Neemias Queta: o início de uma história bonita ou fogo de vista?

João FerreiraAgosto 17, 20214min0

Neemias Queta: o início de uma história bonita ou fogo de vista?

João FerreiraAgosto 17, 20214min0
O poste português está à procura de um lugar ao "sol" e João Ferreira explica o que será o futuro próximo de Neemias Queta na NBA

Finalmente. É a palavra que me ocorreu quando ouvi o nome de Neemias Queta a ser chamado na 39ª posição do Draft. Pensar que, depois de Ticha Penicheiro na WNBA, vamos ter finalmente um jogador que irá representar as cores nacionais além-fronteiras na melhor liga de basquetebol do mundo.

Um sonho tornado realidade para os adeptos da modalidade em Portugal, mas também para o próprio jogador que, depois de jogar no Barreirense e no Benfica, partiu em busca do sonho americano, na Faculdade de Utah, onde figurou durante 3 anos, e onde foi um pilar defensivo, sendo neste momento, o melhor bloqueador da história dos Aggies, e uma grande fonte de rendimento ofensivo, estando no top-30 de melhores marcadores de sempre da Universidade.

Estes dados fizeram com que Sacramento olhasse para o poste como um potencial em crescimento e um jogador em que Sacramento poderá apostar nos próximos tempos para apostar numa posição que, nos últimos anos, tem sido bastante débil.

Neemias Queta irá, neste momento, enfrentar um pau de dois bicos.

Por um lado, vive claramente a melhor fase da sua vida. Foi escolhido para um franchise que figura na NBA, ganhou uma conotação monstruosa e, por incrível que pareça, colocou os meios de comunicação social portugueses a falarem cada vez mais sobre a NBA e sobre a Summer League (competição que decorre neste momento e onde Neemias figura com outros jovens, quase como se fosse uma pré-época para os rookies).

Nesta Summer League, tem sido uma agradável surpresa. Com 21 minutos de média por jogo, o poste luso tem tido oportunidade para mostrar os 2,13 metros ao dispor da equipa. Com 1.25 bloqueios por jogo (estatística bastante interessante para um rookie) e com 6 pontos por jogo (tendo em conta a transformação que o jogo levou nos últimos anos, é natural que um poste que não venha muito fora do garrafão tenha acesso a bolas sem ser para fazer o trabalho de poste, a encostar no defesa contrário). Para um poste, a estatística de ressaltos é claramente um handicap, tendo 4.4 ressaltos por jogo, o que revela alguma debilidade de posicionamento e de controlo de trajetória de bola.

Apesar da Summer League muito interessante, Neemias Queta não deve ir parar, para já, à NBA. Quando foi escolhido, o português era o segundo poste da equipa da NBA, apenas atrás de Richaun Holmes e com boas perspetivas de entrar na rotação da equipa durante a época regular.

A verdade é que a free agency não correu bem para o poste luso, que viu chegar a Sacramento Tristan Thompson, poste cotado e já campeão da NBA, e Alex Len, poste já calejado nas andanças da NBA, com uma carreira já longa.

São já 5 postes, acrescentando, ainda, Damian Jones.

Esta conjetura faz, neste momento, com que Neemias seja claramente o último poste na hierarquia dentro da equipa e tenha de ir rodar para a G-League, liga de desenvolvimento, onde os franchises colocam todos os jogadores nos quais acreditam, mas que por uma razão ou outra, ainda não têm capacidade para entrar no ritmo da NBA.

O antigo jogador dos Utah State irá crescer, claro que sim, mas nestes primeiros tempos, o mais provável é que as ânsias dos adeptos portugueses terão de ser postas um pouco no congelador até daqui a um/dois anos, até tendo em conta que os postes da equipa de Sacramento já não vão para novos e, assim, Sacramento até pode colocar mais esperanças em Neemias.

Outro fator a favor do português é que Sacramento, nos últimos anos, tem apostado claramente nos mais jovens, de forma a captar mais talento, com uma média de idades mais jovem.

Todos estes fatores fazem-nos crer que Neemias Queta poderá ter sucesso na NBA, principalmente no franchise que o escolheu, apesar do poste português ainda precisar de melhorar na sua colocação debaixo do cesto defensivo e tem de começar a treinar o seu lançamento de 3 pontos para que se torne uma

 


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter