Paralímpiada – História do maior evento esportivo com pessoas deficientes

Thiago MacielAgosto 25, 20216min0

Paralímpiada – História do maior evento esportivo com pessoas deficientes

Thiago MacielAgosto 25, 20216min0
Trata-se do principal encontro de atletas com deficiência no mundo. Ele reúne participantes com variadas limitações de mobilidade.

A História da Paralimpíada

Os primeiros jogos paralímpicos (ou Paralimpíada) se deram em 1960, em Roma, capital da Itália. Essa iniciativa foi baseada nas competições esportivas para deficientes físicos realizadas na cidade inglesa de Stoke Mandeville. Em sua origem, a meta era restabelecer os militares que se feriram durante a Segunda Guerra Mundial.

Em 1948, Ludwig Guttman organizou uma competição esportiva que envolvia veteranos da Segunda Guerra Mundial com lesão na medula espinhal. O evento foi realizado em Stoke Mandeville, na Inglaterra. Quatro anos mais tarde, competidores da Holanda uniram-se aos Jogos e assim nasceu um movimento internacional. Este fez com que jogos no estilo olímpico, para atletas deficientes, fossem organizados pela primeira vez em Roma, em 1960.

Ludwig Guttman organizou uma competição esportiva que envolvia veteranos da Segunda Guerra Mundial com lesão na medula espinhal.

Em Toronto, 16 anos depois, foram adicionados na competição outros grupos de pessoas com deficiência. A partir daí, surgiu a ideia de fundir estes diferentes grupos em um grande torneio esportivo internacional. Naquele mesmo ano, 1976, a Suécia organizou os primeiros Jogos Paralímpicos de Inverno.

Edição juntos as Olimpíadas

Após as Olimpíadas de 1988, sediada em Seul (Coréia do Sul), o suporte do Comitê Olímpico Internacional viabilizou o estabelecimento do Comitê Paralímpico Internacional (IPC, na sigla em inglês) no ano seguinte. Desde então, ambos os eventos passaram a acontecer na mesma cidade.

Outro marco na trajetória das paralimpíadas foi em 1992, nos Jogos de Barcelona, quando os comitês responsáveis pelas Olimpíadas e pelos Jogos Paraolímpicos atuaram em conjunto pela primeira vez. O sistema classificatório passou a englobar um número maior de condições físicas e também a separar os atletas pelo grau e forma de deficiência.

Em 19 de junho de 2001, foi assinado um acordo entre o Comitê Olímpico Internacional (COI) e o Comitê Paralímpico Internacional (IPC) que assegura esta prática para o futuro.

Desde o processo de escolha para os Jogos de 2012, a cidade-sede escolhida também é obrigada a acolher a Paralimpíada. Londres, no Reino Unido, recebeu a maior Paralimpíada da história.

Como são qualificados os atletas

Para participar, os atletas devem possuir deficiências físicas ou sensoriais, como amputações, paralisia cerebral, cegueiras e deficiências mentais. As modalidades são adaptadas de acordo com as deficiências e ocorrem tanto no tempo de prova, quanto nas estruturas de equipamentos, quadras e pistas.

O grau de deficiência dos atletas faz com que as categorias sejam divididas em:

Paraplegia – PP
Amputados – AM
Deficientes visuais – VI
Paralisia cerebral – PC
Deficiência intelectual – IN
Les autres – deficiências não abrangidas pelas outras categorias – LA

Foto: Getty Images

Os atletas com deficiência física são classificados em cada modalidade esportiva através do sistema de classificação funcional. Este sistema visa classificar os atletas com diferentes deficiências físicas em um mesmo perfil funcional para a competição.

Na natação, por exemplo, são 10 classes para o nado de costas, livre e golfinho, 10 classes para o medley e 9 classes para o peito.

Apesar destas classificações serem aceitas pelo Comitê Paraolímpico Internacional – IPC, existe muita polêmica em relação a estes sistemas e muitos atletas são protestados durante as competições. Também ocorre de o Comitê alterar classes e atletas que antes podiam disputar os jogos ficam inabilitados de participar.

Jogos mais que estabelecidos

Hoje, as Paralimpíadas são eventos de esporte de alto rendimento para atletas deficientes. Apesar disso, elas enfatizam mais as conquistas do que as deficiências de seus participantes.

A divulgação dos Jogos Paraolímpicos fez com que ficássemos admirados, ou mesmo perplexos com a performance de atletas em cadeira de rodas, no atletismo, no basquetebol, de atletas cegos seguindo uma bola com guizo no futebol e de atletas sem braços e pernas competindo na natação.

Estas imagens, agora, devem ficar registradas para repensarmos sobre nossas opiniões, conceitos e ações em relação a estas pessoas que estão com certeza muito próximas de nós, mas que só adquirem visibilidade social nesse tipo de competição.

Modalidades

Listo algumas modalidades mais interessantes dos jogos:

Futebol de 5

O futebol de 5 é exclusivo para deficientes visuais, com exceção do goleiro, que não tem deficiência visual, mas não pode ter participado de competições oficiais da FIFA (Federação Internacional de Futebol) por cinco anos.

Judô

O judô paraolímpico é disputado por pessoas deficientes visuais, o atletas são divididos em categorias de acordo com seus pesos corporais.

Dentre as adaptações para esse esporte, é importante ressaltar que o combate só é iniciado quando os atletas estão segurando o quimono um do outro e, caso o contato entre os participantes seja perdido, a luta é interrompida.

Natação

A natação tem 29 provas: 14 masculinas, 14 femininas e um revezamento misto. Os atletas são agrupados em 14 classes funcionais: de 1 a 10 são nadadores com limitações físicas/motoras, de 11 a 13 são nadadores com deficiência visual, e 14 é a classe dos nadadores com deficiência intelectual.

Paralímpiada
Foto: Getty Images

Vôlei sentado

No vôlei sentado, os participantes são classificados em jogadores com mobilidade debilitada e minimamente debilitada. Cada equipe só pode ter dois jogadores classificados como minimamente debilitados, e estes não podem estar em quadra ao mesmo tempo.

Em geral, participam desde amputados e jogadores com alta debilidade locomotora até atletas deficiências leves, que comprometem sobretudo a amplitude dos movimentos.

Assim, no próximo dia 24 de agosto fique ligado nesses jogos tão extraordinários e cheio de histórias de vida interessantes.

Foto: Getty Images

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter