23 Mai, 2018

O que é a Ginástica Acrobática?

Sofia GoulartNovembro 23, 20179min0

O que é a Ginástica Acrobática?

Sofia GoulartNovembro 23, 20179min0
Sabes o que é a Ginástica Acrobática, modalidade que tem tido grandes resultados em Portugal? Não? Então descobre connosco neste artigo!

REFERÊNCIA HISTÓRICA

De acordo com alguns autores, a Ginástica Acrobática teve a sua origem há milhares de anos atrás: Será conhecida desde o ano 2300 a.c. no Egipto, onde, através de escavações arqueológicas, foram descobertas pinturas ilustrativas.

Na Antiga Grécia, algumas pinturas em jarras e cerâmicas revelam que os exercícios acrobáticos já eram praticados naquela época.

Também na Roma antiga se realizavam acrobacias, tanto para fins militares como para fins recreativos: Por um lado, os soldados eram treinados para escalarem as paredes das cidades que invadiam; por outro, as pessoas dedicavam-se à realização de pirâmides humanas.

Por volta da Idade Média, terão surgido as actividades circenses que, aliadas às festas populares e a outros eventos similares, contribuíram para a expansão desta ‘’modalidade’’.

No entanto, somente no século XX é que a modalidade se começou a expandir, designadamente nos países de leste. Em 1934, na antiga URSS, realizou-se a primeira competição formal.

Em 1973, foi criada a Federação Internacional de Desportos Acrobáticos (IFSA – International Federation of Sports Acrobatics), passando a estar incluída no programa dos Jogos Mundiais, um grande evento internacional no qual competem atletas de modalidades não olímpicas.

Em 1974, realizou-se o primeiro campeonato do mundo de ginástica acrobática em Moscovo.

Par Masculino (Foto: FPG)

EQUIPAMENTO DE COMPETIÇÃO E PAINEL DE JUÍZES

Os exercícios de Ginástica Acrobática são realizados num praticável de competição (com placas de amortecimento) com uma dimensão total de 14x14m, com a área de competição visivelmente delimitada de 12x12m, havendo uma zona de segurança recomendada de 2 metros em torno de todo o praticável.

Na entrada no praticável, todos os pares e grupos devem dirigir-se para o local onde vão iniciar o respectivo exercício, onde realizam uma apresentação simples, rápida e sem coreografia para o público e para os juízes. Na saída do praticável, aplica-se a mesma regra, após a qual devem dirigir-se para a zona do ‘’kiss and cry’’, na qual irão aguardar pela pontuação do exercício.

Nas provas de Ginástica Acrobática, cada painel de juízes é constituído por:

– 1 Chefe de Painel de Juízes

– 1 Juiz de Dificuldade

– 4 Juízes de Execução

– 4 Juízes de Artística

– 1 Juiz de Linha (opcional)

– 1 Juiz de Tempo (opcional)

Par Misto (Foto: FPG)

CATEGORIAS

Na Ginástica Acrobática, existem as seguintes categorias:

  • Par Feminino, constituída por dois elementos do sexo feminino, um base e um volante.
  • Par Misto, constituído por um elemento base do sexo masculino e um volante do sexo feminino.
  • Par Masculino, constituído por um base e um volante do sexo masculino.
  • Grupos Femininos, constituídos por 3 elementos do sexo feminino: Dois são bases e o outro é o volante.
  • Grupos Masculinos, constituídos por quatro elementos do sexo masculino, dos quais três são bases e um são volantes.

Nesta modalidade, os ginastas, em função de terem idades e estaturas diferentes, assumem a posição de ‘’bases’’ ou de volantes’’.

Os primeiros são, na grande maioria dos casos, os mais velhos do par ou do grupo, sendo também – regra geral – os mais fortes, para poderem facilmente segurar e amparar o volante.

Em contraposição, o volante é o outro elemento do par ou grupo, geralmente o mais novo, mais baixo e mais leve, características que permitem simplificar o trabalho conjunto com o(s) base(s).

TIPOS DE EXERCÍCIO, CRITÉRIOS DE PONTUAÇÃO E ESCALÕES

Os ginastas podem realizar 3 tipos de exercícios: Equilíbrio, Dinâmico e Combinado, todos com características diferentes.

No exercício de equilíbrio, os ginastas realizam elementos técnicos de equilíbrio, sendo também designados por ‘’elementos de forças combinadas’’, nos quais os ginastas têm de aguentar durante 3 segundos em cada elemento/posição, podendo realizar movimentações e ligações entre elementos. Ângulos, pranchas e pinos (em todas as suas variantes) são alguns desses elementos.

No exercício de dinâmico, os ginastas realizam elementos com fase de voo, correntemente chamados de saltos mortais, podendo ser combinados com piruetas e estarem interligados.

O exercício combinado, tal como o próprio nome indica, condensa características dos dois exercícios acima mencionados.

Nestes três exercícios, os ginastas são avaliados em três vertentes: Dificuldade, artística e execução.

A primeira consiste na soma da dificuldade dos elementos que os ginastas apresentam, sendo esse nível de dificuldade determinado pela tabela da Federação Internacional de Ginástica (FIG).

Par Feminino (Foto: FPG)

A execução está ligada ao desempenho técnico dos elementos apresentados. Ausência de extensão dos pés, joelhos ou pernas dobrados, falta de estabilidade nas recepções dos saltos mortais ou falta de manutenção dos 3 segundos exigidos nas posições estáticas são alguns exemplos simples que podem originar uma dedução na avaliação deste critério.

A componente artística está relacionada com a estrutura coreográfica do exercício. A criatividade e a originalidade, reflectidas na variedade de conteúdos apresentados, são valorizadas. Deve existir sincronismo entre os ginastas e harmonia com os movimentos que aqueles conjugam entre si.

A nota final é determinada pela soma das três notas anteriormente descritas (execução, artística e dificuldade).

Existem os seguintes escalões:

– Infantis (6 – 12 anos)

– Iniciados (10 -16 anos)

Juvenis (11-16 anos)

Juniores (12-18 anos)

Elite Júnior (13-19 anos)

Sénior (12 anos – em diante)

Seniores: (15 anos – em diante)

Todos os exercícios têm que ser coreografados e com acompanhamento musical. Até há pouco tempo, não era permitida a utilização de músicas com letra – eram usadas músicas instrumentais ou músicas cujo som vocalizado não continha letra. Agora, cada é permitido que cada par ou grupo tenha essa opção, mas apenas num exercício.

Cada exercício tem a duração máxima de 2:00 e 2:30 minutos, consoante o escalão. (Grupos de Idade – Juniores e Seniores, respectivamente). Por cada segundo excedido, é aplicável uma dedução de 01, pontos.

Em qualquer destes 3 exercícios, os ginastas têm de vestir um fato, também conhecido como ‘’maillot’. Nas provas em que representem o clube pelo qual competem, o maillot deve ostentar o emblema daquele clube. É expressamente proibido que os/as ginastas ostentem no seu fato de competição apenas a bandeira nacional nas competições em que estão a representar o seu clube.

Se assim o desejaram, podem ter a bandeira do clube e a bandeira nacional, mas sempre cada uma com as dimensões mínimas (30cm2), sendo que, qualquer infracção a esta regra implica as penalizações previstas no Código de Pontuação da FIG sobre vestuário inadequado.

Grupo Feminino (Foto: FPG)

A GINÁSTICA ACROBÁTICA EM PORTUGAL

A Federação de Ginástica de Portugal (FGP) disponibilizou recentemente dados estatísticos referentes ao número de filiados na FGP no nosso país.

Os dados referentes ao ano de 2017 demonstram que, num universo de 21944 inscritos, 3460 são atletas de ginástica acrobática.

Também é muito interessante constatar a evolução, ao longo dos anos, do número de inscritos na acrobática.

Conforme se pode ver através do gráfico, o número de filiados na acrobática mais do que duplicou desde 2011, não obstante tenha sofrido um ligeiro decréscimo em 2015. São números fantásticos e a tendência é para aumentar!

A Ginástica Acrobática é uma modalidade completa, na medida em que exige dos seus praticantes algumas componentes físicas, tais como força, flexibilidade, equilíbrio e coordenação para executarem os mais variados elementos.

Nos últimos anos, Portugal tem tido resultados esplêndidos em competições europeias e mundiais de ginástica acrobática. Somos campeões europeus (1ª medalha de ouro obtida em 2011) e do mundo. (1ª medalha de ouro obtida em 2014). Entretanto, renovámos títulos e estreámos tantos outros. Quebramos recordes de dificuldades mundiais. Alcançamos as pontuações finais mais elevadas em algumas competições. Conquistamos circuitos das Taças do Mundo. Temos feitos inéditos e, por essas mesmíssimas razões, já entrámos para a história do panorama internacional da ginástica acrobática.

Somos um país com um mérito desportivo enorme.

Descobre ainda mais aqui!

http://www.gympor.com/

http://www.fgp-ginastica.pt/_usr/regulamentos/1708cdc7sf.pdf

http://www.fgp-ginastica.pt/_usr/downloads/Estatisticas%20da%20Ginastica_2017.pdf

http://www.motricidade.com/index.php/repositorio-aberto/45-rendimento/1337-compreendendo-a-ginastica-acrobatica 

Grupo Masculino (Foto: FPG)

 


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter