Quem é o melhor Crossfitter português de sempre?

Tiago OliveiraFevereiro 18, 20204min2

Quem é o melhor Crossfitter português de sempre?

Tiago OliveiraFevereiro 18, 20204min2
Froning e Fraser são os grandes da História do Crossfit internacional, mas e em Portugal quem merece o destaque do "melhor"?

Desporto é giro, faz bem e é importante. Tudo muito certo e é verdade. Mas o ser humano gosta de competição, por isso, quem é o melhor CrossFitter Português?

A pergunta é universal, quem é o melhor de sempre, Fraser ou Froning? Os tempos são outros, os adversários são outros e mais bem preparados. Alguns dizem que Fraser atualmente ganharia sempre ao melhor Froning (para mim, a sua melhor performance competitiva foi em 2014, mas com honroso segundo lugar para o último WOD de 2013 nos Games). Outros dizem que Froning será sempre o melhor.

Logo, se a discussão é internacional, podemos também tê-la internamente.

A forma mais fácil seria olhar para o Open e ver quem ficou no primeiro lugar. Mas isso mostrava apenas um ano. Aliás, em 2019, mostrava desde logo duas pessoas. Serão esses os melhores? Afinal quem é o melhor até agora em Portugal?

Numa era (quase) pré-Instagram a prova era feita em competições como o Campeonato Nacional de CrossFit em 2013 (apenas com uma edição), nos Promofit, na Manz Cross Games entre outras. Naqueles tempos (quase ao estilo de era uma vez) o quarteto fantástico era constituído por Telmo Santos, Mauro Damião, Ricardo Pereira e Bruno Militão. Atualmente nenhum deles tem competindo, lesões aconteceram, a idade avançou e a vida aconteceu. Claro que naqueles tempos também houve algumas no reps. E houve também beefs entre eles, quem não se lembra do «chega para lá» do Militão ao Telmo. Mas, come on, faz parte, é o sal no desporto de competição. Mas o que importa era que quem era o melhor era provado in loco. À frente de todos. Onde a vontade, a capacidade e o esforço eram avaliados, provados e suados. Claro, havia o Open. E mesmo que o «campeão nacional» só exista há um par de anos, filmar um vídeo no conforto é uma coisa. É «fácil» quando estamos rodeados apenas de quem nos incentiva. Ou de alguém que nos conte as repetições e nos marque o ritmo. Na «arena» – como os atletas referem – é que as coisas valem e contam.

Assim, podíamos usar os pódios para determinar quem foi o melhor. Mas isso também não seria justo, porque nenhum dos 4, ou mesmo dos atletas mais recentes com aspirações (Veloso, Teresinho, Godinho, Ferreira – teremos o novo quarteto a formar-se?) competiram sempre nas mesmas competições e estamos perante gerações diferentes.

View this post on Instagram

Por diversas vezes ja me encontrei em situações de dor bastante comprometedoras que me poderiam levar ao "Break", no entanto desenvolvi através do treino ferramentas que me ajudam a superar esses momentos, focando as minhas acções apenas no objetivo final, libertando assim sensações que de certa forma "anestesiam" o momento de dor e me permitem continuar. Termos como "Mental thoughness" , "Mindfulness" ou "Atenção plena", são alguns dos assuntos que eu e o @miguellucas71 abordamos para te ajudar a encontrar métodos de superação a dor alterando esse estado negativo para um estado de eficiência motora positivo . #vantagemcompetitiva #treinomentalparacrossfiter #mentaltraining #crossfit #crosstraining #motivation #pain #progress #evolution #builtbymaurodamiao #psicologiadesportiva #lifestyle #crossandrun #fittest @miguellucas71 @andreiamotapacheco @planetacrossfit

A post shared by Mauro Damiao (@mauro_damiao) on

Olhar para quem conseguiu «mais» na hierarquia do apuramento dos Games não deixa de ser um critério falacioso, porque dá uma vantagem temporal aos novos atletas e desconsidera as performances do trio que foi ao último Regional em Madrid (Bártolo, Ferreira e Godinho). Alguém ainda se lembra do Bártolo a derrubar o pino após o Event 1?

Pelo que não deixa de ser irónico que num desporto controlado por número (quantas reps em quanto tempo, quanto tempo para fazer determinado trabalho etc…) a melhor forma de avaliar é analisar as performances e, um outro item muito caro dos CrossFitters, a regularidade.

Claro que há atletas que se resguardam para algumas competições em particular. Nada contra, mas então são avaliados nessas competições. Outros, vão a todas, onde podem perder o foco e fogo, mas, em contrapartida, são mais facilmente avaliados e um mau evento é apenas um mau evento. Pelo meio entram os vídeos e o Open. E entra competições e vídeos tem de existir coerência. O exemplo internacional – num lado do expoente para ilustrar – Fraser ou Froning ganharam o Open com vídeos. Mas em competições, na arena, mostraram o que valem, mostraram o querer, a capacidade e a vontade. Head to Head, Fraser e Froning fizeram dois Open Anouncements, com uma vitória para cada lado.

Então temos definido que, apesar de tudo, a qualificação do melhor CrossFitter tem por detrás uma avaliação subjetiva. Sujeita a contradições e discordâncias, é certo.

A capacidade foi demonstrada em várias competições. Algumas com diferenças significativas para os adversários diretos. A forma e os movimentos podiam não ser, por vezes os melhores, a dúvida quando competia era qual o lugar do pódio iria alcançar. Mas o que o diferenciava de todos os restantes era a vontade e o querer. De todos os atletas que vi competir, nenhum teve aquela vontade de querer competir e querer ganhar. Não interessava quem estava na competição. Alias, quem estivesse era mais competição, era mais foco e determinação. Por isso, para mim, analisadas as várias performances que vi, Bruno Militão é, até agora o melhor de sempre.

Mas, ninguém é o melhor para sempre. O que pode fazer esta nova geração e aquele novo Quarteto Fantástico vamos ver. Como que uma nova franchise com novos heróis do CrossFit nacional


2 comments

  • Filipa

    Fevereiro 24, 2020 at 2:37 pm

    Quando é que começam a incluir as melhores neste “tops”?

    Reply

    • Filipa

      Fevereiro 24, 2020 at 2:38 pm

      *as melhores (mulheres)

      Reply

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter