Favoritos no feminino, não tanto assim no masculino

Rafael RaimundoFevereiro 14, 20193min0

Favoritos no feminino, não tanto assim no masculino

Rafael RaimundoFevereiro 14, 20193min0
Portugal é campeão da Europa de futsal masculino, no próximo domingo poderá sê-lo também no feminino. À partida apontamos uma selecção feminina num patamar muito elevado, já no masculino notamos algumas diferenças face a outras selecção de topo.

Não há que negá-lo. A seleção portuguesa de futsal feminino é claramente favorita a conquistar o primeiro campeonato europeu na modalidade. Primeiro porque a competição vai realizar-se em em Gondomar e depois porque está uns quantos passos à frente em termos de qualidade individual e tática.

Ora, o jogo amigável que a selecção feminina realizou frente à Hungria demonstrou o que estamos a constatar. A qualidade individual está bem assegurada bem como o conhecimento tático do jogo.

Vimos uma selecção a saber defender nas várias linhas da quadra, ora em pressão alta ora deixando o adversário iniciar a movimentação. Aí mostraram saber quando deveriam defender na zona e individualmente.

No ataque, jogadoras como Janice e Fifó são de facto uma grande esperança para Portugal, mas nem por isso a equipa se inibe de saber desenhar grandes jogadas ofensivas. Das tradicionais paralelas ou diagonais, às entradas duplas ou aos lances de bola parada ofensiva.

Face a esta capacidades das portuguesas reitere-se também o facto de Portugal estar bem à frente no que toca à aposta no futsal feminino. Estamos a ser um dos países pioneiros no investimento na modalidade.

Começa hoje a prova europeia e esperamos nós que, à semelhança do que aconteceu à um ano na Eslovénia, o ouro no final seja para Portugal.

No masculino, a história já não é tão linear assim.

Fotografia: FPF

Os jogos amigáveis contra a selecção do Brasil mostraram uma selecção portuguesa ainda refém da capacidade de Ricardinho de desequilibrar. Nomeadamente contra equipas de renome mundial.

Olhando para os dois amigáveis é facilmente perceptível o que aconteceu. Portugal tem uma selecção muito equilibrada, contudo ainda pouco experiente nos grandes jogos. Temos qualidade individual, trabalhamos bem o jogo, mas falta aquilo que distingue os muitos bons dos espectaculares: a esperteza  em certos momentos do jogo. Nisso os brasileiros, bem como os espanhóis, são muito fortes.

Portugal ainda acusa o nervosismo, a vontade de querer fazer mais do que lhe é pedido, tanto mais que chega a ser em vão.

No final da carreira do futebolista espanhol Xavi, dizia-se muito que o jogador já tinha alguma idade, no entanto ninguém dizia que ele jogava mal, isto porque em vez de correr dez km corria sete ou oito, contudo sabia sempre para onde correr. Ganhou-o com a experiência mas também com a enorme capacidade de ler o jogo.

É com base nesta ideia que acreditamos que Portugal pode atingir outro patamar, até porque temos a forte convicção de que se trabalha tão bem a modalidade em Portugal com lá fora. Falta-nos apenas esta parte psicológica que parece estar enraizada nas selecções portuguesas.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS




Posts recentes


newsletter