Teddy Riner perde a invencibilidade no Judô, mas Jon Jones não perde no UFC. Confira…

Renan BrunacciFevereiro 12, 20204min0

Teddy Riner perde a invencibilidade no Judô, mas Jon Jones não perde no UFC. Confira…

Renan BrunacciFevereiro 12, 20204min0
O mês de Fevereiro foi porreta para o Judô, porém bem normal no UFC. O Fair Play te explica a derrota do francês no Grand Slam de Paris e também contaremos tudo sobre o UFC247.

Depois de quase 10 anos, mais precisamente 9 anos e cinco meses, cai a invencibilidade do judoca mais temido dos últimos tempos. Teddy Riner de 30 anos bicampeão olímpico e nove vezes campeão mundial, entrou no tatame e perdeu a luta para o japonês Kokoro Kageura, de 24 anos.

Foi justamente em casa sua derrota, no Grand Slam de Paris, na França. A última derrota do ídolo francês havia sido no dia 13 de setembro de 2010, quando foi vencido por Daiki Kamikawa, outro japonês, na final do Mundial Absoluto em Tóquio, no Japão. Kageura acabou com o vice-campeonato em Paris.

O ouro ficou com o holandês Henk Grol, bronze nos Jogos Olímpicos Pequim 2008 e Londres 2012 na categoria até 100 kg, mas que migrou para a acima dos 100 kg em 2018. O cubano Andy Granda e o russo Inal Tasoev ganharam o bronze.

Fonte: The Sun

Devastado Riner deu uma breve entrevista:

– Saudações a todos, eu estou desolado com esse dia, mas, vamos lá, o meu objetivo é ganhar os Jogos Olímpicos de Tóquio – disse Riner.

Kageura vinha dando trabalho ao francês e não é de agora…

Na estreia Grand Prix do Brasil, Riner fez sua primeira luta justamente contra Kageura, sofreu quatro entradas bem perigosas, mas ganhou após aplicar um waza-ari com quase 6 minutos de golden score (prorrogação).

Como o mundo da voltas, agora foi a vez do japonês derrubar a lenda do judô com essa mesma pontuação, também no golden score, depois de um contra-ataque que fez o público francês aplaudir a queda da lenda.

Tanto o francês, quanto o país sede das Olimpíadas, estão bem focados para representar o judô agora em 2020

Teddy Riner está treinando forte, focado nas Olimpíadas, procurando melhorar seu score no ranking, para ser um dos cabeças de chave nos jogos. Riner não vem bem, pois ficou de fora dos principais torneiros do ano. Com isso, está apenas na vigésima quarta posição.

Já o Japão, país sede, está a anos investindo justamente em competidores dessa categoria e peso. A ideia era exatamente ter alguém forte o bastante para levantar Riner.

UFC 247 Jon Jones vs. Reyes.

No ultimo dia 8 de Fevereiro tivemos o UFC 247 Jon Jones vs. Reyes no Toyota Center, Houston, Texas, EUA.

Além dessa luta principal valendo o cinturão, tivemos também no co-main event a disputa de cinturão das mulheres. 

Valentina Shevchenko recebeu a desafiante Katlyn Chookagian, na luta que valia o cinturão do peso-mosca, que teve fim no terceiro round. Chookagian nada pode fazer para tirar o cinturão da multicampeã de muay thai, que dominou do início ao fim e provou mais uma vez que é a atleta mais completa da divisão.

Já na luta principal, Dominick Reyes vinha confiante para pegar o mais poderoso lutador de todos os tempos do UFC e tirar o cinturão dele, de uma vez por todas.

Mas parece que não foi dessa vez.

Fonte: Fight Sports

Uma luta de 5 rounds, de muita trocação e muitas incertezas. A única certeza é, Jones continuou com o cinturão após decisão dividida dos juízes.

Para muitos Reyes levou esse cinturão. Inclusive em entrevista após a luta, o chefão Dana White, mostrou ter duvidas da vitória de Jones.

– Eu marquei 3 rounds a um antes do último assalto (para Reyes). E meus filhos me infernizaram após a luta: ‘Pai você tem que consertar isso, Reyes venceu’.

De fato, muita conversa e discussões rolaram após a luta. O próprio Reyes em entrevista disse estar sentindo-se desrespeitado.

Já Jones por sua vez, tira uma onda com o derrotado.

De fato, essa é uma luta para ter a revanche e todos nós estamos esperando por isso.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter