Lacrosse: A Nova Era da PLL e o Futuro do Lacrosse

Miguel Veloso MartinsJunho 1, 20195min0

Lacrosse: A Nova Era da PLL e o Futuro do Lacrosse

Miguel Veloso MartinsJunho 1, 20195min0
A PLL está a chegar! No nosso primeiro artigo sobre lacrosse iremos explorar a nova liga norte-americana e aquilo que a torna tão importante para o desporto.

Pela primeira vez em décadas um dos desportos mais antigos da América do Norte está divido no panorama profissional. De um lado temos a Major League Lacrosse, uma liga com duas décadas de existência e bastantes altos e baixos. Do outro a Premiere Lacrosse League, uma liga nova fundado pelos melhores jogadores da modalidade e os maiores investidores. É fácil ver qual tem sido a opção mais comum dos jogadores e adeptos este ano. A primeira temporada da PLL começa hoje (1 de Junho de 2019).

Neste artigo iremos explorar a nova liga e como esta quer mudar a maneira como vemos a modalidade, mas antes demais o que é o lacrosse?

Lacrosse

Lacrosse é um desporto criado pelos nativos da América do Norte, que mais tarde se espalhou por todo o mundo, principalmente Canadá e EUA. Existem diversas versões das regras para a modalidade e a PLL tem a sua própria versão.

A modalidade é jogada por 2 equipas de 10 jogadores: 1 guarda redes, 3 defesas, 3 meio-campo e 3 atacantes. Os jogadores são equipados com sticks que permitem apanhar e lançar a bola, tendo o objetivo de marcar golo na baliza adversária. Cada jogo consiste em 4 partes de 12 minutos de duração, menos do que o normal, e os atletas têm 52 segundos para tentar marcar golo.

Contacto físico é uma parte importante do desporto, sendo permitido contacto contra jogadores com posse de bola ou que estejam próximos de uma bola perdida.
Agora que sabes as regras básicas, vamos falar da nova liga.

 

A Premier Lacrosse League

A nova liga que promete trazer a oportunidade de jogar profissional como um full-time job e assim criar o melhor produto para os fã. Os jogadores “profissionais” de lacrosse sempre tiveram de combinar a vida de atleta profissional com outro emprego. Pela primeira vez na história da modalidade, uma liga oferece as condições necessárias para que tal não aconteça. A liga tem também mostrado grande foco no marketing e expansão através das redes sociais, algo que a MLL nunca foi capaz de fazer.

Estas foram algumas das principais promessas do fundador e estrela da modalidade, Paul Rabil. Rabil foi o primeiro jogador milionário do lacrosse e, após anos como profissional, viu que estava na altura de mudança para o desporto.

Rapidamente Rabil e o seu irmão Mike começaram a contactar investidores para criar uma liga de sonho, uma liga para os jogadores. Não só a PLL é uma liga para os jogadores como é uma liga dos jogadores, sendo parte dos seus contratos uma percentagem da propriedade da liga.

Rabil decidiu também que a liga não deveria seguir uma rota tradicional. Pelo menos nas primeiras temporadas, todas as equipas da PLL irão viajar todas as semanas para uma cidade diferente. Isto significa que nenhuma equipa tem conexão com uma cidade, sendo assim marcas independentes.

 

As Equipas

Para a primeira temporada da PLL foram anunciadas 6 equipas: os Archers, os Atlas, os Chaos, os Chrome, os Redwoods e os Whipsnakes. Apesar de não estarem ligadas a cidades, o branding e uniformes únicos têm algo para todos. Para além da aparência, todas as equipas têm identidades e personalidades dentro de campo bastante diferentes.

Os Archers têm um dos melhores jogadores de meio-campo em Tom Schreiber e um dos ataques mais fortes da liga. A equipa tem uma dinâmica fenomenal que deve facilitar o jogo ofensivo de forma tremenda.

Os Atlas são a “casa” de várias estrelas, especialmente do próprio fundador da liga, Paul Rabil. A equipa de Rabil promete trazer agressividade e poderio para a PLL e ótimo jogo de transição.

Os Chaos são uma força da natureza. Com Myles Jones como a cara da equipa, os Chaos são uma das equipas mais rápidas e atléticas da liga. A expectativa é que a equipa domine o jogo de meio-campo e transição.

Os Chrome têm um grande número de jogadores que jogavam para os Rattlers na MLL, a química já está estabelecida para grande parte plantel. Com um dos melhores treinadores da modalidade, Dom Starsia, como treinador podemos esperar ver uma equipas das melhores e mais divertidas.

Os Redwoods são uma equipa disciplinada. Apesar de não terem o melhor ataque, a equipa de St. Laurent é sem dúvida a equipa mais forte da liga defensivamente. Vai ser interessante ver como a equipa reage numa liga tão focada no ataque.

Por fim, os Whipsnakes têm o plantel mais flexível da PLL. O plantel, maioritariamente constituído por antigos jogadores de Maryland, está repleto de jogadores capazes de jogar um enorme numero de posições. Esta equipa pode ser tudo aquilo que o treinador Jim Stagnitta quiser.

 

Agora estás pronto para aproveitar a Premiere Lacrosse League ao máximo. O futuro do lacrosse está nas mãos da PLL e temos a certeza que farão todos os possíveis para tornar o desporto no sucesso que merece ser.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter