21 Mai, 2018

[Super Sprint] Nadadores completos

João BastosNovembro 27, 20179min0

[Super Sprint] Nadadores completos

João BastosNovembro 27, 20179min0
Teve lugar uma das competições mais tradicionais do calendário da natação portuguesa: o torneio do nadador completo para juvenis e infantis

Os nadadores infantis e juvenis estiveram em evidência no passado fim-de-semana, competindo nos Torneios do Nadador Completo que decorreram nas suas Associações. O Fair Play conta-lhe quem fez mais pontos a nível nacional no cômputo geral do torneio


Nos dias 25 e 26 de Novembro, multiplicaram-se pelas Associações Territoriais de Natação, os habituais torneios do nadador completo para nadadores infantis e juvenis, uma competição na qual os nadadores têm de competir nas provas de 100 metros livres, costas, bruços e mariposa e ainda 200 metros estilos. Em cada prova, a marca realizada é convertida em pontos FINA. No final, o vencedor global é aquele que obtém um maior número de pontos, premiando os jovens nadadores portugueses mais polivalentes.

O Fair Play faz a comparação entre todas as associações e apresenta-lhe os novos vencedores nacionais do Torneio do Nadador Completo por categorias:

INFANTIL-B

FEM: Leonor Catalão (Sporting – ANL)

A jovem nadadora do Sporting consagrou-se como a nadadora infantil-B mais completa do país. No cômputo geral das 5 provas contabilizou 1778 pontos, superiorizando-se de forma tangencial à nadadora do Desportivo Náutico da Marinha Grande, Ariana Carapinha, que marcou 1771 pontos.

A sportinguista esteve muito regular e foi essa regularidade que lhe permitiu obter o primeiro lugar do ranking. A sua prova melhor pontuada foi os 100 livres – a única onde superou os 400 pontos -, apesar de não ter vencido a prova na sua associação.

A prova de 100 costas também foi decisiva para o seu desempenho final, uma vez que garantiu aí uma importante vantagem para as suas mais directas rivais, considerando mesmo todo o país. Os 100 bruços foi a prova menos conseguida, mas ainda assim não penalizaram muito a nadadora.

MAS: Salvador Perloiro (Benfica – ANL)

Os dois vencedores da categoria infantil-B provém da Associação de Natação de Lisboa e, curiosamente, ambos deixaram no segundo lugar nadadores da Associação de Natação do Distrito de Leiria.

O benfiquista terminou a competição com 1560 pontos (em todas as categorias o vencedor do sector masculino fez menos pontos que a vencedora do lado feminino), marcando mais 50 pontos que Miguel Oliveira, também do clube da Marinha Grande.

Salvador também conseguiu pontuações muito regulares, vencendo os 100 mariposa na sua associação e ficando muito próximo do vencedor nos 100 livres e 100 costas. À semelhança da vencedora infantil-B, também foi nos 100 bruços que teve o seu pior desempenho, mas não o suficiente para comprometer a sua vitória final.

INFANTIL-A

FEM: Carolina Fernandes (Galitos de Aveiro – ANCNP)

Foto: Luís Filipe Nunes

Se havia categoria com vencedora antecipada, era esta. Carolina pontuou 2849 pontos e venceu com mais de 400 pontos de avanço para a 2ª nadadora infantil-A mais completa, que foi a benfiquista Isadora André. Inclusivamente fez mais pontos que a vencedora juvenil-B e ficou a apenas 43 pontos da vencedora juvenil-A.

Desta vez, e ao contrário do que lhe é costume, não estabeleceu nenhum novo record nacional, mas ficou “em cima” de três, o que, tendo em conta que ainda estamos no início da época, deixa antever que esses máximos nacionais têm os dias contados.

Destaque para os 59.56 que fez nos 100 livres, tornando-se na nadadora portuguesa mais nova de sempre a baixar do minuto (12 anos e 2 meses – a recordista nacional infantil-A, Inês Fernandes, baixou do minuto com 12 anos e 10 meses).

Também nos 100 mariposa fez um tempo canhão de 1:03.34, que é melhor que o record nacional juvenil-B, mas por muito pouco não é melhor que o sensacional record nacional infantil-A de Ana Margarida Guedes de 1:03.28.

Nos 200 estilos nadou em 2:24.93, aproximando-se bastante dos 2:24.68 que Mariana Cunha estabeleceu há apenas 7 meses.

MAS: Bernardo Simões (Colégio Vasco da Gama – ANL)

Foto: Natação CVG

Mais um vencedor lisboeta. O nadador do CVG dominou a competição na sua associação, vencendo 4 das 5 provas em disputa e mesmo a prova que não ganhou (100 bruços) ficou a apenas 3 escassos centésimos do vencedor.

Bernardo marcou no final da competição 2194 pontos e a nível nacional foi o nadador Diogo Ribeiro, do Clube União 1919, de Coimbra, que mais perto ficou com 2162 pontos.

