UFC251! Veja como terminaram as lutas mais esperadas pós Covid…

Renan BrunacciJulho 13, 20204min0

UFC251! Veja como terminaram as lutas mais esperadas pós Covid…

Renan BrunacciJulho 13, 20204min0
Dana White não cansa-se em promover eventos, e desta vez o UFC251 foi parar na Ilha de Yas em Abu Dhabi. Nada é impossível para o Chefão.

Com todas as normas de saúde em vigor, tem sido cada vez mais difícil realizar eventos, e muito mais os desportivos mas não são as normas da OMS que vão parar Dana White. O chefão do UFC não vai desistir dos Pay-per-views, tão cedo.

Com tudo isso e após produzir alguns eventos nos EUA, de pequeno porte, Dana teve a certeza de que poderia mover o seu Circo particular, para uma Ilha. O UFC251, desembarcou nos Emirados Árabes aonde existe uma ilha artificial. Criada em 2007 a Ilha de Yas serve de palco para grandes eventos, e serve de ”casa” para muitas atrações, como um circuito oficial de automobilismo, o Parque da Ferrari entre outras coisas.

Fonte: Heroisland

A Ilha da luta

Como foi apelidada para o evento, ficou pequena para tantas disputas de cinturão e revanches que ali ocorreram, no UFC251. Com um dos cards mais numerosos da organização, o evento durou praticamente 12 horas e muitos tiveram de ver as reprises, a madrugada é implacável! O card principal era um dos mais esperados de todos os tempos, porém a luta principal sofreu um baque uma semana antes com a saída de Gilbert “Durinho” Burns, infectado pelo Covid. Mas Dana ainda conseguiu-se “sair por cima”.

Não que o brasileiro não trouxesse um desafio intrigante para o campeão Kamaru Usman, mas porque seu substituto, o americano Jorge Masvidal, desenvolveu uma grande rivalidade com o “Pesadelo Nigeriano” desde o início do ano e era considerado amplamente o desafiante número 1 desde que venceu três lutas por nocaute em 2019.

E quais foram as lutas…

As lutas por ”sua vez” não foram tão empolgantes quanto esperávamos, a maioria delas durou todos os minutos dos 3 ou dos 5 rounds. A primeira grande luta foi a revanche de Rose Namajunas sobre a brasileira Jessica Andrade, que nada conseguiu fazer e por decisão dividida dos juízes perdeu para a americana.

Logo após as meninas, a primeira disputa de cinturão iria acontecer. José Aldo e Petr Yan disputaram o cinturão dos Galos que estava sem dono desde a aposentadoria de Henry Cejudo.

A luta começou parelha, com alguns poucos bons momentos do Aldo, mas Petr mostrou a juventude, e com o passar dos 5 rounds foi colocando o brasileiro em seu devido lugar. A luta não terminou por pontos, mas foi apenas no 5round, após deixar José Aldo completamente ensanguentado, que o juiz encerrou o combate, dando a vitória e cinturão para o russo Petr Yan.

Revanche e Cinturão.

Alexander Volkanovski e Max Holloway fizeram mais um duelo daqueles. Muito movimentado, porém sem muita efetividade, os pesos-pena encontraram-se para o tira teima. Volkanovski, já tinha derrotado e assumido o cinturão perante a Max Holloway, porém concederam a revanche para o havaiano.

Em um luta igual, sem muita superioridade, as regras dizem que o cinturão deve permanecer com o atual detentor. E foi exatamente isso que aconteceu. Após 5 rounds de bastante soco para os dois lados, Alexander continua campeão da categoria.

Fonte: MMA Fighting

E a luta principal já era muito esperada entre Kamaru e Gilbert Durinho, mas com a saída do brasileiro e a entrada de Jorge Masvidal, tudo ganhou mais notoriedade. Kamaru e Masvidal inflamavam essa luta, mesmo antes de ela existir.

Com apenas 2 semanas ou menos para preparar-se para o combate, Masvidal pulou de cabeça e agitou ainda mais o evento com provocações ao nigeriano e um dia de pesagem bem tenso.

Mas de nada adiantou, Jorge suportou muito bem os 5 rounds, mostrou que é top 3 pelo menos da categoria, porém o nigeriano Kamaru Usman é uma máquina de combater, estava muito bem preparado para a luta, mostrando superioridade e domínio praticamente o 25 minutos da luta, confirmando assim ser o dono do cinturão por mais alguns meses, pelo menos.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter