Top 10 mundial da natação em 2018

João BastosDezembro 30, 20186min0

Top 10 mundial da natação em 2018

João BastosDezembro 30, 20186min0
Últimos dias do ano são sinónimo de balanço. O Fair Play não foge à regra e nos próximos dias trazer-lhe-á os melhores nadadores de 2018

Os últimos dias de Dezembro são a altura ideal para recordar o ano que termina e fazer o balanço. O Fair Play faz esse exercício para a natação nacional e internacional e elege os 10 nadadores em maior destaque em cada categoria.


Em 2018 foram várias as competições continentais a acontecer em todo o mundo. Na Europa disputaram-se os Campeonatos Europeus em Glasgow e foi a competição onde mais recordes do mundo caíram. No Japão disputou-se o Pan-Pacífico e na Indonésia aconteceram os Jogos da Ásia.

No final do ano a China acolheu os Campeonatos do Mundo de Piscina Curta, uma competição que viu serem batidos 9 recordes do mundo.

Fique com o nosso top-10 do ano, não sem antes recordar a lista de 2017:

Top-10 mundial de Natação em 2017

10. Katinka Hosszu (Hungria)

2018 foi um ano de transição para a húngara. Depois da separação do seu ex-treinador e ex-marido Shane Tosup, a dama de ferro passou a treinar com o suíço Árpad Petrov, que aconteceu apenas após os Europeus de Glasgow.

Mesmo tendo sido este o pior dos últimos 6 anos da carreira de Hosszu, não deixou de conquistar quatro títulos mundiais em Hangzhou e mesmo a meio gás, é inevitável colocá-la no top do ano.

Foto: Mike Lewis

9. Andriy Govorov (Ucrânia)

Num ano com poucos recordes do mundo de piscina longa a cair, o tempo que Andriy Govorov marcou em Julho no Troféu Sette Colli, em Roma nos 50 mariposa foi um dos grandes destaques de 2018.

O ucraniano bateu a marca de Rafael Muñoz, um dos poucos recordes do mundo que ainda durava do tempo dos fatos de poliuretano, e estabeleceu um novo máximo mundial em 22.27. Nos Europeus venceu a “sua” prova, desta vez em 22.48.

Foto: Peter Sukenik

8. Kathleen Baker (EUA)

Mais uma recordista mundial de 2018. Baker estabeleceu um novo máximo mundial nos 100 metros costas em piscina longa com o tempo de 58.00 estabelecido nos nacionais norte-americanos de Verão superando o máximo da canadiana Kylie Masse.

No entanto, menos de 15 dias depois, a norte-americana encontrou a canadiana nos Jogos Pan-Pacíficos e aí Masse levou a melhor, com Baker a chegar apenas na 3ª posição. Serviu de consolo a vitória nos 200 metros costas.

Foto: Mike Lewis

7. Simona Quadarella (Itália)

Grande destaque do lado feminino nos Europeus de Glasgow. Quadarella assumiu-se como a melhor fundista europeia da actualidade ao vencer os 400, 800 e 1500 metros livres, à semelhança do que tinha feito Boglarka Kapas em 2016.

Atrás de Ledecky a competitividade nas provas de fundo femininas é enorme e Quadarella este ano liderou esse pelotão, mesmo contando com o ano extraordinário de evolução da australiana Ariarne Titmus (com recorde do mundo em piscina curta nos 400 metros livres) e da chinesa Wang Jianjiahe.

Foto: Giusy Cisale

6. Ryan Murphy (EUA)

As provas de costas no sector masculino prometem ser de alto nível nos próximos anos, nomeadamente nos Mundiais do ano que vem e nos Jogos Olímpicos de Tóquio. Com Murphy, Xu Jiayu e Kolesnikov o espectáculo está garantido. Os rivais de Murphy tiveram um ano bastante positivo mas foi o norte-americano que acabou a liderar o ranking dos 100 metros costas, tendo-se aproximado muitíssimo do seu próprio recorde mundial e sido o único abaixo de 52 segundos com o tempo que lhe deu o título de campeão pan-pacífico, 51.94.

No confronto directo, nos mundiais da China, Murphy venceu com Xu na posição de prata e Koleskivov no bronze.

Foto: JD Lasica

5. Liu Xiang (China)

A nadadora chinesa com o mesmo nome do seu compatriota barreirista surpreendeu tudo e todos nos Jogos da Ásia ao vencer os 50 metros costas no tempo recorde do mundo de 26.98. Surpreendeu inclusive a outra chinesa em prova, Fu Yanhui, que era a grande favorita e a nadadora que mais se tem aproximado do anterior recorde do mundo (que também era pertença de outra chinesa – Zhao Jing).

Assim, a barreira dos 27 segundos foi quebrada pela jovem de 22 anos.

Foto: Mike Lewis

4. Katie Ledecky (EUA)

Será inevitável que Katie tente mudar um pouco as agulhas da sua preparação para Tóquio apostando mais nos 100 e 200 metros livres e, quem sabe, em provas como os 200 e 400 metros estilos. Isto porque nas provas onde é recordista do mundo – 400, 800 e 1500 metros livres – ela própria já deve começar a achar monótono o seu completo domínio face às adversárias.

Este ano, no Pan-Pacífico, teve apenas a novidade de ter sido ligeiramente apertada nos 400 metros livres por uma Ariarne Titmus que se tornou na 3ª nadadora de sempre a baixar dos 4 minutos (ainda assim Ledecky venceu com 1.16 segundos de avanço), mas nos 800 e 1500 voltou a ficar longe de todo o mundo. Terminou o ano com vantagem de 9 segundos nos 800 e 31 segundos nos 1500 no ranking mundial.

Foto: Mike Lewis

3. Sarah Sjöström (Suécia)

Mais um grande ano da sueca. Em 2017 liderou o nosso top e em 2018 também considerámos que foi a melhor nadadora do ano, no lado feminino. Este ano sem bater nenhum recorde mundial, mas a sagrar-se tetra-campeã da Europa e bi-campeã da Taça do Mundo, provando que ter interrompido no ano passado o longo ciclo vitorioso de Hosszu não foi acidente.

Foto: Mike Lewis

2. Kliment Kolesnikov (Rússia)

Ainda com idade de júnior (18 anos) chegou ao seu primeiro recorde mundial absoluto. Foi nos 50 metros costas, marcando 24.00 na final da prova nos Europeus. Foi certamente o primeiro de muitos de um nadador que há dois anos anda a bater recordes do mundo de juniores em cadeia.

Saiu dos Europeus com 3 ouros.

Foto: Giorgio Scala

1. Adam Peaty (Grã-Bretanha)

Mais um ano fantástico do britânico que continua a levar as provas de 50 e 100 metros bruços para um nível proibitivo para a concorrência (com marcas que provavelmente levarão muitos anos a serem batidas).

Em 2018 melhorou mais um pouco o seu recorde mundial dos 100 bruços, marcando 57.10 na final do Europeu, uma competição onde nadou três provas e venceu as três.

Foto: Swim England

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS




Posts recentes


newsletter