E curiosamente, foram os 100 bruços que estabeleceram maiores diferenças entre os dois, já que o nadador de Coimbra até esteve melhor nos 100 livres, 100 costas e 100 mariposa e só distou 2 segundos nos 200 estilos do nadador de Lisboa, mas os 5 segundos que os separaram na prova de bruços ditou o desfecho final da competição nesta categoria.

JUVENIL-B

FEM: Mariana Cunha (Fluvial Portuense – ANNP)

Foto: Luís Filipe Nunes

Esta era a categoria que, previsivelmente, iria ser mais nivelada por cima…e assim foi. A geração de nadadoras nascidas em 2004 é muito boa – curiosamente as gerações femininas de anos pares têm sido muito boas, ver exemplo das gerações de 2000 e 2002 – e Mariana Cunha, Maria Pereira e Maria Moura protagonizaram uma disputa muito interessante pelo topo do ranking.

A nadadora do Fluvial partia com o favoritismo, mas as Marias tinham a vantagem de competirem na mesma Associação.

No final, Mariana marcou 2822 pontos, contra os 2784 de Maria Pereira (Algés) e os 2738 de Maria Moura (Sporting), confirmando assim o favoritismo.

Curiosamente, comparando apenas as três nadadoras, a nortenha só fez o melhor tempo numa prova, os 100 costas. Maria Pereira fez o melhor tempo das três nos 100 livres, 100 bruços e 200 estilos, mas nos 100 costas ficou longe de Mariana. Maria Moura foi a melhor dos 100 mariposa, mas nos 100 bruços ficou longe de ambas as rivais. Aliás, foi nos 100 bruços que Mariana Cunha garantiu a sua vitória, já que seria a sua prova menos forte, mas acabou por melhorar mais de 2 segundos ao seu record pessoal e nadou num excelente 1:16.73.

MAS: Tiago Rodrigues (Luso – ANNP)

Foto: Arquivo Pessoal

Também no sector masculino a competição prometia ser renhida, sobretudo entre Tiago Rodrigues e o vencedor do ano passado, Ricardo Silva (DNMG). Aos dois juntou-se o nadador do Clube de Natação de Torres Novas, Paulo Vakulyuk e os três andaram sempre taco a taco durante o fim-de-semana.

A vitória acabou por sorrir ao nadador do Porto, totalizando 2465 pontos, com o torrejano a perfazer 2387 e o marinhense a somar 2353.

Tiago, um especialista da prova de 100 livres (na qual é recordista nacional infantil-A), nem foi nessa prova que cavou o fosso para os adversários. Foi, como na maior parte das categorias, nos 100 bruços, uma prova que os três elegeriam como a pior das 5, mas foi o nadador do CLIP que melhor se defendeu, ao nadar em 1:12.18 (Paulo nadou em 1:16.36 e Ricardo em 1:14.65).

Em todas as outras provas, o equilíbrio foi a nota dominante. Vantagem para Tiago nos 100 livres e nos 100 bruços, vantagem para Ricardo nos 100 costas e 200 estilos e vantagem para Paulo nos 100 mariposa.

JUVENIL-A

FEM: Camila Rebelo (Louzan Natação – ANC)

Foto: Luís Filipe Nunes

Quase ao mesmo nível do favoritismo de Carolina Fernandes na categoria infantil-A, estava o favoritismo de Camila Rebelo na categoria juvenil-A, não fosse ela a líder do ranking nacional da sua idade na época passada, em todas as provas em disputa, menos nos 100 bruços.

E assim foi também nesta competição. Foi a melhor do país na sua categoria em todas as provas, menos nos 100 bruços. 2892 pontos foi a pontuação final da nadadora da Lousã, conseguida depois de nadar em 59.48 a livres, 1:04.95 a costas, 1:21.12 a bruços, 1:05.12 a mariposa e 2:23.37 a estilos.

A nadadora que mais se aproximou foi Sara Cruz, do Algés, que marcou 2727 pontos e obteve novos recordes pessoais nos 100 costas, 100 mariposa e 200 estilos. Ainda assim, não obstante o seu excelente desempenho, ficou a 165 pontos de Camila.

MAS: Ricardo Rocha (Aquático Pacense – ANNP)

Foto: Clube Aquático Pacense

Se Lisboa teve 3 dos 4 nadadores completos infantis, o Porto fez igual no escalão de juvenis.

O costista Ricardo Rocha impôs-se com 2689 pontos, mas não teve uma vitória folgada, já que Henrique Silva (2630 pontos), da Associação Estamos Juntos e Diogo Costa (2626 pontos) do Colégio Monte Maior, ficaram muito próximos.

Entre os três, Ricardo só foi melhor nos 200 estilos, perdendo nos “seus” 100 costas para Diogo, que também levou a melhor nos 100 livres. Nos 100 mariposa e 100 bruços foi Henrique que fez melhor. As mínimas diferenças entre os três estabeleceram-se no facto do nadador pacense nunca ter ficado muito longe dos rivais, enquanto o nadador da AEJ teve na prova de 100 costas o seu handicap e ao nadador do CIMM foram os 100 bruços que não correram de feição.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter