Krav Maga: a arte marcial israelita que domina a Segurança Pública de muitas nações pelo mundo.

Renan BrunacciJulho 25, 20185min0

Krav Maga: a arte marcial israelita que domina a Segurança Pública de muitas nações pelo mundo.

Renan BrunacciJulho 25, 20185min0
Em tempos de conflitos diários, ninguém no mundo está realmente tranquilo com relação a violência urbana. O Krav Maga foi desenvolvido para evitar-se o pior, mas se for preciso ser violento...

O MMA nada mais é do que um mix de lutas. Quanto mais lutas você tiver conhecimento e sabedoria, mais pronto para o MMA você estará.

Para todos os lados do mundo que olharmos, encontraremos distintas maneiras de nos defender, defender nossos patrimônios e povoados. E é basicamente isso que as forças especiais de Segurança Pública vêm buscando com o Krav Maga.

Um pouco da onde tudo começou…

Fonte: Pinterest.

O Krav Maga, que traduzido do Hebraico significa ”combate de contato”, foi desenvolvido no começo do século passado por Imi Lichtenfeld, depois de ele perceber que faltava qualquer coisa às artes marciais tradicionais, como o karaté, jiu-jitsu ou boxe, para serem mais eficazes em cenários de violência real, como a guerra vivida naquela época.

Em meados de 1940, Lichtenfeld tinha a incrível missão de defender um quarteirão judeu durante o período de ativismo anti-semita em Bratislava, Eslováquia, e juntou um grupo de pugilistas e de wrestlers para alcançar tal feito.

Após esse desafio, Imi mudou-se para a Palestina, ainda antes da fundação do estado de Israel, e começou a fornecer treinamentos para as Forças de Defesa de Israel, tornando-se chefe das forças de combate do IDF, o exército israelita.

Hoje em dia, as melhores seguranças civis e militares do mundo contam com treinamentos especializados na arte israelita.

Fonte: Radio.wosu.org

Portugal não ficaria por fora!

A Federação Portuguesa de Krav Maga (FPKM) é representante oficial da Federação Europeia de Krav Maga (FEKM) em Portugal. Encabeçada pelo Mestre Paulo Pereira, que é o presidente e diretor técnico da Federação Portuguesa, a FPKM tem um universo de mais de 1.500 filiados espalhados pelo país, incluindo continente e ilhas da Madeira e Açores, e conta com mais de 50 escolas e 70 instrutores.

Tudo começou em 2004, quando Paulo Pereira participou de uma formação técnica com Richard Douieb, em Paris. O português foi convidado para integrar o corpo de formação da FEKM e assumir as funções de representante da Federação de seu país, com o objetivo de desenvolver e expandir a modalidade em todo o território nacional e juntar-se aos mais de 10 países que integram a estrutura.

Currículo de um herói.

Paulo tem um currículo extenso no mundo das lutas. Iniciou sua carreira no Full Contact aos 15 anos, foi multi-campeão em território nacional e campeão europeu na modalidade. Passou pelo Kickboxing, onde também recebeu diversos diplomas e reconhecimento, e começou a treinar Krav Maga no começo dos anos 2000. Já em 2004, tornaria-se referência mundial.

Fonte: Youtube.

Não por menos, a FPKM, liderada por Paulo, é responsável pela apresentação da arte Israelita e formação das Forças Militares e Policiais, como é o caso do mais recente protocolo assinado com o Exército Português para formação dos comandos. A Federação também é encarregada pela formação à Academia Militar, Polícia do Exército, COE, Polícia Judiciária, Instituto Superior da Polícia, Grupos de Intervenção, entre outros.

Uma arte suja, focada apenas em vencer, seja como for!

Fonte: The Beijinger.

O Krav Maga é conhecido como a arte da rua, sem regras, aonde vale realmente tudo para defender-se, mas que também prepara o estudioso da arte, psicologicamente a ser frio e calculista, a ponto de saber evitar os conflitos, para que assim tenha-se 100% de sucesso.

”Chega um ponto em que o tradicionalismo de uma arte marcial deixa de fazer sentido num cenário de violência. E se vem alguém com uma arma?” Dedos nos olhos, socos na garganta e até mesmo pontapés nos genitais são alguns dos componentes de defesa que tanto caracterizam o Krav Maga.

Fonte: Combatkm.

Acredito que ninguém quer nem gostaria de mostrar todo esse conhecimento avançado e eficaz, mas nos dias de hoje não é mau que tenhamos parceiros de proteção tão bem preparados para o pior.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter