[Aqua Moments] Kieren Perkins, o campeão da pista 8

João BastosAbril 8, 20184min0

[Aqua Moments] Kieren Perkins, o campeão da pista 8

João BastosAbril 8, 20184min0
Kieren Perkins foi uma das maiores referências australianas na natação. O fundista foi bi-campeão olímpico dos 1500 metros livres, uma prova onde bateu o recorde do mundo por três vezes

Numa altura em que a comunidade britânica disputa os seus jogos quadrianuais, este ano na cidade australiana de Gold Coast, recordamos um dos maiores nadadores do país dos cangurus, um nadador que em Jogos da Commonwealth venceu 4 ouros, todos na mesma edição – Victoria 1994.

Falamos do fundista Kieren Perkins.

Depois do domínio do russo Vladimir Salnikov nas provas de fundo, que durou durante toda a década de 80, os australianos tomaram conta dos 1500 metros livres na década de 90 (e ainda mais tarde), sobretudo pela mão de Perkins.

Em 1990, com apenas 16 anos, Perkins foi vice-campeão da Commonwealth dos 1500 metros livres atrás do seu compatriota Glen Housman. Por essa ocasião baixou pela primeira vez na sua carreira dos 15 minutos, marcando 14:58.08. Nessa edição, disputada na Nova Zelândia, a Austrália via despontar uma estrela mesmo na altura certa, uma vez que os mundiais de 1991 disputavam-se em casa, na cidade de Perth.

Chegado a essa competição, Kieren Perkins já era o favorito à vitória, mas o alemão Jörg Hoffmann foi estragar a festa do australiano. Numa das melhores provas de 1500 metros livres de sempre, quer Hoffmann, quer Perkins nadaram abaixo do recorde mundial de Salnikov (14:54.76) por larga margem, chegando à parede separados apenas por 22 centésimos de segundo.

O alemão tornou-se campeão e recordista mundial nadando em 14:50.36.

Mas o australiano ainda contava apenas 17 anos e novas oportunidades se lhe anteviam. E em 1992, nos Jogos Olímpicos de Barcelona, Perkins não a deixou escapar.

Já nos trials australianos Perkins deixou o aviso e baixou a marca do alemão. O australiano ia chegar aos Jogos Olímpicos com o estatuto de recordista do mundo e o primeiro a baixar dos 14:50, tendo marcado 14:48.40, um tempo que acabou por melhorar em Barcelona sagrando-se campeão olímpico com apenas 18 anos e no tempo de 14:43.48, fazendo a dobradinha na prova para a Austrália com Glen Housman a ficar com a prata, relegando Jörg Hoffmann para a posição de bronze.

Apesar de bem sucedido nos 1500 metros livres, Perkins também tentou vencer outra prova onde se tinha tornado recordista do mundo nos trials, os 400 metros livres, mas aí não teve o mesmo desfecho e perdeu a prova para o russo Yevgeny Sadovyi que também lhe tirou o recorde do mundo, nadando em 3:45.00.

Perkins, no entanto, só precisou de dois anos para voltar a deter o recorde do mundo dos 400 livres, fazendo-o quando foi campeão do mundo da prova em Roma 1994, nadando em 3:43.80.

No mesmo ano de 94, na competição onde tudo começou (Commonwealth Games), mas em Victoria, Canadá, Perkins melhorou o seu próprio recorde dos 1500 metros livres fixando-o em 14:41.66. Este foi o melhor ano da sua carreira em termos de marcas mas os dois anos seguintes foram mais discretos. Em 1996, o australiano ia chegar aos Jogos Olímpicos de Atlanta com apenas 22 anos mas a evidenciar já algum desgaste físico. Por isso, muitos questionavam se o jovem Perkins iria conseguir revalidar o seu título olímpico, ainda para mais com concorrência interna de peso, já que o australiano Daniel Kowalski vinha a evoluir bastante na distância.

E as dúvidas adensaram-se quando Perkins se qualifica para a final no último lugar que dava acesso à prova decisiva, superiorizando-se a Steffen Zesner por apenas 23 centésimos.

O mau desempenho nas eliminatórias deu-lhe a pista número 8 na final, longe das pistas centrais onde nadavam Kowalski e Graeme Smith.

No entanto, desde o tiro de partida Perkins mostrou que estava a fazer bluff e que ainda era ele o melhor nadador da prova a nível mundial. Só Kowalski conseguiu aguentar o ritmo inicial de Perkins, mas também por muito pouco tempo. O australiano a partir dos 200 metros cavalgou para uma prova solitária e apesar de ter terminado num tempo algo distante do seu recorde do mundo, também terminou muito distante de toda a concorrência. 14:56.40 foi o tempo final de Perkins, tornando-se no mais jovem bi-campeão olímpico na mesma prova de natação.

Perkins ainda fez mais uns Jogos Olímpicos, aqueles que se disputaram em casa, na cidade de Sydney, mas aí já tinha surgido outro australiano especialista na distância, de seu nome Grant Hackett, que garantiu que a dinastia australiana iria continuar a governar as provas de fundo durante mais uma década.

Assista à prova completa de Kieren Perkins em Atlanta, a nadar na pista 8:


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter