A “guerra” que o Crossfit ganhou à NSCA

Tiago OliveiraDezembro 18, 20193min0

A “guerra” que o Crossfit ganhou à NSCA

Tiago OliveiraDezembro 18, 20193min0
O Crossfit pôs termo à disputa legal com a NSCA, com a organização norte-americana obrigada a indemnizar a modalidade. Porquê? E o que significa o veredicto final?

Praticamente qualquer desporto, qualquer forma de competição, foi antes uma forma de treino. Não quer dizer que sejam, obviamente, a mesma coisa. Mas treino e a sua competição são a mesma moeda. Um é a cara outro a coroa. Competição é a versão comparativa quando dois adeptos de uma forma de treino se decidem defrontar.

O que é que isto tem a ver com CrossFit? Além da recente luta do seu fundador em dizer que o CrossFit não são os Games, há riscos que não se correm no treino e que se correm na competição. A possibilidade de acontecer lesões numa e noutra realidade não são comparáveis.

A CrossFit HQ tem afirmado ao longo do tempo que a prática da metodologia de treino de CrossFit é segura. Ou, pelo menos, tão segura quanto outra forma de treino de força e condicionamento. Opinião contrária tem tido a National Strength and Conditioning Associaton (NSCA) nos EUA. Ao longo do tempo a NSCA tem divulgado opiniões sobre a perigosidade do treino CrossFit, chegando ao ponto de divulgar estudos falsos que fundamentavam as suas opiniões.

Nesta guerra de titãs, os tribunais têm sido o local de competição, as barras olímpicas são os requerimentos dos advogados e os árbitros os juízes nos seus palanques. A primeira batalha ganhou-a o CrossFit em Janeiro de 2019 quando o tribunal concordou que os estudos sobre a perigosidade do treino CrossFit eram falsos e os números que a NSCA apresentava sobre lesões tinham sido fabricados. A segunda batalha que termina a guerra, e possivelmente a «morte» financeira da NSCA, acaba de ser ganha pela CrossFit HQ. A NSCA foi condenada e pouco mais de 3 milhões e meio de euros a pagar à CrossFit. Até ao final do corrente ano ambas as partes têm de acordar como aquele montante será pago.

Por perceber ainda está o motivo que levou NSCA a ter esta atitude perante a CrossFit. O desconhecido e a novidade não podem servir apenas de desculpa. A idade das trevas no que ao fitness e a evolução do treino não devia existir.

O número de boxes (ginásios de CrossFit) afiliadas à CrossFit HQ tem diminuído, é um facto. Mas se este número diminui, os indicadores indiretos, mostram-nos que o número de praticantes tem aumentado. Treino funcional, AKA o cognome para CrossFit quando não se pode utilizar o nome, está vivo e de boa saúde. Não vai desaparecer e não é mais uma tendência, mas uma realidade. Em breve – as previsões assim apontam e irão comprovar – CrossFit ira abarcar a categoria (se já não abarcou). Quer isso dizer que a «luta» da NSCA há muito estava perdida. Era uma causa perdida. Qual D. Quixote em luta com moinhos com as pás feitas de barras olímpicas.

Conversas à parte, CrossFit é desafios, desafios são os WODs:

10 minutos de time cap

50 duplos (saltar à corda em que ela passa duas vezes por debaixo dos pés);

50 agachamentos com o peso do corpo;

40 duplos;

40 agachamentos;

30 duplos;

30 agachamentos;

20 duplos;

20 agachamentos;

10 duplos;

10 agachamentos


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter