As 5 maiores rivalidades da história da NBA

Rui MesquitaFevereiro 13, 201913min0

As 5 maiores rivalidades da história da NBA

Rui MesquitaFevereiro 13, 201913min0
As maiores rivalidades do basquetebol! De Jordan a Wilt Chamberlain, descobre as melhores histórias entre rivais na NBA!

A NBA está cheia de rivalidades entre jogadores e é alimentada por elas. Hoje vemos rivalidades como Westbrook vs Durant, LeBron vs Curry, que não são nada quando comparadas com as maiores rivalidades da história da Liga. A NBA está diferente, menos física, mais protetora e calma. Não vemos tantas discussões entre jogadores (dentro ou fora de campo) e o clima entre as principais estrelas é amigável e sem grande rivalidade.

Mas antes deste clima, nos saudosos anos 80 e 90, a crispação reinava entre os principais jogadores da Liga e ainda bem. A NBA alimentou-se dela e cresceu com ela e, num dos casos, salvou-se graças a ela. As 5 maiores rivalidades (na nossa opinião), encontram-se abaixo, e temos de tudo! Discussões entre postes, lutas de wrestling, afastamentos de equipas olímpicas e muito mais!

5º – Patrick Ewing vs Hakeem Olajuwon

Esta foi a última grande rivalidade entre postes da NBA. Não é comum termos dois big men dos melhores da história com carreiras tão semelhantes e interligadas. Ewing e Olajuwon entraram na NBA com um ano de diferença depois de serem rivais no basquetebol universitário.

Olajuwon entrou na NBA no ano de 1984, selecionado pelos Houston Rockets e Ewing entrou no ano seguinte, selecionado pelos New York Knicks. Numa altura em que a NBA era dominada por postes fortes e talentosos, as duas equipas entraram, cada uma, numa das eras mais entusiasmantes da sua história.

Os dois tornaram-se rapidamente os postes mais importantes de cada conferência. Ewing encontrou o seu grande obstáculo ao sucesso nos Bulls de Michael Jordan. Os seus Knicks perderam por 4 vezes com os Bulls e apenas com Jordan fora da Liga conseguiram chegar às Finais da NBA. Aconteceu em 1994 e 1998.

Olajuwon foi encontrando desafios no Oeste mas conseguiu por 3 vezes chegar às Finais. Perdeu a primeira em 1986 para os Celtics de Larry Bird e voltou às Finais nos dois anos em que Jordan esteve fora da Liga.

Duas lendas da NBA (Foto: PaperCity Magazine)

A rivalidade entre os dois postes atingiu o pico na final de 1994. Olajuwon chegava à sua segunda final e procurava o primeiro título. Ewing entrava nas Finais pela primeira vez numa oportunidade de ouro por não haver Jordan no Este. A série foi a jogo 7 e ficou provado que Olajuwon estava uns furos acima de Ewing. Hakeem foi sempre mais dominador nos confrontos 1×1 e adaptou-se extremamente bem aos diferentes defensores que os Knicks usaram contra ele.

Esta rivalidade foi, ao contrário de algumas que veremos abaixo, puramente desportiva e competitiva. Entra para 5º lugar por ser tão rara uma rivalidade tão saudável e entre duas lendas com um percurso tão comparável. Venceram os Rockets e venceu Olajuwon.

4º – Dennis Rodman vs Karl Malone

Karl Malone entrou na NBA um ano antes de Dennis Rodman. Malone entrou para os Jazz e Rodman para os Pistons. A rivalidade entre ambos sempre foi animada, como esperado. Dois power forwards muito físicos e competitivos animavam todos os confrontos entre Utah e Detroit.

Rodman sempre foi conhecido pela sua defesa. Não é à toa que foi o melhor defensor da Liga em dois anos e fez parte do melhor 5 defensivo do ano em 7 épocas. Malone sempre foi bom defensor, mas era maioritariamente um jogador ofensivo. 2 prémios de MVP, 11 nomeações para all-NBA team e 14 nomeações para o all-star game provam isso mesmo.

Intensidade em estado puro (Foto: YouTube)

Dois jogadores de topo na Liga, dos mais competitivos que a NBA já viu! Mas a rivalidade atingiu o pico em 1997 e 1998. Rodman já estava nos Chicago Bulls com Jordan e Pippen e Malone tinha Stockton nos Jazz. As duas equipas encontraram-se dois anos seguidos nas finais da NBA e os Bulls venceram nos dois anos. É certo que a equipa de Chicago era mais completa e talentosa mas, para além do show de Jordan, o duelo Rodman-Malone foi o grande espetáculo.

Malone era a principal arma dos Jazz e, por isso, os Bulls puseram o seu melhor defensor a marcar o Mailman. Vimos momentos intensos nessas duas séries em que os Bulls venceram 4-2. Rodman ofensivamente foi quase inexistente, mas defensivamente limitou o impacto de Malone e ajudou à vitória dos Bulls.

Depois da segunda final, Malone e Rodman lutaram num ringue da WWE (vídeo abaixo)! Com Dallas Page e Hulk Hogan, as duas estrelas da NBA entraram no espetáculo do wrestling que animou ainda mais a rivalidade já quente entre ambos.

3º – Bill Russell vs Will Chamberlain

São dois dos melhores e mais emblemáticos postes da história da NBA. Bill Russell é o maior ganhador deste desporto: 11 campeonatos e 5 prémios de MVP em 13 épocas! Em apenas 2 épocas Russell não foi campeão da NBA. Do outro lado, Wilt Chamberlain é uma das maiores lendas da NBA e o maior recordista desta liga.

Quando Wilt entrou na NBA já Russell tinha 3 épocas e 2 títulos conquistados. A chegada de um poste mais alto, mais forte, tão ou mais talentoso parecia ameaçar a hegemonia dos Celtics. Os números apresentados acima mostram o contrário, a chegada de Wilt só melhorou o jogo e a capacidade de ganhar de Russell.

11 anéis vs 100 pontos num só jogo. Qual o melhor? (Foto: Celtics Brasil)

Individualmente, Wilt sempre foi superior ao seu adversário. Mesmo nos confrontos entre os dois, Chamberlain teve quase 30 pontos por jogo e 28 ressaltos por jogo! Ainda assim, Russell venceu quase sempre. Os Celtics nem sempre tinham melhor equipa mas Russell sempre fez o necessário para ganhar, esquecendo o seu reconhecimento pessoal. Nesse tempo, Russell era o único capaz de abrandar o domínio de Wilt e apenas em 1967 os 76ers conseguiram vencer os Celtics. Nessa série Wilt venceu em 5 jogos e conseguiu o seu primeiro título numa final contra os San Francisco Warriors.

Depois da saída de Russell, 11 títulos depois, Wilt venceu mais 1 campeonato com os Lakers e venceu, na sua carreira, 4 prémios de MVP.

Os dois jogadores eram amigos e foram-no até à final de 1969 onde, depois de uma lesão de Wilt, Russell teceu alguns comentários críticos sobre o amigo. 20 anos sem falarem até que Bill pediu desculpa e os dois reergueram a amizade entre dois dos maiores competidores da história do desporto.

Os dois jogadores falam sobre a sua rivalidade no vídeo abaixo.

2º – Michael Jordan vs Isiah Thomas

Uma das mais acesas e mediáticas rivalidades do mundo do desporto e uma das mais intensas da NBA. A rivalidade ultrapassa os dois jogadores e vai até às equipas de ambos, os Pistons e os Bulls.

Tudo começou nos playoffs de 1988 nas meias-finais da Conferência Este que colocou as duas equipas frente a frente. Michael Jordan estava na sua terceira época na NBA, venceu o seu primeiro MVP e DPOY e estava pronto para atacar o seu primeiro título. Do outro lado, os Bad Boys de Detroit. Thomas, Rodman e companhia impuseram a sua defesa de elite e venceram Jordan em 5 jogos e só perderam na final para os Lakers de Magic e Byron Scott. Aí começou a rivalidade entre ambas as equipas.

A rivalidade entre os dois jogadores foi, em grande parte, assente nas suas equipas. Jordan e Thomas eram os líderes dos seus grupos e elevaram a rivalidade ao topo. Depois desse confronto, as equipas encontraram-se em mais 3 séries de playoffs nos 3 anos seguintes. Os Pistons venceram 2 (fazendo 3 seguidas) e perderam a última por 4-0, na primeira caminhada dos Bulls para o título. Os confrontos foram agressivos, os Pistons apostavam nessa agressividade para limitar a ofensiva de Jordan e conseguiram-no até esse ano de 1991.

Nesse ano a qualidade de Jordan e Pippen impuseram-se aos Pistons e isso marcou a última corrida de Thomas perto do título. 3 anos depois Isiah deixou a liga e Jordan ainda venceu mais 5 títulos. Mas 4 séries de playoffs criam tanto atrito entre dois jogadores? Porquê?

Uma das rivalidades mais acesas do mundo do desporto (Foto: Black Sports Online)

O “ódio” de Thomas vem do facto de ter nascido em Chicago. Desde sempre sonhou ser a cara dos Bulls e, por isso, ver o melhor de todos os tempos brilhar na sua cidade natal mexeu com Isiah. Ver a sua cidade rendida ao seu rival fê-lo odiar Jordan. Da parte do GOAT, foi a agressividade que os Pistons meteram em todos os jogos contra si que despoletou o ódio. Para além disso, no ano de estreia de Jordan no all-star game, Isiah terá orquestrado um freeze out a MJ. Os veteranos do Este terão limitado os lançamentos e a facilidade do jogo para Michael e isso terá ficado gravado na memória do melhor de sempre.

A rivalidade atingiu níveis épicos quando, na formação da Dream Team para os Jogos Olímpicos de Barcelona, Isiah não foi escolhido. Esta decisão foi largamente influenciada por Jordan que terá dito aos responsáveis pela seleção americana que se Thomas jogasse, ele não jogava. A escolha aqui era (e foi) fácil, mas não deixa de ser uma das maiores injustiças da história da NBA, tal como foi o freeze out no jogo de all-star de 1985.

1º – Larry Bird vs Magic Johnson

A rivalidade das rivalidades. A dupla que salvou a NBA da ruína. Mas antes disso, convém recuar até ao início da rivalidade. Tudo começou em 1979, na final do campeonato da NCAA. Michigan State vs Indiana State! Magic vs Bird! Os dois eram os melhores jogadores universitários do país e a final prometia ser incrível. E assim foi. No final, Magic venceu e aí nasceu a rivalidade.

Quando os dois entraram na NBA, a liga estava perdida. Baixas assistências (nos estádios e na televisão), pouco interesse e uma crise racial enorme. É aí que Bird e Magic entram. Os dois eram dois lados da mesma moeda e, ao mesmo tempo, o contrário um do outro. Os dois eram passadores incríveis, sempre puseram a equipa em primeiro lugar e eram ganhadores imparáveis. Mas espelhavam a realidade americana do momento. Um afro-americano o outro branco, um show off e o outro tímido, um em Los Angeles e o outro em Boston.

Isto era tudo o que a NBA poderia querer! Uma rivalidade entre duas jovens estrelas a animar o interesse pela Liga. Apesar disso, apenas em 1984 os dois se encontraram numa final. Foi o momento por que todos esperavam e o momento para Bird ter a desforra da final da NCAA. Magic já tinha 2 campeonatos ganhos (um no seu ano de rookie) e Bird já tinha 1 campeonato e 2 MVPs! E a desforra chegou, os Celtics venceram num mítico jogo 7, às costas de Bird!

Em 1985 e 1987 os dois defrontaram-se em mais duas finais. Magic ganhou as duas e elevou para 4 a conta pessoal de campeonatos. Entre os 2, venceram 7 dos 8 campeonatos entre 1980 e 1988! Uma rivalidade que liderou a NBA e elevou a Liga ao topo do mundo. Toda a gente falava deles e via os seus jogos, para ver qual deles iria fazer a melhor jogada e qual deles ia ganhar.

A rivalidade era tão grande que Magic afirmou que, na fase regular, haviam 80 jogos mais 2 contra os Celtics. Do outro lado, Bird afirma que a primeira coisa que fazia pela manhã era ver como tinha jogado Magic no jogo da noite anterior para ver o que tinha que bater.

A rivalidade que salvou a NBA (Foto: WEEI Radio)

Fora do jogo não se davam bem, muito por culpa da frieza de Larry Bird. Apesar disso, depois de gravarem uma publicidade juntos, as coisas começaram a mudar. Os dois começaram a criar uma amizade (que dura até hoje) que atingiu o pico nos Jogos Olímpicos de 1992. Ambos os jogadores fizeram parte da Dream Team que levou o ouro para USA e a sua amizade e cumplicidade foi evidente em Barcelona.

Esta é a rivalidade suprema da NBA. Dois dos jogadores mais competitivos e talentosos da história que entraram na Liga no mesmo ano. Venceram, entre si, 8 campeonatos, 6 MVPs e 24 presenças no All-star game! Dois jogadores tão idênticos e tão diferentes. Duas caras para reerguer a NBA e fazer dela o que é hoje: uma das maiores ligas do desporto mundial!

A HBO fez um documentário sobre esta rivalidade, com comentários das duas lendas. O documentário chama-se “Magic Johnson and Larry Bird: A Courtship of Rivals Basketball” e está disponível no YouTube (vídeo abaixo)!


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter