Diário de Helsínquia – #Dia3

João BastosJulho 7, 20185min0

Diário de Helsínquia – #Dia3

João BastosJulho 7, 20185min0
Os campeonatos da Europa de Juniores de natação decorrem em Helsínquia. Portugal participa nos Europeus com uma dezena de nadadores

A selecção nacional júnior de natação está a competir de 4 a 8 de Julho na capital finlandesa de Helsínquia, nos campeonatos europeus do escalão. Com uma delegação de 10 nadadores, os jovens lusos vão à conquista da Europa e o Fair Play acompanhará diariamente a Odisseia dos portugueses.


E ao terceiro dia Portugal esteve representado numa final, mas não foi o único destaque do dia. Os seis nadadores portugueses que estiveram em acção conseguiram mais uma meia final, dois recordes nacionais e três recordes pessoais.

Aqui ficam os desempenhos individuais:

Rafaela Azevedo

A costista do Sport Algés e Dafundo estreou-se nos Europeus de Juniores deste ano, ela que já tinha estado em Netanya no ano passado, ainda com idade de juvenil.

Rafaela nadou os 50 metros costas onde entrava com o 21º melhor tempo com o seu recorde nacional júnior de 29.70.

No entanto a júnior não conseguiu nadar perto do seu tempo (que a qualificaria para a meia final) e marcou 30.32 classificando-se no 33º lugar geral.

Foto: FPN

Rafael Simões

Depois de já ter nadado a prova mais longa de bruços com sucesso, tendo chegado às meias finais dos 200 bruços com novo recorde pessoal, era agora a vez de nadar a prova mais curta, os 50 metros bruços, onde era o 33º melhor na lista de inscrições com o seu tempo de 29.81.

Depois de já ter concretizado o seu principal objectivo na prova de 200, na prova de 50 não conseguiu melhorar o seu tempo e terminou com 30.05 que lhe rendeu exactamente a mesma posição que trazia de entrada, ou seja, o 33º lugar.

Foto: Luís Filipe Nunes/FPN

Ana Sousa

Já com um recorde nacional na bagagem (o dos 100 livres júnior-16 anos), a nadadora do CNLA vinha aos 200 metros livres procurar mais um, já que é ela a recordista nacional júnior-16 anos da prova.

Com os seus 2:04.19 entrava com o 42º tempo de inscrição, pelo que o acesso às meias finais não seria algo fácil de alcançar.

No entanto, Ana Sofia fez uma prova estrondosa! Depois de passar no segundo lugar na 3ª de 7 séries, veio para a frente e foi ganhando distância às suas adversárias, de tal forma que terminou com um excelente novo recorde nacional júnior-16 anos de 2:02.89, o que a coloca como a 4ª portuguesa a baixar dos 2:03 (e todas o fizeram esta época) e, mais importante, classificou-a no 12º lugar e consequentemente apurada para a meia final (com o 10º tempo, visto que a terceira húngara e a terceira espanhola ficaram à sua frente).

Na parte da tarde nadou a primeira semifinal e voltou a fazer um bom tempo. Não chegou para melhorar o que fizera nas eliminatórias, mas não ficou longe. Os 2:03.13 deram-lhe o 13º lugar final.

Ana Sofia é júnior de primeiro ano, o que realça ainda mais o feito de ter alcançado uma meia final, logo numa prova tão competitiva (65 nadadoras a alinhar à partida).

Foto: Luís Filipe Nunes/FPN

Letícia André

Como tem sido hábito, Letícia voltou a nadar na mesma série que Ana Sofia. A nadadora benfiquista tem feito marcas muito próximas do seu melhor (melhorou nos 400 livres) e nos 200 metros livres não foi excepção.

A júnior de primeiro ano vinha com o 43º tempo de inscrição com os seus 2:04.36 feitos no Funchal.

Em Helsínquia voltou a nadar na casa dos 2:04 (pela 4ª vez na carreira) e marcou 2:04.78 subindo várias posições em relação à entry list. Foi 31ª classificada.

Foto: Luís Mestre

Alexandra Frazão

Alexandra também podia perfeitamente alinhar nos 200 metros livres já que é uma prova que ela também nada bem, mas tinha na 3ª sessão de eliminatórias a prova onde ambicionava à sua melhor classificação, os 1500 metros livres.

17:11.64 era o tempo de inscrição da nadadora do CASPAE que lhe dava o 17º tempo de entrada.

Nos 800 metros a júnior de primeiro ano andou sempre abaixo dos parciais do seu recorde pessoal mas acabou por não conseguir superar o seu máximo, mas nos 1500 metros conseguiu mesmo atingir esse objectivo mas alterando a sua estratégia de prova. Nadou em parcial negativo (8:33.25/7:57.96) e foi paulatinamente ganhando segundos ao seu máximo.

Terminou com o novo recorde pessoal de 17:01.21 ocupando o 11º lugar final.

Foto: Luís Filipe Nunes/FPN

José Paulo Lopes

No período da tarde do terceiro dia, para além da meia final dos 200 metros livres femininos onde alinhava Ana Sousa, as atenções portuguesas também estavam voltadas para a final dos 200 metros estilos masculinos onde José Paulo Lopes nadaria na pista 6, ao lado do favorito Thomas Dean.

O nadador do Braga fez uns primeiros 100 metros de grande nível, suportados pelo seu magnífico percurso de costas (foi o mais rápido na piscina) e estava na posição de bronze. Bruços continua a ser o calcanhar de Aquiles de José Paulo e foi o nadador com o pior percurso de entre os finalistas, mas o pódio continuava ao seu alcance e os últimos 50 metros foram de grande luta com o russo Danil Zaytsev, mas por apenas 13 centésimos foi o russo a levar a melhor.

José Paulo terminou com um novo recorde nacional júnior-18 anos com 2:02.55 superando os 2:02.72 que estavam na posse de Gabriel Lopes.

Foto: Luís Filipe Nunes / FPN

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter