Top50 – Melhores marcadores das últimas 8 épocas na 1ª Divisão (26º-30º)

José NevesJulho 20, 20213min0

Top50 – Melhores marcadores das últimas 8 épocas na 1ª Divisão (26º-30º)

José NevesJulho 20, 20213min0
Muito foram os craques que brilharam nos rinques da 1ª Divisão nas últimas 8 épocas. Quais foram os melhores marcadores desde 2013/14?

Chegamos a meio da lista dos melhores marcadores do campeonato nacional da 1ª divisão das últimas oito temporadas e, tal como nos últimos artigos, voltamos a encontrar aqui nomes sonantes da história recente do hóquei em patins português.

30º Ângelo Fernandes – 107 Golos (HC Braga)

Na posição 30 desta lista de melhores marcadores surge o capitão do HC Braga, Ângelo Fernandes. Um dos bons marcadores de bolas paradas do nosso campeonato nos últimos anos, e dono de uma poderosa stickada de meia distância, Ângelo tem sido uma das grandes figuras do Braga desde o regresso ao primeiro escalão.

Nas últimas três épocas Ângelo Fernandes mostrou ser o verdadeiro “homem-golo” dos bracarenses, ultrapassando sempre a marca dos 20 golos no campeonato. Foram 21 golos apontados nas épocas 2018/19 e 2019/20, e 28 na última temporada de 2020/21.

29º Francisco Silva – 108 Golos (HA Cambra, AJ Viana)

Com um total de 108 golos marcados para o campeonato da 1ª divisão ao longo das últimas oito temporadas, temos, na posição 29, Francisco Silva, um dos destaques das últimas temporadas da Juventude de Viana.

Nas últimas sete épocas ao serviço dos vianenses, Francisco Silva apontou 96 golos em jogos a contar para o campeonato, aos quais junta 12 apontados na época 2013/14 pelo Cambra. Apesar de por apenas uma ocasião ter ultrapassado a barreira dos 20 golos (25 em 2018/19), Francisco Silva é um dos mais regulares marcadores da história recente da Juventude de Viana.

Francisco Silva é um dos destaques da história recente da J. Viana (Foto: Afonso Ferraz/FPP)

28º Hugo Costa – 110 Golos (OC Barcelos, Famalicense AC)

Experiente avançado com várias épocas ao serviço do histórico OC Barcelos, os 110 golos marcados por Hugo Costa na 1ª divisão desde 2013/14 valem-lhe a posição 28 nesta lista de melhores marcadores.

Com seis temporadas ao serviço do Barcelos a entrar nesta contagem, nas quais marcou 90 golos, Hugo Costa juntou os restantes 20 tentos com a camisola do Famalicense na temporada 2020/21, tendo sido um dos grandes destaques da formação famalicense, apesar da despromoção ao segundo escalão.

27º Lucas Ordoñez – 110 Golos (SL Benfica)

Com os mesmos 110 golos marcados, mas com a impressionante marca de os ter conseguido em apenas três temporadas, o matador argentino Lucas Ordoñez entra já dentro do top30 desta lista de melhores marcadores.

Nesta lista juntamos os dados das últimas oito edições do campeonato nacional, mas Ordoñez precisou apenas de participar em três para aqui chegar. Uma impressionante média de 36 golos marcados por época valeriam um lugar bem mais alto ao argentino, tivesse ele uma maior experiência em Portugal. Os 52 golos marcados no campeonato esta época, são demonstrativos do poderio ofensivo do craque argentino.

26º Daniel Oliveira “Poka” – 111 Golos (UD Oliveirense, Sporting CP, AD Valongo, FC Porto)

Fechamos a primeira metade da lista com um hoquista que já alinhou em quase todos os grandes clubes em Portugal. Formado no histórico Gulpilhares, Poka já passou por Valongo, Oliveirense, Sporting e Porto, sendo reforço do Benfica para 2021/22.

Apesar de ser defesa/médio, Poka é um jogador com golo na ponta do stick, por todos os clubes onde passou, apenas no FC Porto nunca ultrapassou a marca dos 10 golos marcados no campeonato (8 em 2018/19 e 2020/21 e 6 em 2019/20), tendo em 2017/18, ao serviço do Valongo, marcado por 33 vezes, 15 delas de bola parada.

“Poka” tem quase todos os grandes clubes portugueses no currículo (Foto: FC Porto)

(Foto de Capa: Catarina Maria / FPP)


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter