma equipa faz nos playoffs! Conseguirá esta equipa chegar longe na post season? Há quem defenda que são uma equipa de fase regular e que em séries de 7 jogos não terão muito sucesso.

Mas é empolgante pensar no que Jokic poderá fazer nesses jogos. A sua capacidade de transformar o jogo e criar problemas às defesas contrárias pode sobressair ainda mais. Poucas defesas terão a capacidade de se adaptar a um jogador tão versátil na construção de jogo. A sua altura permite ver o jogo “de cima”, descobrindo passes e jogadas que mais ninguém vê.

Jokic, aos 23 anos, tem uma margem de progressão abismal. Trabalhando nos pontos fracos acima mencionados, pode facilmente tornar-se um dos jogadores mais valiosos da liga.

Há demasiado tempo que um poste não tinha esta capacidade de passe e de leitura de jogo. Numa liga cada vez mais de bases, um unicórnio destes pode transformar a NBA. Pode transformar a liga pela novidade na ofensiva que representa e pelos ajustes que são necessários para defender contra isso.

Outros unicórnios estão já a transformar a liga. Giannis e Davis são forças imparáveis que qualquer defesa tem dificuldade em abrandar. Jokic traz uma diferença ao jogo. O sérvio não é possante mas faz coisas que não é suposto fazer com 2,13 m! Até onde pode ir e até onde pode levar os Nuggets? O limite não existe e, a continuar assim, tem potencial para mudar a NBA como a conhecemos hoje!


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter