26 Mai, 2018

Profecia do Borda D’Água #4: O CNC da 1ª divisão será a melhor prova da época

João BastosJaneiro 4, 20182min0

Profecia do Borda D’Água #4: O CNC da 1ª divisão será a melhor prova da época

João BastosJaneiro 4, 20182min0
Os primeiros dias do ano 2018 trazem o oráculo do Fair Play. O almanaque Borda D'Água adaptado à natação traz doze profecias para o ano em curso

12 dias, 12 profecias para o ano 2018. O Fair Play consulta o seu oráculo e faz 12 palpites sobre o que vai acontecer no mundo da natação no ano que agora dá início


O renovado Campeonato Nacional de Clubes da 1ª Divisão decorre em Março, na piscina olímpica de Coimbra, e para além do aliciante da disputa do troféu colectivo máximo da natação portuguesa, ainda é a primeira prova que serve de apuramento para as principais competições internacionais.

Se no ano passado o Campeonato Nacional de Juvenis, Juniores e Absolutos foi a competição interna de maior nível, antevemos que em 2018 será a 1ª divisão, mesmo sem a presença de muitos dos principais nadadores nacionais, como Victoria Kaminskaya ou Gabriel Lopes.

Em primeiro lugar porque se disputam na melhor piscina olímpica do país e os nadadores com aspirações a marcar presença nos Europeus de Absolutos e nos Europeus de Juniores não podem deixar passar a oportunidade de carimbar o passaporte logo aí.

Em segundo lugar, e decorrendo da primeira razão, porque os melhores nadadores nadarão as suas melhores provas, o que colocará em muitos casos um dilema aos treinadores: procurar os mínimos ou contribuir com mais pontos para a equipa?

No entanto, o novo modelo dos campeonatos debela em grande parte essas preocupações, pelo facto de cada nadador poder nadar 4 provas individuais e pelo facto de cada clube se poder fazer representar por dois nadadores em cada prova.

Estas circunstâncias levam-nos a antecipar duelos inéditos na primeira divisão como Diogo Carvalho versus Alexis Santos nos 200 estilos. Ainda para mais com a novidade da organização das séries ser feita por tempos de inscrição dos nadadores e não por seriação dos clubes.

Em suma, a 1ª divisão deste ano tem todos os condimentos para ser a prova do ano a nível interno.

O modelo de 12 clubes, com 24 nadadores por prova, resultará, sem dúvida, numa maior competitividade entre nadadores. Resta saber se resultará numa maior competitividade entre clubes ou se, pelo contrário, os vencedores vão ser conhecidos cedo de mais. Mas isso só poderemos avaliar em Março. Até lá, é fazer contas.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter