Segunda Divisão Nacional – Equipas leoninas dominam

José NevesDezembro 27, 201911min0

Segunda Divisão Nacional – Equipas leoninas dominam

José NevesDezembro 27, 201911min0
As primeiras onze jornadas do campeonato nacional da segunda divisão conheceram apenas dois líderes, o Sporting Clube Marinhense a norte e o Sporting Clube de Tomar a sul.

A pausa do período natalício chegou à segunda divisão nacional após a 11ª jornada, apesar de em ambas as séries algumas formações terem como realizados apenas 10 jogos. Tanto a norte como a sul o líder à 11ª ronda é o mesmo desde o arranque da prova, um percurso semelhante de duas equipas relegadas da primeira divisão na temporada transacta, e que procuram o regresso imediato a melhor campeonato do Mundo. Mas apesar do trajecto irrepreensível de ambas, Marinhense e Tomar contam com vários pretendentes ao seu posto próximos na classificação. O regresso há elite está ainda longe de se consumar. 

Leão da Embra goleador com toque sul-americano 

Na zona norte da segunda divisão o Marinhense conta com várias equipas em sua perseguição com menos de 10 pontos de desvantagem, com principal destaque para o Famalicense que surge a apenas dois pontos da turma da Marinha Grande, mas se olharmos para a tabela classificativa, um número salta à vista.  

Os 77 golos marcados pelo Marinhense em 11 partidas disputadas fazem da equipa de Nuno Domingues, não só o melhor ataque da zona norte da segunda divisão, como o melhor ataque de todo o panorama do hóquei em patins português. Nem na primeira, nem na terceira divisões alguma equipa excede a marca dos 70 golos marcados, apesar de no terceiro escalão o CD Póvoa surgir com uma melhor média de golos, com 68 em apenas 9 partidas. 

Se analisarmos em maior detalhe estes números descobrimos outro dado estatístico ainda mais impressionante, nos seis jogos realizados no seu reduto, o Marinhense somou por vitórias todas as partidas que realizou tendo apontado 50 golos e sofrido apenas 15, uma média superior a 8 golos marcados por jogo. Entre as vitórias caseiras contam-se goleadas por 13-2 ao Fânzeres, 9-1 ao Infante Sagres, e 9-2 ao Valença. 

A equipa do Marinhense tem confirmado o estatuto de favorito à subida, tendo inclusive se reforçado nos últimos dias com mais um atleta que irá certamente aumentar ainda mais o nível qualitativo da equipa. Mathias Arnaez, defesa/médio ex. Física junta-se aos compatriotas Juan Fontán e Tomás Korosec, e aos chilenos Angel Vera e Nico Carmona na equipa da Marinha Grande, formando um quinteto sul-americano de grande qualidade para a realidade de uma segunda divisão, de olhos postos no regresso ao escalão principal do hóquei português. 

Nico Carmona é uma das referências do Marinhense (Foto: SC Marinhense)

Na perseguição ao líder surge o Famalicense, a equipa em melhor forma do campeonato actualmente com 6 vitórias consecutivas. A equipa liderada por Vítor Silva não apresenta a apetência para o golo do Marinhense, mas destaca-se pelo dado estatístico contrário, é a melhor defesa do campeonato com apenas 29 golos sofridos. 

Posição de destaque ainda para o Carvalhos, que surge no terceiro posto da tabela classificativa a apenas 5 pontos do líder. A formação do Carvalhos apresenta um registo 100% vitorioso no seu pavilhão, com seis vitórias em outros tantos jogos, tendo sido uma das duas formações a bater o Marinhense na presente temporada, contrastando com os números apresentados fora do seu reduto, onde apenas por uma vez conheceu o sabor da vitória. 

Na parte oposta da tabela encontramos duas formações que se encontram já a uma distância considerável dos lugares de manutenção. O Fânzeres, equipa que em 2018/19 subiu da terceira divisão, ocupou o último lugar do campeonato em 10 das 11 rondas já disputadas, contando apenas com uma vitória (diante da Escola Livre) e um empate (na recepção ao Cambra). Para além disso o Fânzeres é, juntamente com a Escola Livre de Azeméis, o pior ataque da prova com 30 golos apontados, e a pior defesa com 70 sofridos, mais 15 que a segunda equipa com mais golos sofridos, o Limianos. Um número elevado que justifica a posição ocupada na tabela, e deixa a equipa do Fânzeres próxima do regresso ao terceiro escalão. 

Igualmente com apenas 4 pontos averbados surge a formação do Limianos, uma vitória caseira frente ao Fânzeres e um empate em Coimbra, deixam a turma minhota numa posição delicada. Um início de temporada difícil que já fez uma vítima no Limianos, o técnico Paulo Morais abandonou o comando da equipa após 9 jornadas, e numa altura em que a equipa somava apenas 1 ponto conquistado. César Carvalho, uma das principais contratações para esta temporada, ex.Famalicense, acabou também por sair do clube após 9 jogos e apenas 4 golos apontados, tendo regressado a Famalicão na tentativa de fazer regressar o Famalicense ao escalão principal do hóquei português. 

No plano individual, destaque para Hugo Barata, do Cavalhos, e Nico Carmona, do Marinhense, que partilham a liderança da lista de melhores marcadores com 23 tentos apontados, os únicos dois jogadores com uma média superior a 2 golos por jogo. No caso do hoquista chileno é a confirmação da veia goleadora que já havia mostrado na temporada passada na primeira divisão, onde foi o principal artilheiro do Marinhense com 23 golos marcados. Para o jovem do Carvalhos, reforço oriundo da equipa de juniores do Valongo, é a demonstração e confirmação do talento que lhe era reconhecido nos escalões de formação. 

Classificação à 11ª jornada (Fonte: hoqueipatins.pt)

Luta a quatro com vantagem nabantina 

Na zona sul a luta pela promoção parece reduzida a quatro formações, com Tomar, Parede, Candelária e Alenquer (estas últimas duas com menos uma partida realizada), a destacarem-se das restantes. 

O líder Tomar era já apontado no arranque da época como o principal candidato à subida, e tem provado o porquê, com 30 pontos amealhados em 33 possíveis, a única equipa capaz de parar a formação treinada por Nuno Lopes foi a Candelária, que venceu em Tomar por 2-4. 

Mas apesar do excelente desempenho dentro de rinque, a primeira metade da época não tem tido só aspectos positivos para os nabantinos. No início do mês de Dezembro, e após 8 jornadas, João Sardo e o guardião Diogo Alves foram amos dispensados do clube por razões disciplinares. Há altura, João Sardo era o melhor marcador da equipa no campeonato com 11 golos apontados, Diogo Alves o habitual titular da baliza, numa das defesas menos batidas da prova.  

Ainda assim a equipa de Nuno Lopes não acusou a situação, e averbou três vitórias nos três jogos disputados após a saída de ambos os atletas, triunfando nos terrenos de Grândola (1-4) e Juventude Salesiana (2-6), e na recepção à Biblioteca (4-3). E conta para 2020 com Anderson Silva, internacional angolano que chega para colmatar a saída de João Sardo.

O trio de perseguidores é liderado pelo Parede, que surge a três pontos da liderança. A equipa lisboeta soma duas derrotas, ambas fora de portas nos terrenos de Alenquer e Oeiras, tendo como principal resultado uma vitória por 2-3 nos Açores, em casa da Candelária.

Os insulares surgem na terceira posição e apresentam-se como a melhor defesa da prova, apesar de terem menos um jogo disputado. O único carrasco do Tomar na presente temporada tem feito da consistência defensiva a sua principal arma, tendo consentido 27 golos, menos um que os ribatejanos e que o Alenquer, mas é apenas o 8ª melhor ataque do campeonato com apenas 40 golos apontados, menos que todas as equipas nas seis primeiras posições. 

Na quarta posição aparece o Alenquer a 9 pontos do Sporting de Tomar, mas igualmente com menos uma partida realizada. Apesar de estar bem dentro da luta pela promoção, o técnico Diogo Ganchas foi substituído no decorrer da época por Rui Henriques, treinador que se irá estrear no início de 2020, na recepção do Alenquer ao Grândola. 

Na 5ª e 6ª posições, mas já a mais de uma dezena de pontos do primeiro lugar, encontram-se Biblioteca e Oeiras respectivamente. Ambas ainda com verdadeiras chances de lutar pelos dois primeiros lugares, mas a realizar uma primeira volta irregular. A equipa da linha recém despromovida da primeira divisão, é mais uma das formações com um encontro por disputar, e vai tentar na jornada inaugural do próximo ano civil, na recepção ao Sporting de Torres, a sua terceira vitória consecutiva, algo que ainda não conseguiu fazer nesta presente temporada. 

A Biblioteca está a realizar uma temporada melhor em relação à transacta em todos os aspectos. Com 19 pontos contra os 13 que averbava no mesmo período do ano passado, com mais golos marcados (49 contra os 46 do ano passado) e menos golos sofridos (39 esta época, 59 à 11ª jornada da época anterior). Os reforços sonantes e oriundos da primeira divisão Nuno Peça (ex. Marinhense), e Luís Silva (ex. Turquel) têm contribuído decisivamente nesta melhoria, levando a equipa a disputar os primeiros lugares da tabela, mas duas derrotas consecutivas nas últimas duas jornadas frente a adversários da luta pela subida (Tomar e Parede), atrasaram a equipa de Valado de Frades na batalha pelos dois primeiros lugares. 

Luís Silva é um dos destaques da boa temporada da Biblioteca (Foto: Biblioteca IR)

No fundo da tabela Sesimbra e Campo de Ourique têm demonstrado dificuldades em acompanhar o ritmo das restantes equipas que lutam pela manutenção, e surgem já a uma distância considerável do 11º lugar. 

O histórico Sesimbra foi uma das equipas que conquistaram a promoção do terceiro escalão na temporada de 2018/19, mas é a única das 28 que disputam a segunda divisão nacional a ainda não ter vencido qualquer jogo. Os três pontos que soma são referentes a três empates, todos na condição de visitado, frente a Alverca, Murches e Sintra. A saída do goleador Tiago Jorge, um dos grandes responsáveis pelo sucesso no terceiro escalão, deixou marcas na equipa que esta temporada, e em 10 partidas realizadas, apenas marcou por 19 ocasiões. 

Em Campo de Ourique o cenário é pouco mais favorável, são apenas 4 os pontos averbados pela formação lisboeta, resultantes de um empate caseiro frente ao Sintra, e uma vitória no terreno do Sporting de Torres. Tanto Sesimbra como Campo de Ourique têm um jogo em atraso, curiosamente o confronto directo entre ambos no terreno do Campo de Ourique, sendo essa uma partida de redobrada importância para ambos os conjuntos. 

A lista de goleadores é liderada por Bernardo Maria, jogador do Sintra, que apesar da posição da sua equipa em zona de despromoção, fez abanar as redes adversárias por 24 vezes. Bernardo tem mesmo mais de 50% dos golos da equipa, tendo o Sintra 44 golos apontados em todo o campeonato, o jogador sintrense é o único hoquista com média superior a 2 golos por jogo, Tomás Cardoso, do Murches, e João Candeias, da Candelária, concluem o pódio no que aos artilheiros diz respeito. 

 

Classificação à 11ª jornada (Fonte: hoqueipatins.pt)

O campeonato nacional da segunda divisão, tal como sucede no primeiro escalão, é nivelado por cima, e apesar de os dois favoritos liderarem ambas as séries desde a primeira jornada, são várias as equipas recheadas de qualidade que de perto os seguem, e prometem no que resta da temporada proporcionarem lutas emocionantes pelos três lugares que darão acesso ao melhor campeonato do Mundo em 2020/21. 

 

(Foto de Capa: SC Marinhense)


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter