Sporting Clube Marinhense – Leão da Embra preparado para fazer história

José NevesSetembro 26, 20185min2

Sporting Clube Marinhense – Leão da Embra preparado para fazer história

José NevesSetembro 26, 20185min2
O Sporting Clube Marinhense regressa à 1ª Divisão Nacional 20 anos depois da última presença no principal escalão. Conseguirá fazer esta época o que nunca conseguiu em anteriores participações?

O Sporting Clube Marinhense chega à primeira divisão apenas 2 anos depois do título de campeão nacional da 3ª Divisão, conquistado na temporada de 2015-16. Na época passada o Marinhense foi 2º classificado na 2ª Divisão Nacional – Zona Sul, apenas atrás do Benfica B, o que permitiu a turma liderada por Tiago Sousa ascender directamente à principal divisão do hóquei em patins português.

Com dois jogadores no top-5 dos melhores marcadores da zona sul da 2ª Divisão – Filipe Vaz com 35 golos apontados, e Pedro Coelho com 33 – o Marinhense obteve o segundo melhor registo ofensivo do campeonato, com 130 golos marcados, apenas batido pelos 135 das jovens águias. A equipa do Marinhense fez da sua casa uma autêntica fortaleza, conquistando 33 de 39 pontos possíveis no seu pavilhão, as únicas duas formações a sair da Marinha Grande com pontos foram o Benfica B e o Alenquer e Benfica, com vitórias por 3-4 e 3-5 respectivamente.

Filipe Vaz, capitão do Marinhense, é uma das figuras da equipa (Foto: Facebook SC Marinhense)

Para esta época de maior exigência o Marinhense apresenta-se com quatro reforços, alguns deles com características para se tornarem peças importantes no xadrez de Tiago Sousa. Começando pela baliza, o SC Marinhense apresenta a mesma dupla de guarda-redes que defendeu as cores do SC Tomar na 1ª Divisão em 2016-17, e que boa conta do recado deu para a formação nabantina, garantindo facilmente a manutenção. Nuno Peça, que na temporada passada foi titular na baliza do Marinhense, vê agora chegar o seu ex-companheiro Marco Gaspar.

Com esta dupla na baliza, o guardião Márcio Ornelas, que juntamente com Dário Santo são os únicos dois jogadores que se mantém da equipa campeã da 3ª Divisão, deverá ser relegado para um papel de 3º guarda-redes, e provavelmente terá muito pouco tempo de jogo na temporada que se avizinha.

Para além do guarda-redes Marco Gaspar, o Marinhense vai atacar a manutenção com dois reforços que prometem ser preponderantes para o técnico Tiago Sousa, falamos de João Lomba e Gonçalo Domingues. Em ambos os casos trata-se de regressos ao clube, Gonçalo Domingues, de 20 anos, é natural da Marinha Grande e chega do Sporting B, regressa ao clube que o viu nascer para o hóquei depois de passagens na formação de SC Tomar, HC Turquel, SL Benfica e AD Oeiras, neste último destacou-se no seu último ano de júnior ao marcar 67 golos no campeonato nacional da categoria, em 2016-17.

João Lomba é um experiente defesa/médio, também ele natural da Marinha Grande, que chega do Tomar onde passou as últimas 8 temporadas, e onde sob a orientação de Nuno Domingues na temporada passada foi titular em 25 dos 26 jogos do campeonato nacional. Apesar da importância que teve no Tomar em 2017-18, o experiente jogador acabou por não fazer parte dos planos de Jorge Godinho, novo técnico da equipa da cidade dos templários, e regressa também à casa de partida.

O quarto reforço é, talvez, o menos sonante, mas poderá ter um papel importante na rotação da equipa do Marinhense. Gonçalo Louzada foi uma das figuras do HC Mealhada na temporada 2013-14, em que a equipa da Bairrada disputou a 1ª Divisão Nacional. Aí, Louzada partilhou balneário com Tiago Sousa, o seu agora técnico que defendeu a baliza do Mealhada nessa época, também faziam parte dessa equipa do Mealhada Filipe Vaz, Pedro Coelho e Filipe Almeida, três jogadores habituais titulares no Marinhense na temporada transacta.

As semelhanças entre o Mealhada 2013-14 e o Marinhense 2018-19 são várias, mas esperam os adeptos do clube leiriense que o desfecho seja diferente, já que o Mealhada acabou por ser uma das cinco equipas despromovidas nessa temporada.

João Lomba é um dos principais reforços para esta época (Foto: scmarinhense.pt)

O Marinhense inicia a sua aventura na 1ª Divisão Nacional perante o seu público frente à AD Valongo, um jogo exigente a abrir frente a uma formação valonguense que se apresenta com pretensões em defender a 5ª posição alcançada na temporada passada. Após este jogo inaugural, e até à 5ª jornada, o Marinhense recebe no seu pavilhão as equipas do Oeiras e do Paço de Arcos, podendo aqui presentear o seu público com uma primeira vitória, isto caso não consiga surpreender o Valongo na jornada inaugural.

O primeiro jogo fora da equipa de Tiago Sousa é no sempre difícil pavilhão do HC Turquel, num jogo que marca o primeiro derby de sempre do distrito de Leiria na 1ª Divisão Nacional.

Apesar de ser considerado por muitos como o principal candidato à despromoção, o Marinhense apresenta-se apostado em contrariar essa profecia e alcançar pela primeira vez na sua história a manutenção no principal escalão. Para já os primeiros sinais de pré-época são bastante positivos, o Marinhense apresentou-se aos sócios perante o campeão nacional Sporting, perdendo apenas por 2-4. Mais recentemente, no Torneio Eurocidade de Valença, a equipa da Marinha Grande derrotou a Juventude de Viana por 6-4, e o SL Benfica na final do torneio no desempate por grandes penalidade, após empate a 3 bolas no tempo regulamentar.

É verdade que se trata apenas de jogos de pré-temporada, mas os sinais vindos da Marinha Grande são bastante animadores.


2 comments

  • Pedro António Correia da Fonseca

    Setembro 26, 2018 at 10:42 pm

    Outro reparo – o Sporting Clube Marinhense não é uma equipa de Leiria, mas sim da Marinha Grande.

    Reply

  • Pedro António Correia da Fonseca

    Setembro 26, 2018 at 10:34 pm

    Boa noite Sr. José Neves, deixe que lhe faça um pequeno, o titulo não está correcto – deve ser “Leões da Embra preparados….” – olhe para o símbolo do clube. Cpts.

    Reply

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter