[Bisca da Primeira Divisão Masculina] Sporting Clube de Portugal

João BastosMarço 16, 20186min0

[Bisca da Primeira Divisão Masculina] Sporting Clube de Portugal

João BastosMarço 16, 20186min0
Analisamos o naipe da equipa masculina do Sporting Clube de Portugal para ir a jogo na 1ª divisão nos próximos dias 17 e 18 de Março em Coimbra

O Campeonato Nacional de Clubes da 1ª divisão realiza-se em Coimbra nos dias 17 e 18 de Março. O Fair Play faz a análise das 12 equipas masculinas e das 12 equipas femininas que disputarão o título de clubes mais importante da natação nacional


A equipa masculina do Sporting Clube de Portugal já entrou na História dos nacionais de clubes ao ser a primeira equipa masculina hexa-campeã nacional. A história dos seis títulos conta-se de grandes duelos com grandes equipas. Primeiro o Clube de Natação da Amadora, depois o Futebol Clube do Porto, mais recentemente o Estrelas de São João de Brito e no ano passado (ou a partir do ano passado?) o Benfica.

Estes valorosos adversários prestigiaram ainda mais os títulos da equipa do técnico Carlos Cruchinho que ainda não está pronta para pôr um ponto final na sequência. Previsivelmente terá de aplicar-se a fundo para conquistar o hepta, mas tem as armas necessárias para atingir esse objectivo:

Ás – Alexis Santos

O olímpico é o cabeça de cartaz de uma equipa recheada de argumentos para revalidar o título. Alexis oferece ao Sporting duas armas valiosas na luta pelo título: a sua qualidade e sua versatilidade, o que permitirá ao clube de Alvalade ter plano A, B e C, todos eles tendo o especialista de estilos no centro da estratégia. No entanto, se nas edições anteriores um nadador podia ser responsável por 1/3 da participação da equipa, na edição deste ano, na melhor da hipóteses, terá uma contribuição de 20%, pelo que os “Ases” de cada conjunto terão uma influência mais reduzida.

Foto: Facebook Alexis Manaças Santos

Rei – João Vital

Para além de Alexis, o Sporting conta com outro nadador de enorme qualidade e versatilidade que pode nadar diversas provas, de seu nome João Vital, um nadador que tem predilecção (ou vocação) para provas fisicamente exigentes, o que num campeonato com as características do Nacional de Clubes é uma particularidade bastante útil à sua equipa. É de esperar que nade os 400 estilos, uma vez que é a prova onde está a bater à porta dos Europeus de Glasgow, e depois entre os 200 estilos, 100 e 200 costas, 100 e 200 mariposa, 400 e 1500 metros livres pode nadar qualquer delas que fará sempre uma boa classificação. As mais óbvias são os 200 estilos, 200 costas e 200 mariposa.

Foto: Luís Filipe Nunes

Valete – Igor Mogne

Igor Mogne tem sido fundamental nos últimos títulos do Sporting. Na última época venceu as suas três provas e, tal como Alexis Santos, participou nas três estafetas sportinguistas que venceram duas provas e chegaram em segundo na terceira. Ou seja, no ano passado Igor Mogne ficou a 2 pontos da pontuação máxima, objectivo que vai voltar a perseguir este ano. O internacional moçambicano é mais uma opção em várias provas para o treinador Carlos Cruchinho, como os 50, 100, 200 e 400 metros livres, os 50 e 100 mariposa.

Foto: Luís Filipe Nunes

Manilha – Guilherme Pina

Se há prova onde o Sporting tem a certeza que vai fazer muitos pontos é a prova de 1500 metros livres. A dupla Guilherme Pina e Juan Tolosa pode até fazer primeiro e segundo lugar (têm os dois melhores recordes pessoais), mas é o nadador beneditense que parte como maior candidato à vitória. Para além do primeiro lugar, o tempo de 15:15.12 do seu recorde nacional estará na sua lista de objectivos.

Foto: Luís Filipe Nunes

Joker – Francisco Santos

No ano passado foi fundamental na vitória do Sporting com os três primeiros lugares nas provas de costas. Este ano o destino do Sporting volta a estar muito dependente do que o ex-Benedita possa fazer. Daí que consideramos que Francisco será o Joker do Sporting. Este ano prevê-se que venha a ter adversários mais perigosos – e logo nos rivais directos – como Juan Gutierrez, mas também é verdade que o costista do Sporting esta época já melhorou os seus recordes pessoais nas três provas de costas em piscina curta, faltando agora transpor essa melhoria para a piscina longa.

Foto: Luís Filipe Nunes

Trunfos – Tiago Costa, Juan Tolosa, Miguel Cruchinho e António Mendes

O Sporting tem uma equipa com bastante profundidade e, para além dos quatro trunfos mencionados, ainda vamos ver em acção outros nadadores como Pedro Pinotes, André Ruivo ou Diogo Dantas.

Os quatro trunfos que destacamos irão ter um papel bastante activo durante o fim-de-semana de 17 e 18 de Março e serão decisivos no êxito do Sporting. Os dois brucistas – Cruchinho e Mendes – participarão em provas que se prevêem muito apertadas e uma fracção de segundo pode separar o primeiro do quarto ou quinto lugar. Tiago Costa será bastante importante nas provas individuais e também nas estafetas e Tolosa, como já referimos, garantirá muitos pontos nos 1500 metros livres e, talvez, também nos 400 metros livres.

Prognóstico Fair Play

Obviamente, o hexacampeão nacional é o candidato número 1 ao título . Em comparação com o ano passado, o Sporting teve duas baixas: Guilherme Dias saiu para o Benfica e Mário Bonança abandonou a carreira de nadador para se dedicar à carreira de treinador. Teve uma entrada: Juan Tolosa. Apesar do saldo ser negativo no aspecto das entradas e saídas, o Sporting apresenta-se mais forte por dois motivos:

  1. A evolução de alguns nadadores que assumirão um papel mais preponderante que na época passada – caso de Tiago Costa;
  2. O novo modelo do campeonato (dois nadadores por prova e quatro provas por nadador) beneficia uma equipa com muitas boas soluções como o Sporting (por exemplo, João Vital na época passada só nadou duas provas);

A concorrência este ano é mais forte, mas a versatilidade dos nadadores do Sporting tornarão a equipa muito reservada para os adversários, antevendo-se que a equipa verde e branca possa fazer alterações à start list durante o fim-de-semana.

Por todas estas razões, acreditamos que o Sporting é a equipa com melhores argumentos – e melhor baralho – para voltar a vencer a 1ª divisão masculina e continuar a quebrar recordes no sector masculino.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter