Riba d’Ave Hóquei Clube – Minhotos de olhos postos na manutenção

José NevesSetembro 27, 20185min0

Riba d’Ave Hóquei Clube – Minhotos de olhos postos na manutenção

José NevesSetembro 27, 20185min0
Prosseguimos com a antevisão do Campeonato Nacional da 1ª Divisão de Hóquei em Patins. Hoje fazemos uma paragem na primeira das quatro equipas minhotas presentes nesta edição do campeonato.

Depois da despromoção, o regresso. O Riba d’Ave que havia sido despromovido de forma polémica em 2016-17, mostrou na temporada passada estar um nível acima de quase toda a concorrência na 2ª Divisão Nacional – Zona Norte, e carimbou o regresso à elite do Hóquei em Patins português. A única formação a seguir de perto os minhotos no topo da classificação foi a AD Sanjoanense, que terminou o campeonato a apenas 1 ponto do Riba d’Ave, e falhou a subida de divisão por… 6 segundos.

É verdade, foram 6 segundos que separaram a Sanjoanense do 1º lugar que acabou por pertencer ao Riba d’Ave. Isto porque na última jornada, ambas as equipas entraram em campo separadas por 1 ponto favorável à turma minhota, o Riba d’Ave, que visitava o campo do já despromovido Gulpilhares, não foi além de um empate a 6 bolas, já a Sanjoanense vencia o FC Porto B por 6-5 quando, a 6 segundos do fim, o jovem portista Dinis Abreu na transformação de um livre directo, empatou o jogo também a 6 , um golo que valeu o regresso do Riba d’Ave à divisão maior do hóquei nacional.

Na equipa do Riba d’Ave um nome se destacou, Hugo Azevedo acumulou funções de jogador e treinador, e para além de ter sido o obreiro da promoção através do banco, também foi quem mais contribuiu dentro de pista, marcando por 68 vezes nos 28 jogos disputados no campeonato, mais 20 golos marcados que o 2º melhor marcador da zona norte da 2ª Divisão.

Hugo Azevedo foi preponderante, no banco e em rinque (Foto: Facebook Riba d’Ave Hóquei Clube)

Para esta temporada Hugo Azevedo, que se manterá nas funções de treinador-jogador, vai contar com cinco reforços de tenra idade para tentar fazer o que o Riba d’Ave não conseguiu nas últimas três presenças na 1ª Divisão Nacional, garantir a manutenção.

Para a baliza, e para competir com Diogo Fernandes, titular na temporada passada, chega Pedro Freitas, jovem guardião de 22 anos que na temporada transacta defendeu a baliza da Académica de Espinho. O jovem guarda-redes dividiu a sua formação entre FC Porto e AD Valongo, tendo conquistado ao serviço da seleção portuguesa o Mundial sub-20 em 2015. Apesar da idade Pedro Freitas conta já com alguma experiência na 1ª Divisão, nas temporadas de 2015-16 e 2016-17 fez parte do plantel do Valongo, como habitual suplente de Leonardo Pais.

Também do Espinho chegam outros dois jovens jogadores, Diogo Seixas e Diogo Casanova. Os três jogadores foram aposta forte do Espinho na temporada transacta, tendo chegado todos a Espinho oriundos de equipas da 1ª Divisão. Falhado o objectivo da subida para os espinhenses, o Riba d’Ave resgata o trio de jogadores que volta à primeira divisão.

Diogo Seixas é um defesa/médio de 21 anos que fez quase toda a formação no FC Porto. Na 1ª Divisão, Seixas alinhou pelo Valongo em 2015-16 e 2016-17, tal como Pedro Freitas. Também ele campeão do Mundo de sub-20 em 2015, na cidade espanhola de Vilanova, Seixas e Freitas partem para a 4ª época enquanto companheiros de equipa, no 3º clube diferente.

Diogo Casanova, de 22 anos é o terceiro reforço oriundo do Espinho, o jovem avançado que na 1ª Divisão alinhou pela Sanjoanense em 2016-17, onde foi o melhor marcador da equipa com 13 golos apontados, chega ao Riba d’Ave depois de na temporada passada ao serviço do Espinho ter colocado por 32 vezes a bola no interior das balizas contrárias. Também ele campeão do Mundo de sub-20 em 2015, Casanova será uma das principais setas apontadas aos guarda-redes adversários.

O mais jovem reforço da equipa de Hugo Azevedo para esta temporada é Tomás Pereira, de apenas 18 anos, oriundo do Sporting. Tendo feito praticamente toda a sua formação no Valongo, Tomás foi reforço da equipa de sub-20 e da equipa B dos leões na temporada transacta, agora, depois de apenas uma temporada ao serviço do Sporting, Tomás Pereira volta ao norte do país para se estrear na 1ª Divisão Nacional. No currículo do jovem jogador está também uma conquista no campeonato do Mundo de sub-20, mas esta em 2017 na China.

Por fim o reforço mais experiente para esta temporada do Riba d’Ave é Nuno Pereira, de apenas 22 anos. Miccoli, como é conhecido no meio hoquístico, representou o Riba d’Ave à duas temporadas, em 2017-18 foi reforço do Valença, mas apesar dos seus 14 golos apontados não conseguiu evitar nova despromoção. Agora de regresso ao Riba d’Ave, Miccoli vai querer evitar uma terceira despromoção consecutiva na sua ainda curta carreira.

Pedro Freitas e Nuno Pereira “Miccoli” são dois dos jovens reforços do Riba d’Ave (Foto: Facebook Riba d’Ave Hóquei Clube)

O Riba d’Ave inicia o campeonato com um dos seis derbys minhotos que terá pela frente, este no terreno do OC Barcelos, a estreia no Pavilhão das Tílias está agendada para a segunda jornada na recepção ao campeão nacional Sporting. Com um calendário que dita um início de temporada muito complicado para a equipa do Riba d’Ave, que tem apenas na 5ª jornada um primeiro jogo de menor grau de dificuldade com a recepção ao Oeiras, Hugo Azevedo e os seus jogadores terão de causar alguma surpresa até lá para evitar ter de correr atrás da concorrência numa fase inicial do campeonato.

Com um plantel que mistura a veterania de elementos como Hugo Azevedo, Raul Meca ou Bruno Pinto, e a juventude e irreverência dos cinco reforços para esta temporada, o Riba d’Ave poderá ser uma agradável surpresa nesta edição do Campeonato Nacional da 1ª Divisão, e apesar do natural estatuto de ser uma das principais candidatas à despromoção, este Riba d’Ave pode ser um osso bem duro de roer para grande parte das equipas do campeonato, especialmente no seu pavilhão.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter